O anticapitalismo de Adorno. Entre o marxismo e as novas leituras de Marx

  • Amaro Fleck UFMG
Palavras-chave: Adorno, Dialética, Marx, Novas Leituras de Marx

Resumo

É ponto de disputa se Adorno permaneceu sendo um teórico anticapitalista em sua obra tardia. Enquanto parte da literatura argumenta que ele deixou de ser um crítico da economia política para passar a ter por alvo a dominação da natureza, e com isso teria deixado de criticar o capitalismo para passar a criticar a civilização, outra parte insiste que sua obra tardia segue tendo por alvo o capital, e deve ser compreendida como um esforço em alguma medida revolucionário para a superação deste modo de produção, tal como usual nos mais distintos marxismos. O presente artigo busca desenvolver uma interpretação alternativa, de acordo com a qual Adorno segue sendo um anticapitalista, mas que rompe com o marxismo tradicional, tanto por causa de sua forma de ler a obra tardia marxiana (que se aproxima muito das Novas leituras de Marx), quanto por seu diagnóstico de época, centrado no bloqueio dos processos de emancipação devido à integração do proletariado e à intensificação da dominação por meio da indústria cultural e da concentração do poder.

Publicado
2020-03-13
Como Citar
Fleck, A. (2020). O anticapitalismo de Adorno. Entre o marxismo e as novas leituras de Marx. Dissonância: Revista De Teoria Crítica, 3, 1-25. Recuperado de https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/teoriacritica/article/view/3954
Seção
Artigos (Seção Temática)