Linhas de Pesquisa

Estudo de Patrimônio e Memória

Esta linha é dedicada à reflexão crítica sobre práticas sociais, políticas e profissionais relativas ao ‘patrimônio cultural’ e à ‘memória social’, contemplando questões de natureza teórica, metodológica e ética pertinentes a ambas e a cada uma dessas subáreas temáticas.

A proposta tem como foco disciplinar as Ciências Sociais. Reconhecendo a heterogeneidade de seus objetos de pesquisa, ela abarca temas transversais, entre os quais se destacam as articulações entre patrimônio, memória e assuntos como os seguintes, entre outros:

  • construção, reconfiguração ou consolidação de socialidades, identidades, territorialidades, sentimentos de pertencimento e cidadania
  • processos socioculturais associados a situações de pobreza, conflito, guerra, impactos ambientais e à sua superação
  • implementação e avaliação de políticas culturais e socioambientais

Os estudos sobre Patrimônio Cultural e Memória ressurgem contemporaneamente como matéria de controvérsia política e debate acadêmico inovador, em um ambiente em que a reflexão é enriquecida pelas sólidas contribuições tradicionalmente oferecidas pela história, arquitetura e urbanismo, arqueologia, artes, museologia, educação e estudos jurídicos que passam, elas também, por importante mudança.

Esta é uma linha de atuação profissional e política bastante consolidada, envolvendo a elaboração de laudos, assim como trabalhos de consultoria junto a organizações da sociedade civil ou em agências responsáveis pela criação e implementação de políticas públicas. Desta forma, são acolhidos projetos de orientação prática da mesma forma que estudos de cunho acadêmico sobre preservação e salvaguarda de patrimônio material e imaterial, relação entre direitos culturais e territoriais, entre vários outros.

Disciplinas de Fundamento.

I. Formação da área de estudos sobre patrimônio e memória nas ciências sociais e disciplinas afins.

II. Debates contemporâneos, onde serão focalizadas questões conceituais, metodológicas e éticas de interesse para a problemática atualmente pesquisada e para a inovação na área.

Estudos das Relações China-Brasil

Esta área foi criada no primeiro semestre de 2012 com a proposta de desenvolver uma abordagem interdisciplinar ao estudo das relações entre a China e o Brasil. De maneira imprevista, as relações com a China passaram a ocupar um lugar central no processo de alteração da posição do Brasil no mundo, e também hoje se fala cada vez mais no fenômeno BRICS. O Brasil se encontra despreparado para esta mudança e a fundação desta área, fruto do trabalho de seus docentes no grupo de estudos Brasil-China do Centro de Estudos Avançados da Unicamp visa contribuir a alterar esta situação. A área combina perspectivas desenvolvidas nas seguintes áreas de atuação: economia, sociologia, relações internacionais, estudos do meio ambiente e inovação.

Os docentes desta área se organizam a partir dos seguintes temas:

  • Globalização cultural
  • Globalização econômica
  • Transformações de relações internacionais e supranacionais
  • Meio Ambiente – política comparada
  • Inovação – política e desenvolvimento em termos comparados
  • Federalismo e formas de governo em perspectiva comparada

Ademais, já no ano de 2012, esta área contou com 5 projetos de pesquisa em temas intimamente associados às linhas de investigação elencadas acima.

  • Sociologia da juventude nos países BRICS
  • Valores, projetos e estilos de vida de jovens universitários chineses e brasileiros
  • Dimensões da Política Ambiental China-Brasil
  • Federalismo – ótica comparada

É importante frisar que essa área mantém uma rica interlocução e parceria com vários órgãos da Unicamp, como os Institutos de Ensino e Pesquisa de Economia (IE), de Geociências (IG) e de Filosofia e Ciências Humanas (IFCH), destaca-se a interlocução com o Centro de Estudos Avançados (CEAv). Dentro do IFCH mantém uma interlocução permanente e parceria com o Centro de Estudos de Opinião Pública (CESOP) e com o Núcleo de Estudos e Pesquisas Ambientais (NEPAM). No plano internacional existem relações pessoais e/ou institucionais como: Centre for Advanced Studies in the Humanities – University of Fudan; Institute of Sociology -Chinese Academy of Social Sciences; Center for the Study of Contemporary China - University of Peking, entre outros.

