Tempos e espaços nos mundos rurais do Brasil

  • Carlos Rodrigues Brandão Universidade Federal de Uberlândia - UFU

Resumo

Este trabalho é uma espécie de “segunda parte” de um estudo anterior, mais teórico e bibliográfico, sobre a questão da existência, vivência e percep- ção cultural de tempos e espaços no mundo rural. Um trabalho situado entre leituras de geografia e de antropologia. Meu propósito aqui é descrever um pouco das diferenças existentes hoje entre as diversas modalidades de “experiência de temposespaços” nas diversas modalidades de comunidades rurais (ou relacionadas ao mundo rural) por ventura (ou desventura) presentes no Brasil de hoje. Parto do princí- pio (aliás, evidente) de que o “mundo rural brasileiro” é muito mais diversificado e polissêmico do que em geral se imagina. Retomo algumas idéias há muito tempo desenvolvidas por José de Souza Martins em Capitalismo e tradicionalismo e descrevo o que me parece mais característico de três formas sociais de viver e trabalhar no mundo rural.

Biografia do Autor

Carlos Rodrigues Brandão, Universidade Federal de Uberlândia - UFU
Carlos Rodigues Brandão é professor visitante do Instituto de Geografia da Universidade Federal de Uberlândia e do doutorado em ambiente e sociedade da Unicamp e pesquisador do Ceres. Este texto inédito foi apresentado no Encontro sobre a Reforma Agrária, em junho de 2006, na Universidade Federal de Uberlândia.

Referências

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Plantar, colher, comer: um estudo sobre o campesinato goiano. Rio de Janeiro: Graal, 1978.

_______. A partilha da vida. Taubaté: GEIC, Cabral, 1995.

_______. O afeto da terra: imaginários, sensibilidades e motivações de relacionamentos com a natureza e o meio ambiente entre agricultores e criadores sitiantes do bairro dos Pretos, nas encostas paulistas da serra da Mantiqueira, em Joanópolis. Campinas: Editora da Unicamp, 1999.

CANDIDO, Antonio. Os parceiros do Rio Bonito: estudo sobre o caipira paulista e a transformação dos seus meios de vida. São Paulo: Duas Cidades, 1971.

EVANS-PRITCHARD, Edward Evan. Os Nuer: uma descrição do mundo de subsistência e das instituições políticas de um povo nilota. São Paulo: Perspectiva, 1978.

GARCIA JR., Afrânio. Terra de trabalho: trabalho familiar e pequenos agricultores. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

GRAZIANO NETO, Francisco. Questão agrária e ecologia – Crítica da moderna agricultura. São Paulo: Brasiliense, 1982.

IANNI, Octavio. A era do globalismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

MARTINS, José de Souza. Capitalismo e tradicionalismo: estudos sobre as contradições da sociedade agrária no Brasil. São Paulo: Pioneira, 1975.

MAUSS, Marcel.Ensaio sobre a dádiva. São Paulo: Cosac Naify, 2004.

MOURA, Margarida Maria. Os herdeiros da terra: parentesco e herança numa área rural. São Paulo: Hucitec, 1978.

_______. Os deserdados da terra: a lógica costumeira e judicial dos processos de expulsão e invasão da terra camponesa. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1988.

MUSUMECI, Leonarda. O mito da terra liberta: colonização “espontânea”, campesinato e patronagem na Amazônia Oriental. São Paulo: Vértice; [Brasília]: Anpocs, 1988.

MULLER, Nice L. “Sítios e sitiantes no estado de São Paulo”. Boletim USP, n. 132, Geografia. São Paulo, 1951.

NORONHA, Olinda Maria de. Decamponesa a “madame” – Trabalho feminino e relações de saber no meio rural. São Paulo: Loyola,1986.

PESSOA, Jadir de Moraes. Cotidiano e história. Goiás: Editora da Universidade Federal de Goiás, 1997.

PESSOA, Vera Lúcia Salazar. “Entre o rural e o urbano – Construindo grupos de pesquisas”. Mesa-Redonda III: Grupos de Pesquisa – Agricultura e Desenvolvimento Regional: Relatos de Experiências. Seminário sobre a Reforma Agrária. Instituto de Geografia da Universidade Federal de Uberlândia, p. 1.

PIMENTEL, Sidney Valadares. O chão é o limite – A festa de peão de boiadeiro e a domesticação do sertão. Goiás: Editora da Universidade Federal de Goiás, 1997.

QUEIROZ, Maria Isaura Pereira de. Bairros rurais paulistas: dinâmica das relações bairro rural–cidade. São Paulo: Duas Cidades, 1973.

_______. O campesinato brasileiro: ensaios sobre civilização e grupos rústicos no Brasil. Petrópolis: Vozes, 1976.

SANTOS, Milton. “Espaços da racionalidade”. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Edusp, 2002.

SHIRLEY, Robert W. O fim de uma tradição: cultura e desenvolvimento no município de Cunha. São Paulo: Perspectiva, 1971.

SOARES, Luiz Eduardo. Campesinato, ideologia e política. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

TURNER, Victor. Drams, fields and metaphors: symbolic action in human society. Ithaca: Cornell University Press, 1985.

WILLEMS, Emílio. Cunha – Tradição e transição em uma cultura rural no Brasil. Secretaria de Agricultura do Estado de São Paulo, 1947.

WOORTMANN, Ellen. “O sítio camponês”. Anuário Antropológico, n. 81. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1983.

WOORTMANN, Klaas.“A comida, a família e a construção do gênero feminino”. Dados – Revista de Ciências Sociais, v. 29, n. 1. Rio de Janeiro: Campus, 1986.

_______. “‘Com parente não se neguceia’, o campesinato como ordem moral”. Anuário Antropológico, n. 87. Brasília: Editora Universidade de Brasília; Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1990.

Como Citar
Brandão, C. R. (1). Tempos e espaços nos mundos rurais do Brasil. RURIS - Revista Do Centro De Estudos Rurais - UNICAMP, 1(1). Recuperado de https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/ruris/article/view/643
Seção
Artigos