Programa de Pós-Graduação em Filosofia - Linhas de Pesquisa

Linhas de Pesquisa

O Programa de Pós-graduação em Filosofia da Universidade Estadual de Campinas tem atualmente quatro linhas de pesquisa que percorrem todo o campo da área de concentração do programa, que é Filosofia, estando também harmonicamente articuladas. As quatro Linhas de Pesquisa do programa são:

Descrição: Orientada pelos temas e problemas que caracterizam as quatro épocas canônicas da História da Filosofia, esta linha de pesquisa abrange os segmentos:

  • a) História da Filosofia Antiga, dedicada a autores clássicos da Filosofia Grega e se destina a investigar, com o auxílio da análise filológica do texto grego, os temas filosóficos fundamentais em torno dos quais se organiza a filosofia do período;
  • b) História da Filosofia Medieval, tendo como fio condutor a recepção e a incorporação dos clássicos da antiguidade filosófica, percorrem-se autores, escolas ou temas do período denominado "Idade Média" (séc. V-XIV) ligados à escolástica patrística, às filosofias árabes e judias e ao pensamento bizantino;
  • c) História da Filosofia Moderna, compreende os séculos XVII e XVIII e visa enfeixar os autores que iniciam a tradição racionalista continental e o empirismo britânico, os Enciclopedistas, Kant e os filósofos do Idealismo Alemão e,
  • d) História da Filosofia Contemporânea, as mais diversas linhas contemporâneas da filosofia modulam cada qual a seu modo a idéia de que o sujeito pensante está imerso em uma multiplicidade de condições que o determinam, havendo nelas, ao mesmo tempo, uma proliferação da procura de saídas, segundo o mote da superação da metafísica, fio condutor mais geral destas pesquisas.

Descrição: Investigação sistemática das formulações lógicas contemporâneas em sua pluralidade, segundo o fio condutor de suas possíveis combinações produtivas, esta linha abrange os segmentos:

  • a) Lógicas Não-Clássicas, dedicada à investigação dos diversos aspectos conceituais das lógicas polivalentes paraconsistentes, subestruturais, modais e outros sistemas de lógicas ditas "não-clássicas", procurando encontrar inter-relações entre diferentes tipos de lógicas (utilizando-se, por exemplo, traduções entre sistemas lógicos), assim como a definição de sistemas de prova e semânticas adequadas, e,
  • b) Semânticas Formais, dedicada à investigação e proposta de semânticas formais (semânticas de traduções possíveis, semânticas de mundos possíveis, semânticas de valorações e fibrilações) apropriadas para lógicas de características heterogêneas. Estes estudos incluem aspectos algébricos e da teoria da categoria. Um dos objetivos do desenvolvimento de semânticas gerais é a sua aplicação na teoria de combinações entre lógicas.

Descrição: Investigação sistemática de temas clássicos de filosofia prática em registro sincrônico e diacrônico e tendo como pontos de fuga as relações entre ética e política e sua referência à categoria de Estado, esta linha abrange os segmentos:

  • a) Teoria do Estado, do Direito e da Democracia, tomando como ponto de partida os conceitos de soberania popular e de representação como categorias fundantes da Democracia contemporânea, pretende-se examinar as contradições complementaridades entre estas categorias, incluída aí a referência ao estatuto dos direitos humanos. Esse é o pano de fundo a partir do qual se procede à revisão das doutrinas democrático-liberais;
  • b) Ética e Filosofia Política, o tema clássico e sempre presente das relações entre Ética e Política é enfeixado aqui pela reatualização da filosofia prática nos debates da esfera pública, permitindo que o estudo histórico-filosófico dessa categoria torne-se poroso relativamente às discussões do presente histórico.

Descrição: Dedicada à abordagem de temas clássicos de teoria do conhecimento e à reflexão filosófica, metodológica e histórica sobre a ciência e a linguagem, esta linha abrange os segmentos:

  • a) Filosofia da Linguagem, dedicada à análise de projetos filosóficos de fundamentação do conhecimento e interpretação dos sistemas simbólicos relativamente ao seu papel na constituição da significação;
  • b) Filosofia da Psicologia e da Psicanálise, que investiga os modelos explicativos da gênese conceitual e as estratégias de fundamentação na psicologia e na psicanálise;
  • c) Teoria do Conhecimento, busca investigar as reflexões filosóficas, que, ao longo da história da filosofia, foram feitas sobre a natureza do conhecimento, suas fontes, seus limites, e principalmente, sua validade e meios de justificação;
  • d) Filosofia da Ciência, investiga-se a natureza do conhecimento científico, seus fundamentos e implicações; entre as questões abordadas estão: gênese e justificação de teorias científicas; racionalidade e progresso da ciência; realismo e anti-realismo científicos; explicações científicas; a interface da filosofia da ciência com a história da ciência; problemas conceituais e teóricos relativos aos fundamentos de teorias físicas; aspectos sociais e éticos da atividade científica; e finalmente,
  • e) História da Filosofia da Natureza, que destina-se a investigar temas fundamentais da reflexão histórica sobre a filosofia da natureza, desde Aristóteles até a revolução científica dos séculos XVI e XVII, passando pela recepção e transformação do pensamento aristotélico na Idade Média e Moderna.