Próximas Defesas

Para agendar a Defesa de Tese:   A Defesa de Tese deve ser agendada no sistema SIGA (DAC/UNICAMP), através de uma série de procedimentos que podem ser observados no Manual de Defesa de Dissertação/Tese - clique aqui.    
RESPONSABILIDADES FAMILIARES E INSERÇÃO LABORAL FEMININA EM TRABALHO DE CONDIÇÕES PRECÁRIAS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE BRASIL E COLÔMBIA
Aluno(a): Dannyra Tatiana Mendonza Cuello
Programa: Demografia
Data: 14/06/2021 - 09:00
Local: https://youtu.be/fw0vJOlenF8
Membros da Banca:
  • Profa. Dra. Joice Melo Vieira (IFCH/UNICAMP) - Orientadora
  • Profa. Dra. Glaucia dos Santos Marcondes (IFCH/UNICAMO) - Membro Titular
  • Profa. Dra. Laeticia Rodrigues de Souza (REIT/UNICAMP) - Membro Titular
  • Dra. Maira Covre Sussai Soares (UERJ) - Membro Titular
  • Dr. Paulo Aguiar Do Monte (UFPB) - Membro Titular
  • Profa. Dra. Tirza Aidar (IFCH/UNICAMP) - Membro Suplente
  • Dra. Silvana Nunes de Queiroz (URCA) - Membro Suplente
  • Profa. Dra. Luciana Correia Alves (IFCH/UNICAMP) - Membro Suplente
Descrição da Defesa:

A inserção das mulheres no mercado de trabalho remunerado é cada vez maior. No entanto, esta inserção não tem andado de mãos dadas com a equidade, persistindo as desigualdades de salário, proteção social e acesso a oportunidades. Vários estudos têm demostrado que na América Latina a participação feminina no mercado de trabalho está concentrada nas ocupações informais, precárias ou secundárias e, portanto, com pior remuneração. Um fator relevante para explicar este fenômeno poderia ser o papel que a mulher desempenha na sociedade e na família, baseado nas relações sociais entre os sexos e, especialmente, na divisão sexual do trabalho. Tradicionalmente, o cuidado com as crianças é visto como responsabilidade primordial das mulheres. Logo, mulheres que se tornam mães, se deparam com certa discriminação no mercado laboral, precisando se adaptar a situações menos vantajosas que vão de salários mais baixos a contratos em tempo parcial, ou mesmo ausência de contratos formais de trabalho, restando-lhes as ocupações mais precárias e com menor poder de negociação. O desafio de conciliar vida pessoal e inserção no mercado laboral é peça chave para refletir sobre o futuro da maternidade nos países da região. A partir disto, o objetivo desta tese foi analisar a associação entre a maternidade e a inserção laboral de mulheres em trabalhos precários, bem como o quanto a maternidade pode ser um fator diferencial que penaliza os salários femininos no mercado laboral no Brasil e na Colômbia. Adotou-se como metodologia o modelo de Heckman com correção de viés de seleção, para captar a penalização por maternidade na remuneração salarial feminina. Também se utilizou o modelo logit, para avaliar a associação entre a maternidade e a inserção das mulheres em ocupações precárias. Os resultados indicaram associação positiva entre maternidade e ocupações precárias, assim como também se evidenciou uma penalidade por maternidade. Ou seja, quanto maior o número de filhos no domicílio, maior é a chance de exercer trabalhos em condições precárias, e sua remuneração tende a ser mais baixa. Assim, ser mãe aumenta a chance de exercer trabalho em condições precárias em 14.5% em 2012 e 14.7% em 2019 no Brasil; e 9.5% e 5.3% na Colômbia em 2012 e 2019 respectivamente, em comparação com mulheres sem filhos. Além disso, foram apresentadas evidências de que o acréscimo de um filho pode aumentar essa chance das mulheres colombianas (10.8% e 9.6%) e brasileiras (9.3% e 12%) exercerem trabalho em condições precárias. Ademais, constatou-se a penalização salarial da mulher pelo aumento adicional de um filho. Na Colômbia, em média, essa penalização foi mensurada em 5.5% em 2012 e 7.9% em 2019, e no caso do Brasil foi de 10.5% e 10.3% em 2012 e 2019, respectivamente. Observamos que ainda existem diferenças entre mulheres sem filhos e com filhos, evidenciando os efeitos da maternidade na vida laboral feminina. As fontes de dados utilizadas foram a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNADC) para o Brasil e a Gran Encuesta Integrada de Hogares (GEIH) para a Colômbia referentes aos anos de 2012 e 2019.

