Ser mãe duas vezes

filhos de criação e os descompassos entre a fertilidade e a domesticidade na Zona da Mata de Pernambuco

  • Ana Luísa Micaelo Universidade de Lisboa
Palavras-chave: Parentesco, Filhos de criação, Maternidade, Nordeste – Brasil

Resumo

A vivência de uma intensa mobilidade caracteriza as relações familiares daqueles que vivem actualmente nos assentamentos rurais da Zona da Mata pernambucana. Adoptando uma abrangência temporal que tem em conta a territorialidade das trajetórias laborais e diferentes fases do ciclo de vida destas pessoas, argumento que a possibilidade de vir a ser mãe pode ser prolongada além do período fértil de uma mulher, designadamente, quando recebe em casa crianças que poderão vir a tornar-se seus «filhos de criação». Esta processualidade enquadra-se o debate em torno da filiação, parentalidade e conjugalidade, enriquecendo as conceptualizações teóricas acerca da natureza do parentesco.

Biografia do Autor

Ana Luísa Micaelo, Universidade de Lisboa

Doutorada em Antropologia.

Referências

ALVES, Yara de Cássia. As mães que enraízam e o mundo que gira: criação e movimento no Vale do Jequitinhonha-MG. Tessituras, v. 6, n. 2, p. 193-213, jul./dez. 2018.

AVILA, Maria Betânia. Direitos sexuais e reprodutivos: desafios para as políticas de saúde. Cad. Saúde Pública. v.19, supl.2, p. S465-S469, 2003.

BERQUÓ, Elza. Brasil um caso exemplar - anticoncepção e parto cirúrgicos à espera de uma ação exemplar. Estudos Feministas, v. 1, n. 2, p. 366-381, 1993.

BRASIL. Ministério da Saúde. Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Criança e da Mulher – PNDS 2006: dimensões do processo reprodutivo e da saúde da criança/ Ministério da Saúde, Centro Brasileiro de Análise e Planejamento. – Brasília : Ministério da Saúde, 2009.

DABAT, Christine. Moradores de engenho: estudo sobre as relações de trabalho e condições de vida dos trabalhadores rurais na zona canavieira de Pernambuco, segundo a literatura, a academia e os próprios atores sociais. 2007. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

DALSGAARD, Anne L. Vida e esperanças – esterilização feminina no Nordeste. São Paulo: Editora da Unesp,2006.

FERREIRA, Paulo Rogers da Silva. Os afectos mal-ditos: o indizível das sexualidades camponesas. 2006. Dissertação (Mestrado em Antropologia) – Universidade de Brasília, Brasília.

FONSECA, Cláudia. Caminhos da adoção. São Paulo: Cortez, 1995.

FONSECA, Cláudia. Mãe é uma só? Reflexões em torno de alguns casos brasileiros, Psicologia USP, São Paulo, v. 13, n. 2, p. 49-68, 2002.

FONSECA, Cláudia. The circulation of children in a Brazilian working-class neighborhood: a local practice in a globalized world. In: BOWIE, F. (org.). Cross-cultural approaches to adoption. Londres: Routledge, 2004, p. 165-181.

FORTES, Meyer. Introduction, In: GOODY, J. (Org.), The developmental cycle in domestic groups. Cambridge: Cambridge University Press, 1971[1958], p. 1-14.

GARCIA Jr., Afrânio. Terra de trabalho. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

GODOI, Emília P. Reciprocidade e Circulação de Crianças entre Camponeses do Sertão. In: GODOI, E. P., MENEZES, M.; ACEVEDO, R. (org.). Diversidade do Campesinato: expressões e categorias. Estratégias de reprodução social, São Paulo: Unesp; 2009, p. 289-302.

GOW, Peter. Of mixed blood: kinship and history in Peruvian Amazonia. Nova Iorque: Oxford University Press, 1991.

GUDEMAN, Stephen. Relationships, Residence and the Individual: a Rural Panamanian Community. Londres e Henley: Routledge & Kegan Paul, 1976.

HARRIS, Mark. Life on the Amazon: anthropology of a Brazilian peasant village. Oxford: Oxford University Press, 2000.

