logo_ppgas.png

Linhas de Pesquisa

Linhas de pesquisa

Cobrindo um leque amplo de objetos e campos de investigação, existem 4 grandes linhas de ensino e pesquisa no Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social. As linhas e suas sub-linhas refletem a diversidade temática das pesquisas desenvolvidas por docentes e discentes, e a participação de pesquisadores em mais de uma linha é um reflexo dos diálogos entre as mesmas estimulado pelo PPGAS. São elas:

  • TRANSFORMAÇÕES E CONFLITOS CONTEMPORÂNEOS

  • ANTROPOLOGIA E ETNOGRAFIA DO CONHECIMENTO

  • ETNOLOGIAS

  • GÊNERO, DIFERENÇAS, CORPORALIDADES
TRANSFORMAÇÕES E CONFLITOS CONTEMPORÂNEOS

A Linha tem como problema geral as continuidades e descontinuidades sociais em um mundo cada vez mais conectado e diverso, acelerado e compactado, mas também ramificado e rizomático. As transformações são de diversas naturezas, escalas e intensidades, frequentemente resultantes de disputas, conflitos e negociações culturais, políticos e sociais. Os professores da Linha abordam, preferencialmente, os seguintes temas de pesquisa: contextos pós-guerra; deslocamentos e fronteiras; religião e política; antropologia do cristianismo; saúde e espiritualidade; direitos humanos e violência de Estado; cidades e periferias; desigualdades e pobrezas; drogas, crime e segurança; gênero e sexualidade; raça e geração; movimentos sociais e estado; entre outros. Enfatiza-se ainda a pesquisa etnográfica e/ou etnohistórica.

A Linha está dividida nas seguintes sub-linhas:

  • Deslocamentos, políticas de securitização e mobilizações sociais;
  • Religião, espiritualidade e espaço público;
  • Cidade, desigualdades e violências;
  • Ativismos políticos e interseccionalidades.
ANTROPOLOGIA E ETNOGRAFIA DO CONHECIMENTO

Aberta à pluralidade das formas pelas quais o conhecimento é produzido e objetivado, esta linha congrega pesquisas sobre sistemas de pensamento e práticas sociais. A diversidade dos temas abrangidos inclui bens materiais e imateriais; propriedade intelectual e saberes tradicionais; regimes patrimoniais, narrativas e instituições de memória, como museus e arquivos; ciência e outros modos de conhecimento; arte e produção cultural; biografias e trajetórias; grafias e imagens. Estes destaques dão a ver a amplitude e complexidade das contribuições desta linha para estimular perspectivas teóricas e temáticas permitindo também revisitar alguns temas clássicos da antropologia, como é o caso da oposição entre natureza e cultura. Para tanto, seus participantes afirmam a importância da etnografia para a apreensão e análise dos modos diversos de constitutição de saberes, situados, multiescalares e interconectados na experiência social. Tais pressupostos alimentam as investigações,  produção intelectual, cursos e os seminários oferecidos a partir de quatro sub-linhas:

Sub-linhas:

  • Patrimônio, Políticas e práticas da Memória e seus modos de objetivação;
  • Narrativas, Grafias e Imagens
  • Biografia e Trajetórias
  • Ciências e outros modos de conhecimento
ETNOLOGIAS

Esta linha cobre a etnologia em um sentido amplo e plural, desde os campos do americanismo (com ênfase nas Terras Baixas da América do Sul) e do africanismo,  até o campo daquelas populações que, historicamente invisibilizadas ou abordadas como “campesinato”, reivindicam reconhecimento tendo como referência suas particularidades étnicas e cosmológicas, como as populações afroamericanas (quilombos, palenques, cimarrones) e os chamados povos tradicionais. Os interesses da linha podem ser distribuídos por quatro grandes campos interconectados: A) a análise de discurso, cosmologia e religião, estética, mitologia e ritual, gênero, parentesco e organização social; B) a sociogênese e micro-história social desses coletivos, suas concepções de história e memória, e o desenvolvimento das políticas públicas específicas para esses segmentos, como o indigenismo; C) as questões relativas às formas de espacialização e territorialização, mobilidade, sobreposições territoriais, concepções da natureza e gestão de recursos e, finalmente, os embates relativos a terras, sua regularização fundiária e a relação com o Estado; e D) as organizações políticas contemporâneas de caráter étnico, debates sobre as formas oficiais de reconhecimento nos campos da saúde, educação, assim como as novas formas de protagonismo nas artes, museus e nas próprias ciências humanas e sociais.

Sub-Linhas:

  • Estudos Ameríndios
  • Estudos Afro-Orientais
  • Estudos Afroamericanos e Quilombos
  • Campesinato e populações tradicionais

 

GÊNERO, DIFERENÇAS, CORPORALIDADES

Esta linha contempla estudos que articulam a problemática de gênero às expressões, experiências e práticas sociais, culturais e políticas. Seu objetivo geral é fornecer instrumentos para o refinamento teórico e metodológico, levando em conta as conexões entre gênero e outras categorias de diferenciação, tais como idade, raça, etnia, classe social e sexualidade. Os professores da Linha abordam os seguintes temas de pesquisa: processos de subjetivação e arenas de agenciamento; processos de racialização e racismos; envelhecimento e geração; parentesco, conjugalidade, relacionamentos amorosos e tecnologias reprodutivas; erotismos; economias sexuais e trabalho sexual; ciência e tecnologia; produção cultural e artística; mídia, mercado e consumo; instituições prisionais e tráfico de pessoas; transnacionalidade, migração e refúgio. As sub-linhas de pesquisa, permeadas pela preocupação com a defesa dos direitos humanos, são as seguintes:

  • Feminismos, políticas sexuais e sexualidades
  • Gênero, produção de conhecimento e/ou produção cultural
  • Corporalidades, envelhecimento e curso da vida, processos de racialização
  • Parentesco, relações amorosas, intimidade e cuidado  
  • Estado, violência, práticas jurídicas, instituições prisionais e segurança
  • Mobilidades, transnacionalização, migrações, refúgio, tráfico de pessoas