Centro ou Núcleo associado:

Grupo de Estudos Brasil-China

Estudos de Gênero

Criada em 1993, como área de Família e Relações de Gênero e a partir de 2004 com a denominação de Estudos de Gênero, esta linha de pesquisa dedica-se à compreensão dos variados aspectos das relações envolvendo gênero na vida social. A linha procura fornecer instrumentos para o refinamento teórico e metodológico das pesquisas nesse campo, a partir de uma perspectiva interdisciplinar, visando à formação discente e à constituição de grupos de pesquisa. A linha tem concentrado esforços em dar inteligibilidade às articulações entre gênero e outras categorias de diferenciação, levando também em conta as interfaces entre gênero e variadas manifestações presentes no mundo social.

Os cursos e as pesquisas em andamento estão organizados em torno das seguintes temáticas:

  • Corporalidades, Ciência & Tecnologia;
  • Sexualidade: erotismo, pornografia, mercados do sexo, trabalho sexual, diversidade sexual, políticas sexuais, tecnologias reprodutivas;
  • Curso da vida, gerações e cuidado;
  • Produção Cultural: produção artística; mídia;
  • Violência; práticas jurídicas; Instituições penitenciárias; tráfico de pessoas
  • Relações familiares: conjugalidade; parentalidade; parentesco;
  • Intimidade; relacionamentos amorosos;
  • Feminismo, arenas de agenciamento e ação política;
  • Relações de trabalho;
  • Migração, mobilidades e transnacionalidade;

Importante mencionar que essa linha mantém uma rica interlocução e parceria com centros e núcleos de pesquisa da universidade, em particular, com o Núcleo de Estudos de Gênero Pagu (PAGU/Unicamp). 

Centro ou Núcleo associado:

Núcleo de Estudos de Gênero - PAGU

Estudos Sobre Cidade

Criada em 2015, esta área tem por objetivo investigar a vida social nos meios urbanos contemporâneos. Para tanto, oferece como ensino da pesquisa em ciências sociais tanto temáticas atuais (território, desigualdade, migração, política, violência, religião, entre outros) como a possibilidade de conhecimento e articulação de metodologias de caráter quantitativo e qualitativo.

I Ementa das Disciplinas de Fundamento:

- A cidade e sua dinâmica sócio-demografica

A disciplina pretende desenvolver uma reflexão teórica-metodológica sobre aspectos relativos à produção das cidades, bem como suas contra partidas sócio-demográficas, particularmente o processo de redistribuição e diferenciação sócio espacial da população. Nesse sentido, pretende-se não apenas apresentar diferentes visões teóricas e metodológicas sobre o estudo do fenômeno urbano, mas também abordar questões sócio-demográficas decorrentes do processo de urbanização com atenção a elementos técnicas e fonte de dados.

- Etnografias Urbanas

A proposta desta disciplina tem duplo objetivo, um teórico e outro metodológico. Em primeiro lugar, oferecer ao aluno a trajetória do objeto cidade nas teorias das ciências sociais: da Escola de Chicago aos debates mais contemporâneos. Em segundo, aprofundar a reflexão teórica sobre o método etnográfico a partir de leituras de etnografias em meio urbanos.

Modos de conhecimento e suas expressões: Experiências e Trajetória

Esta área, formulada em 2010 e criada formalmente em 2011, substitui (preservando parte de seu espírito) a área de Itinerários Intelectuais e Etnografia do Saber. Configurada pelas suas linhas de pesquisa e tendo como objetivo o ensino, pesquisa e invenção teórica e metodológica esta área atual Modos de conhecimento e suas expressões: Experiências e Trajetórias assenta-se na interface entre ciência e as chamadas humanidades (arte, música, e literatura), tendo como um dos seus eixos a relação entre experiências e trajetórias. Os professores e pesquisadores desta área pretendem focalizar tais relações em seus cursos e seminários e pretendem acolher as pesquisas que proponham em seu temas o trabalho de invenção teórica e metodológica.

