Associação Brasileira do Agronegócio (ABAG) e a institucionalização dos interesses do empresariado rural no Brasil

  • Elaine Lacerda Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ

Resumo

Este artigo tem como objetivo chamar atenção para o processo de politização da economia através da abordagem do agronegócio como um movimento político-ideológico do empresariado rural no Brasil e do resgate de significativa base de atuação do referido movimento na busca pela formatação de uma institucionalidade favorável ao modelo organizacional difundido pelo conceito de agribusiness, recentemente ressignificado enquanto agricultura sustentável. Exercício esse que traduz um esforço contínuo para a construção e consolidação da hegemonia dos negócios rurais em um contexto de imagetização do capital, em que especialistas em marketing assumem papel fundamental na produção conflitiva do consenso.

Biografia do Autor

Elaine Lacerda, Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ
Bacharel em História pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, especialista em história do Brasil pós-30 pela Universidade Federal Fluminense e mestre em Sociologia pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

Referências

BATALHA, M. O. et al. Recursos humanos e agronegócio: a evolução do perfil profissional. Jaboticabal: Novos Tempos, 2005.

BOURDIEU, P. A reprodução: elementos para uma teoria dos sistemas de ensino. Petrópolis: Vozes, 2008.

DELGADO, G. Capitalismo financeiro e agricultura no Brasil: 1965-1985. São Paulo: Ícone, 1985.

EHLERS, E. Agricultura sustentável: origens e perspectivas de um novo paradigma. São Paulo: Livros da Terra, 1996.

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006, v. 2.

________. Cadernos do cárcere. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2007, v. 3.

GRYNSZPAN, Mario. Carreiras, redes e internacionalização. Um estudo do agronegócio, 2008. Disponível em: .

LEFF, E. Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade, poder, 6a ed. Petrópolis: Vozes, 2008.

MARTINS, J. R. Branding: um manual para você criar, gerenciar e avaliar marcas. São Paulo: GlobalBrands, 2006.

MENDONÇA, S. R. A questão agrária no Brasil: a classe dominante agrária – Natureza e comportamento, 1964-1990. São Paulo: Expressão Popular, 2006.

MOREIRA, R. J. Renda da natureza e territorialização do capital: reinterpretando a renda da terra na competição intercapitalista. Estudos e Sociedade, Rio de Janeiro, n. 4, p. 89-111, 1995.

________. Assimetrias de poder, cultura, territórios ecossistêmicos e globalização. In: Mundo rural IV: configuração rural-urbanas – Poderes e políticas. Rio de Janeiro: Mauad X, Edur, 2007.

OLIVEIRA, Andréa Cristina de Jesus. Lobby e representação de interesses: lobistas e seu impacto sobre a representação de interesses no Brasil. 2004. Tese (Doutorado) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

SILVA, J. G. da. A modernização dolorosa: estrutura agrária, fronteira agrícola e trabalhadores rurais no Brasil. Rio de Janeiro: Zahar, 1982.

________. A nova dinâmica da agricultura brasileira. Campinas: IE/ Unicamp, 1996.

Como Citar
Lacerda, E. (1). Associação Brasileira do Agronegócio (ABAG) e a institucionalização dos interesses do empresariado rural no Brasil. RURIS - Revista Do Centro De Estudos Rurais - UNICAMP, 5(1). Recuperado de https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/ruris/article/view/965
Seção
Artigos