A COR E O CORPO: UMA HISTÓRIA FEMINISTA DO SAMBA E DO CARNAVAL NO RIO DE JANEIRO
Aluno(a): Maria Clara Martins Cavalcanti
Programa: História
Data: 17/06/2021 - 14:00
Local: https://youtu.be/jDYdQYWupH4
Membros da Banca:
  • Profa. Dra. Luana Saturnino Tvardovskas (IFCH / UNICAMP) - Orientadora
  • Dra. Ana Carolina Arruda de Toledo Murgel (UNICAMP) - Membro Titular
  • Dra. Lívia Gonçalves Magalhães (UFF) - Membro Titular
  • Dra. Luzia Margareth Rago (IFCH/UNICAMP) - Membro Suplente
  • Dra. Marilea de Almeida (FERP) - Membro Suplente
Descrição da Defesa:

Este trabalho se dedica a analisar as disputas presentes na produção musical e na história do samba e das músicas de carnaval no Rio de Janeiro, em diálogo com as reflexões empreendidas pela crítica feminista à cultura. Para isso, refletimos acerca dos discursos sobre as mulheres presentes em algumas das marchinhas carnavalescas mais populares na cidade. Do ponto de vista histórico, busca-se compreendê-las como parte de uma formação discursiva composta por – e em relação com – outros objetos, como os textos literários e sociológicos, analisando o racismo e o sexismo atravessados pela questão da mestiçagem cultural. No investimento desta análise, torna-se fundamental, ainda, investigar a forma como o imaginário sobre a raça, o gênero e a democracia racial atravessa esses discursos musicais, metaforizados nos corpos das mulheres. Além disso, é de interesse desta dissertação discutir a tensão constante entre a insistente tematização das mulheres como personagens das canções e sua invisibilização enquanto autoras/compositoras, sob a luz das discussões em torno da autoria feminina presentes em Ana Carolina Arruda de Toledo Murgel e Luana Saturnino Tvardovskas. Nesse sentido, este trabalho caminha junto à concepção de imbricamento entre raça e gênero, pensada a partir das discussões em torno das relações de poder presentes em Michel Foucault e nas teorias críticas feministas de autoras como Lélia Gonzalez, Margareth Rago e Sueli Carneiro.

SONS DA CIDADANIA: BANDAS, MÚSICOS NEGROS E UMA CORPORAÇÃO MUSICAL EM CAMPINAS NO PÓS-ABOLIÇÃO
Aluno(a): Ana Paula de Lima
Programa: História
Data: 24/06/2021 - 10:00
Local: https://youtu.be/wxdX0hpc_TY
Membros da Banca:
  • Prof. Dr. Rodrigo Camargo de Godoi (IFCH) - Orientador
  • Profa. Dra. Lucilene Reginaldo (IFCH/UNICAMP) - Membro Titular
  • Dra. Martha Campos Abreu (UFF) - Membro Titular
  • Dra. Lucia Helena Oliveira Silva (UNESP) - Membro Suplente
  • Profa. Dra. Raquel Gryszczenko Alves Gomes (IFCH/UNICAMP) - Membro Suplente
Descrição da Defesa:

