O Programa

O Programa de Pós-graduação em História da Unicamp que completou trinta anos em 2006, surgiu como Programa de Mestrado em História do Brasil refletindo, por suas referências teóricas, abordagens e métodos, tendências inovadoras da historiografia brasileira. Essa fase inicial foi importante para a recuperação da memória política das classes trabalhadoras, com estudos sobre a vida cotidiana, a vida fora das fábricas e a cultura popular.

A segunda fase teve início na década seguinte, com a criação do Doutorado em História. Nesse momento o Programa ampliava a sua base de titulação, criando uma área de concentração comum -História Social do Trabalho-, que abrigou cinco linhas de pesquisa: Escravidão e trabalho livre; Movimentos sociais; Processo de trabalho; Política e trabalho; Cultura e cidades. Um dos resultados da linha de Cultura e Cidades foi a criação do Centro de Memória da UNICAMP em 1985. Vinculado à Reitoria da Universidade, mas dirigido e pleno de pesquisadores do Programa de Pós-graduação em História, o CMU é um espaço importante de documentação e de estudos.

Em 1989 foi criada uma segunda área de concentração em História da Arte e da Cultura no Programa de Pós-graduação em História da UNICAMP. Pela primeira vez no Brasil, um programa de pós-graduação de História incorporava uma área com esse perfil que era tradicionalmente disposta em escolas e institutos de Belas Artes ou de Arquitetura.

No anos 1990 o Programa de Pós-graduação em História da UNICAMP ampliou suas temáticas de interesse e dentre os novos temas de pesquisa (religião, gênero, racismo, cultura material, pós-modernismo) foram somados também aqueles desenvolvidos no âmbito da história da arquitetura, da iconografia dos viajantes, das relações entre arte e política, aproximando tanto as linhas de pesquisa como as áreas de concentração. Estudos multidisciplinares, novas temáticas, fatos no cotidiano acadêmico das Linhas de Pesquisa que, de forma contínua e latente, exigiam mudanças curriculares. Some-se a isto as diretrizes da Lei de Diretrizes e Bases (LDB), o novo Regimento Geral da Pós-Graduação da UNICAMP, as recomendações e observações dos comitês de avaliação da Capes e as novas políticas de concessão de benefícios e prazos dos órgãos de fomento.

Em 1993 a Área de Concentração de História Social do Trabalho teve um redimensionamento das linhas de pesquisa. Surgiram as seguintes linhas: Trabalho, Política e Movimentos Sociais; História Social da Escravidão e do Racismo; Cultura e Cidades: políticas urbanas, produção cultural e cidadania. Duas novas linhas foram criadas: História Social da Cultura; Jogos do Político: conceitos, representações e imaginário; História, Memória e Historiografia. Em 1997, este movimento de mudanças passou a incorporar a linha História, Cultura e Gênero que privilegiou a História Cultural como abordagem teórica central dos estudos de gênero, identidades, sociabilidades e cultura material.

A atual configuração do Programa de Pós-graduação em História teve início em 2001, e a grade curricular foi remodelada visando atingir objetivos essenciais: maior integração entre a graduação e a pós-graduação, maior aproveitamento das atividades das linhas de pesquisa e maior equilíbrio entre a pesquisa e os trabalhos em sala de aula e em centros e núcleos para estudantes e docentes da pós-graduação. Desde 2002 temos quatro áreas de concentração, novas nomenclaturas que revelam suas origens temáticas: História da Arte (apenas Mestrado), História Cultural, História Social, Política, Memória e Cidade.

Em 2004 foi instituído o Doutorado na área de História da Arte, completando a fase de modernização curricular. Em 2006 aprovamos uma nova linha de pesquisa na área de História Social: História Social da África, que surgiu dos estudos relacionados à escravidão levados a cabo por pesquisadores da linha de História Social da Cultura. Trata-se da pesquisa de espaços e contextos informados por identidades, práticas e pensamentos vinculados à África, propondo uma colaboração estimulante entre pesquisadores da área nos Departamentos de Antropologia e História.

Dessa trajetória de trinta anos que consolidou um trabalho coletivo inovador e consistente, reforçamos os objetivos iniciais:

  • formar docentes e pesquisadores de alto nível, que possam atuar em IES, arquivos, institutos de pesquisa, fundações, conselhos de patrimônio, entre outros;
  • propiciar o desenvolvimento intelectual em ambiente de constante debate teórico e de exploração de novos temas e fontes de investigação;
  • contribuir significativamente para o ensino, a pesquisa, a construção e disseminação do conhecimento em História.
 
Dúvidas Frequentes | Secretaria
Pós-Graduação do IFCH
Instituto de Filosofia e Ciências Humanas
Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP
CEP 13083-896 - Campinas - São Paulo - Brasil