Apresentação

O Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais (PPGCS) da Unicamp tem sua origem em 1985, com uma proposta inovadora, que o diferenciava e continua diferenciando de outros cursos de pós-graduação em ciências sociais no país por sua concepção marcadamente interdisciplinar. Isso é garantido tanto por sua grade curricular, que estabelece um conjunto de disciplinas de formação em comum, quanto por sua estruturação em linhas de pesquisa (Áreas Temáticas) que reúne docentes de diferentes departamentos, de outras unidades da Unicamp e mesmo de outras universidades.

O PPGCS corresponde a uma única área de concentração na CAPES, a Área de Ciências Sociais, e organiza-se internamente por meio de Linhas de Pesquisa. Trata-se de uma estratégia de organização flexível, que permite seus docentes e pesquisadores responder aos imperativos analíticos, teóricos e metodológicos surgidos tanto do desenvolvimento dos debates acadêmicos, quanto das dinâmicas sociais contemporâneas por meio da reorganização das suas linhas, sempre que os debates sobre tais questões tiverem alcançado certa maturidade. Assim, ao longo da sua história, o PPGCS teve dezoito Áreas Temáticas (atualmente designadas Linhas de Pesquisa) já extintas, cada um delas com uma média de pouco mais de onze anos de existência.

As atuais Linhas de Pesquisa são as seguintes:

  • Processos Sociais, Identidades e Representações do Mundo Rural (2002) - reformulação da Área Agricultura (1985-2001);
  • Trabalho; Política e Sociedade (2002) - reformulação da Área Trabalho e Sindicalismo (1989-2001);
  • Estudos de Gênero (2004) - reformulação da Área Família e Gênero (1990-2003);
  • Modos de conhecimento e suas Expressões: Experiências e Trajetórias (2012) - reformulação da Área Itinerários (1985-2011);
  • Estudos das Relações China-Brasil (2012)
  • Estudos sobre Cidades (2015).
  • Estudos sobre Patrimônio Cultural e Memória Social (2016)

Com relação ao corpo docente, no ano de 2015, o PPGCS contou com 39 professores, 32 plenos e apenas sete (7) colaboradores - o que estabelece uma relação de menos de 22 % de colaboradores, mantendo o curso dentro do padrão recomendado pela CAPES. Com relação à origem disciplinar desses docentes, o programa conta com professores vinculados aos Departamentos de Antropologia (10), de Sociologia (04), de Ciência Política (03), aos institutos de Educação (03), de Geociências (03) e de Engenharia (01), assim como conta com pesquisadores de carreira, ligados aos diferentes Centros e Núcleos vinculados diretamente à Reitoria (07). Além de contar com professores relativamente jovens e recém ingressos na universidade (03), tem um perfil maduro, com seis professores aposentados e cinco (05) professores que, entre 2014 e 2015, estiveram em processo de mobilidade na carreira: um deles passando de Doutor a Livre Docente, quatro passando de Livre Docente a Titular e um, aposentado, recebendo o título de Professor Emérito pela UNICAMP. Tal maturidade se expressa também no fato de 19 docentes serem bolsistas no programa de Produtividade do CNPq , cinco no estrato PQ1B,  três no estrato PQ1C, dois no estrato PQ1D e nove no estrato PQ2.

O processo seletivo do PPGCS é bastante concorrido: para o ano de 2015, dos 88 candidatos inscritos foram selecionados apenas 16, o que resulta em uma alta seletividade, com taxa de aprovação menor que 20%.  O nosso processo de seleção privilegia a diversidade, tanto no que diz respeito às áreas de formação, quanto à sua origem geográfica. Temos ingressantes oriundos das próprias Ciências Sociais e dos mestrados disciplinares em Sociologia,  Ciência Política e Antropologia,  mas também de outras áreas, como Educação, Administração, Línguas, Jornalismo, Cinema, Design, Direito, Agronomia entre outras. Com relação à origem geográfica, apenas metade dos ingressantes têm origem em instituições paulistas (e apenas metade destes são da própria UNICAMP), o que nos proporciona um conjunto ricamente heterogêneo, que inclui um fluxo constante de alunos estrangeiros.  Esse afluxo de estudantes de outros estados e países, assim como dos mestrados disciplinares é um importante indicador da demanda por orientação interdisciplinar a que o PPGDCS vem responder.

Desde desde 1991 (ano de sua primeira defesa), o PPGCS formou cerca de 550 doutores, com uma média de quase 18 defesas por ano e com um índice de evasão muito baixo, menor que 4%. Esta alta produção e baixa evasão está diretamente ligada às condições de financiamento que o PPGCS acumulou ao longo desses 30 anos: em 2015, 28 alunos contaram com bolsa do CNPq, 26 da CAPES, 18 da FAPESP. Além destas, contamos também com bolsistas de agências de fomento estaduais e de outros países, além do sistema PEC-PG (para alunos estrangeiros) e das bolsas emergenciaias. Por isso temos como ênfase, ao lado da qualidade das teses, o respeito mais estrito possível aos prazos exigidos pelas agências de fomento.