A dissertação tem como objetivo investigar a historicidade do fazer musical de pessoas negras que tocavam um instrumento ao mesmo tempo em que desempenhavam outras atividades profissionais, como ferroviários e pedreiros. Deste modo, a pesquisa analisa como músicos negros estiveram presentes na vida social brasileira e como, por meio dos sons de seus instrumentos, integraram um amplo movimento de contestação das hierarquias e marcadores raciais. Partindo da experiência da fundação da Corporação Musical Campineira dos Homens de Cor em 1933, busco compreender uma tradição que remonta às bandas de escravizados e às bandas dos regimentos militares, ainda no século XIX, passando pela criação de inúmeras jazz-bands pelo interior de São Paulo nas primeiras décadas do século XX. Neste momento, para além dos tradicionais dobrados, os músicos se interessaram pelos novos gêneros musicais como o maxixe, o tango e o jazz. Por fim, a dissertação também destaca o papel desempenhado pelo associativismo negro em Campinas na criação da Corporação, na medida em que a prática musical era vista como um elemento importante na educação dos negros e, nesse sentido, um elemento fundamental para o exercício da cidadania.

GESTIONES (IN)VISIBLES EN EL CAMPO DEL ARTE COLOMBIANO. LA SOCIEDAD DE EMBELLECIMIENTO DE BOGOTÁ Y LA OFICINA DE INFORMACIÓN COMERCIAL Y DE PROPAGANDA DE COLOMBIA EN PARÍS, EN LOS AÑOS 20.
Aluno(a): Paola Alexandra Camargo Gonzalez
Programa: História
Data: 28/06/2021 - 16:00
Local: Integralmente a Distância
Membros da Banca:
  • Luciano Migliaccio - Presidente (UNICAMP)
  • José Alves de Freitas Neto (UNICAMP)
  • Carlos Eduardo Ornelas Berriel (UNICAMP)
  • Paulo Knauss de Mendonça (UFF)
  • María Soledad García Maidana (Universidade Nacional da Colômbia)
Descrição da Defesa:

O objetivo desta pesquisa é estudar o papel, as contribuições e as ações institucionais da Sociedade de embelezamento de Bogotá (SEB) e do Escritório de Informação Comercial e Publicidade da Colômbia em Paris, entre 1917-1929. Seu estudo permitirá explorar a relação entre arte, política e economia, por meio de ações institucionais realizadas por funcionários da carreira diplomática na Colômbia e por integrantes das elites de Bogotá com 20 anos. Entre o poder público e privado no país, em torno de um projeto de marca nacional (branding), que envolveu tanto o legado artístico do passado, quanto a arte moderna.

GESTIONES (IN)VISIBLES EN EL CAMPO DEL ARTE COLOMBIANO. LA SOCIEDAD DE EMBELLECIMIENTO DE BOGOTÁ Y LA OFICINA DE INFORMACIÓN COMERCIAL Y DE PROPAGANDA DE COLOMBIA EN PARÍS, EN LOS AÑOS 20.
Aluno(a): Paola Alexandra Camargo Gonzalez
Programa: História
Data: 28/06/2021 - 16:00
Local: Integralmente a Distância
Membros da Banca:
  • Luciano Migliaccio - Presidente (UNICAMP)
  • José Alves de Freitas Neto (UNICAMP)
  • Carlos Eduardo Ornelas Berriel (UNICAMP)
  • Paulo Knauss de Mendonça (UFF)
  • María Soledad García Maidana (Universidade Nacional da Colômbia)
Descrição da Defesa:

O objetivo desta pesquisa é estudar o papel, as contribuições e as ações institucionais da Sociedade de embelezamento de Bogotá (SEB) e do Escritório de Informação Comercial e Publicidade da Colômbia em Paris, entre 1917-1929. Seu estudo permitirá explorar a relação entre arte, política e economia, por meio de ações institucionais realizadas por funcionários da carreira diplomática na Colômbia e por integrantes das elites de Bogotá com 20 anos. Entre o poder público e privado no país, em torno de um projeto de marca nacional (branding), que envolveu tanto o legado artístico do passado, quanto a arte moderna.