Eixos temáticos:

Eixos temáticos:

  • Conhecimentos e suas expressões: Reflete sobre os modos de percepção, de compreensão e simbolização do mundo e da vida por meio das suas expressões narrativas: biografias, etnografias , e, contrapontos extensivos, relatos de viagens, coleções, acervos.
  • Trajetórias e experiências artísticas no campo musical e no mercado de música: Reflete sobre como a música nos interpela como sujeitos integrais, cognitiva, emocional e psico-motoralmente. Abarca trabalhos que contemplem a experiência musical em seus contextos sócio-econômicos, mercado, campo artístico, buscando elucidar as formas encontradas ou não pelos próprios artistas para preservar a natureza sui generis de sua experiência, bem como experiências musicais que de alguma forma transcendam esses contextos.
  • Novos Paradigmas de subjetividade: Deslocando o sujeito e a subjetividade da razão e recolocando-a nas noções de cuidado e cura, partindo do suposto heideggeriano de estar-com, este eixo temático explora um novo paradigma de sujeito e subjetividade que requer uma invenção metodológica para a ciências humanas, não separando ciência e arte. Contempla pesquisas que explorem o conceito de experiência, entendido como não oposição entre sujeito e objeto, vivido e narrado.
  • Imagem, acontecimento e experiência: Focalizando os modos de conhecimento por imagem e suas grafias, este eixo temático prioriza estudos acerca da experiência metodológica do pensamento por imagem como um lugar de questões e experimentos, acontecimentos e narrativas, e memórias e imaginários. As proposições teóricas e de pesquisa desta linha situam desafios conceituais no deslocamento das fronteiras entre imagem e palavra, estabelecendo problematizações e evidenciando as potencialidades heurísticas da imagem no campo das ciências sociais.
Centro ou Núcleo associado:

Laboratório Antropológico de Grafia e Imagem - LA’GRIMA

Processos Sociais, Identidades e Representações do Mundo Rural

Estabelecida em 1985 com o nome de "Agricultura e Questão Agrária", e reformulada com o nome atual em 2001, esta área está voltada para o estudo dos processos sociais em curso no mundo rural, para as suas representações e para as raízes agrárias no pensamento social. Volta-se também para o estudo da questão agrária e da problemática das populações rurais e os povos tradicionais do campo, sua diversidade e suas transformações. O interesse da linha de pesquisa recai sobre as suas formas de sociabilidade, instituições, mobilizações, identidades, usos e modos de apropriação da terra e de outros recursos naturais. É importante mencionar que esta área mantém uma rica interlocução e parceria com centros e núcleos de pesquisa da universidade, em particular, com o Centro de Estudos Rurais (CERES), com o Núcleo de Estudos e Pesquisas Ambientais (NEPAM) e com o Centro de Estudos e Pesquisas em Etnologia indígena (CEPEI).  

Os cursos e as pesquisas em andamento estão organizados em torno das seguintes temáticas :

  • Processos identitários e territoriais
  • Modos de produção e apropriação do território
  • Produção social de demandas e direitos
  • Estado e políticas públicas
  • Movimentos sociais rurais
  • Questão agrária e ciências sociais
  • Migração e deslocamentos no mundo rural
  • Questões ambientais e mundo rural 
Centro ou Núcleo associado:

Centro de Estudos Rurais - CERES

Trabalho, Política e Sociedade

A área de Trabalho, Política e Sociedade formou-se no ano de 2001, reunindo professores dos departamentos de antropologia, ciência política e sociologia. Ela se origina da ampliação e reformulação da antiga área de Trabalho e Sindicalismo, criada em 1988. Refletindo sua vocação pluralista e interdisciplinar, a área integra um espectro amplo de interesses teóricos e abordagens metodológicas oriundos das disciplinas antropologia, ciência política e sociologia, sem abrir mão do diálogo com outras disciplinas pertinentes. A área enfatiza a necessidade de uma articulação dinâmica entre pesquisa empírica e reflexão teórica, seja na forma de uma teoria ancorada na pesquisa ou na forma de uma pesquisa teoricamente informada.

A área contempla 4 eixos temáticos:

  • Formas de ação coletiva
  • Formas de manifestação do trabalho
  • Trabalho e ordem social
  • Eixos teóricos.

Importante mencionar que essa área mantém uma rica interlocução e parceria com centros e núcleos de pesquisa da universidade, em particular, com o Cemarx (Centro de Estudos Marxistas) e com o Pagu (Núcleo de Estudos de Gênero), cujos professores estão associados.

Centro ou Núcleo associado:

Centro de Estudos Sindicais e de Economia do Trabalho – CESIT