Martin Luther King Jr. e a desobediência civil como um apelo às emoções políticas do público

  • Edison Dri Consiglio Filho Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Palavras-chave: Desobediência civil, emoções políticas, Martin Luther King Jr., John Rawls, Robin Celikates

Resumo

O presente trabalho busca tratar do tema da desobediência civil, defendendo uma interpretação, baseada principalmente em uma análise das contribuições filosóficas de Martin Luther King Jr, segundo a qual essa forma de reivindicação política tem como uma de suas características distintivas, quiçá a sua característica central, a reparação de injustiças por meio do suscitamento de certos sentimentos políticos (ou morais) no público a que se endereça, forjando nele uma transformação ou um despertar emocional. Primeiramente, resumo brevemente o desenvolvimento inicial do conceito e da prática da desobediência civil no século XX por Mohandas K. Gandhi e Martin Luther King Jr. Depois, esboço uma comparação entre alguns elementos da abordagem de John Rawls e de King, destacando a ênfase emotiva dada pelo segundo autor na sua defesa dos princípios que devem guiar a desobediência civil. Por fim, à luz dessa interpretação, e para dar maior claridade às consequências da sugerida mudança de foco na compreensão do conceito, faço apontamentos sobre algumas críticas recentes endereçadas por Robin Celikates à desobediência civil liberal de John Rawls.

Biografia do Autor

Edison Dri Consiglio Filho, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Graduado em Direito pela UFRGS. Mestre em Filosofia pela UFRGS na área de Ética e Filosofia Política.

Referências

CELIKATES, R. (2013). “Civil Disobedience as a Practice of Civil Freedom”. In James Tully (org.) On Global Citizenship: James Tully in Dialogue. London: Bloomsbury Press, pp. 211-28, 2013.

CELIKATES, R. (2016a). “Rethinking Civil Disobedience as a Practice of Contestation: Beyond the Liberal Paradigm”. Constelations 23(1): 37-45, 2016.

CELIKATES, R. (2016b). “Democratizing Civil Disobedience”, Philosophy and Social Criticism 42(10): 982-94, 2016.

HAIDT, J. (2012). The Righteous Mind: Why Good People are Divided by Politics and Religion. New York: Pantheon Books, 2012.

KANEMANN, D. (2011). Thinking, Fast and Slow. New York: Penguin Books, 2011.

KING, M. L. (1963). “Letter from Birmingham City Jail”. The Negro is Your Brother 212, no 2; p. 78-88, 1963.

KING, M. L. (1986 [1958]). Stride Toward Freedom: The Montgomery Story. New York: Harper & Row, 1986.

KING, M. L., NELSON, K. (2012[1963]). I Have a Dream. New York: Schwartz & Wade, 2012.

NUSSBAUM, M. C. (2013). Political Emotions: Why Love Matters to Justice. Cambridge: The Belknap Press of Harvard University Press, 2013.

PINKER, S. (2003). The Blank Slate: The Modern Denial of Human Nature. New York: Penguin Books, 2003.

RAWLS, J. (1999). A Theory of Justice (Revised Edition). Cambridge: Harvard University Press, 1999.

SHEUERMAN, W. E. (2018). Civil Disobedience. Malden: Polity Press, 2018.

ZINN, H. (2002 [1968]). Disobedience and Democracy: Nine Fallacies on Law and Order. Cambridge, MA: South End Press, 2012.

Publicado
2020-05-18
Seção
Artigos (Dossiê Temático)