Trabalho nos canaviais: os jovens entre a enxada e o facão

José Roberto Pereira Novaes

Resumo


A expansão e a modernização da agroindústria canavieira no Brasil ampliou o mercado de trabalho e as migrações, diferenciou e precarizou o trabalho, modifi cou o perfi l dos trabalhadores. As usinas alteraram os critérios de seleção, gestão e controle da mão de obra. Os trabalhadores jovens e migrantes passaram a ser preferidos para o trabalho no corte da cana das modernas usinas paulistas. A força física passou a ser um critério relevante na seleção dos trabalhadores por assegurar melhores índices de produtividade. Nesse cenário os jovens migram de suas regiões, trocam a enxada pelo facão, a liberdade pelo cativeiro nos canaviais. Até quando o uso do facão e da enxada cercearão o manuseio da caneta e dos livros para esses jovens, trabalhadores, migrantes?

Palavras-chave


Agroindústria Canavieira; Trabalho; Migração, Juventude

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Francisco José da Costa. Modernização da agricultura e sindicalismo rural. 1992. Tese (Doutorado) – Instituto Economia, Unicamp, Campinas.

BONETTI, Marcos. Aumento da produtividade do trabalho na cana. Jornal Estado de São Paulo, São Paulo, 1992, Suplemento Agrícola.

CONFEDERAÇÃO NACIONAL DOS TRABALHADORES NA AGRICULTURA. Grito da terra. Brasília, 2006.

CONSELHO NACIONAL DE JUVENTUDE – CONJUVE. Política nacional de juventude. Diretrizes e perspectivas, 2006.

COSTA, Pedro. A migração e o trabalho escravo na lavoura de cana em São Paulo. De Repente. Teresina, PI. Fundação Nordestina de Cordel (FUNCOR). ano XII, n.50, abr./maio 2006.

MENEZES, Marilda Aparecida. Redes e enredos nas trilhas dos

migrantes: um estudo de famílias de camponeses migrantes. João

Pessoa: Editora UFPB, 2002.

MENEZES, Marilda. As migrações sazonais no sertão paraíbano. MIGRANTES: Trabalho e trabalhadores no Complexo Agroindustrial Canavieiro (os heróis do agronegócio brasileiro). São Carlos: EDUFSCAR, 2007.

MORAES, Maria Dione. Andando pelo mundo... In: NOVAES, J. R.; ALVES, F. J. da C. (Org.). Migrantes. São Carlos: EDUFSCar, 2007.

MOVIMENTO DOS TRABALHADORES SEM-TERRA. Pauta para a juventude. São Paulo, 2006.

NONINO, Carlos Alberto. Bóia fria rende mais no canavial. Jornal Estado de São Paulo, 1.992, São Paulo, 12/1/1994, Suplemento Agrícola.

NOVAES, José Roberto Pereira. Campeões de produtividade: dores e febres nos canaviais paulistas. Estudos Avançados, São Paulo, v. 21, n. 59, p. 167-177, jan./abr. 2007.

NOVAES, José Roberto Pereira; ALVES, Francisco. No eito da cana. São Carlos: Rima, 2002.

PADRÃO, Luciano Nunes. Processo de trabalho em tempo de reestruturação produtiva: estratégia de controle na agroindústria. 1996. Dissertação (Mestrado) – UFRRJ, Rio de Janeiro.

SALES, Tereza. Agrestes, agrestes: transformações recentes na agricultura nordestina. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

SCOPINHO, Rosemeire et al. Novas tecnologias e saúde do trabalhador: a mecanização do corte da cana-de-açúcar. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 15, n. 1, p. 147-161, jan./mar.

SILVA, Maria Aparecida Moraes. As andorinhas nem cá, nem lá. Recursos visuais na pesquisa social. Caderno Ceru, São Paulo, v. 9, n. 2, p. 29-45, 1988.

______. Errantes do fim do século. São Paulo: Unesp, 1999.

SILVA, Maria Aparecida Moraes. Trabalho e trabalhadores na região do mar de cana e rio de álcool. Encontro “Trabalhadores Canavieiros: Educação, Direito, Trabalho”. São Carlos, UFSCar,


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Contatos

RURIS - Revista do Centro de Estudos Rurais
Instituto de Filosofia e Ciências Humanas - UNICAMP.
Rua Cora coralina s/n°
Cidade Universitária "Zeferino Vaz"
13083-896 Campinas-SP BRASIL.
Tel.: + 55 19 3521-1636

e-mail: ruris@feagri.unicamp.br