HEREDIA, Beatriz. A morada da vida: trabalho familiar de pequenos produtores do Nordeste do Brasil. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

LOBO, Andréa de Souza. Um filho para duas mães? Notas sobre a maternidade em Cabo Verde. Revista de Antropologia, v. 53, p. 117-146, 2010.

MARCELIN, Louis Herns. A linguagem da casa entre os negros do Recôncavo baiano. Mana, v. 5, n. 2, p. 31-60, 1999.

MAYBLIN, Maya. The madness of mother: Agape Love and the maternal mith in Northeast Brazil. American Anthropologist, v. 114, n. 2, p. 240-252, 2012.

McCALLUM, Cecilia. Explaining Caesarean Section in Salvador da Bahia, Brazil. Sociology of Healthe Illness, v. 27, n. 2, p. 215-242, 2005.

McCALLUM, Cecilia; BUSTAMANTE, Vania. Parentesco, gênero e individuação no cotidiano da casa em um bairro popular de Salvador da Bahia. Etnográfica, Lisboa, v. 16, n. 2, p. 221-246, 2012.

MEJÍA, Margarita Rosa Gravíria. A família numa comunidade da área canavieira de Pernambuco. 1992. Tese (Mestrado) - Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

MICAELO, Ana Luísa. Andar pelo meio do mundo e assentar: dinâmicas familiares no Assentamento Arupema (Pernambuco). In: SILVA, Isabel C.; FRANGELLA, Simone; ABOIM, Sofia; VIEGAS, Susana Dores de Matos (Org.). Ciências Sociais Cruzadas: Pesquisas brasileiras e portuguesas no ICS. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2015, p. 325-334.

MICAELO, Ana Luísa. “Essa Terra Que Tomo De Conta”: Parentesco e Territorialidade na Zona da Mata de Pernambuco. Lisboa: Imprensa de Ciências Sociais, 2016.

MICAELO, Ana Luísa. A casa na parcela: a construção do lugar da família nos assentamentos da Zona da Mata de Pernambuco. Revista História: Debates e Tendências, v. 17, n 2, p. 244-260, 2017.

NOGUEIRA, Verena Sevá. Sair pelo mundo. A conformação de uma territorialidade camponesa. 2010. Tese (Doutorado) - Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade Estadual de Campinas, Campinas.

PALMEIRA, Moacir. Casa e trabalho; notas das relações sociais na plantation tradicional. In: Camponses Brasileiros- Vol 1 Leituras e Interpretações Clássicas. WELCH, C. (org.). São Paulo: UNESP, 2009 [1977], p. 203-215.

PERPÉTUO, I. H. O.; WONG, L. R. Desigualdade socioeconômica na utilização de métodos anticoncepcionais no Brasil: uma análise comparativa com base nas PNDS 1996 e 2006. In: MINISTÉRIO DA SAÚDE; CEBRAP (Eds.). Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Criança e da Mulher – PNDS 2006: dimensões do processo reprodutivo e da saúde da criança. Brasília: Ministério da Saúde, v.1, p. 85-104, 2009.

PINA CABRAL, João de. Agnatas, vizinhos e amigos: variantes da vicinalidade em África, Europa e América. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 57, n. 2, p. 23-46, 2014.

PINA CABRAL, João de; SILVA, Vanda Aparecida da. Gente livre: consideração e pessoa no Baixo Sul da Bahia. São Paulo: Terceiro Nome, 2013.

QUEIROZ, Maria Isaura Pereira de. O Campesinato brasileiro: ensaios sobre civilização e grupos rústicos no Brasil. Petrópolis: Editora Vozes, 1976.

ROSA, Marcelo. O engenho dos movimentos: reforma agrária e significação social na Zona Canavieira de Pernambuco. 2004. Tese (Doutorado) – Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

SCOTT, Russell Parry. Famílias camponesas, migrações e contextos de poder no Nordeste: entre o “cativeiro” e o “meio do mundo”. In: GODOI, E. P., MENEZES, M.; ACEVEDO, R. (org.). Diversidade do Campesinato: expressões e categorias. Estratégias de reprodução social, São Paulo E Brasília: Ed. Unesp, NEAD, 2009, p. 245-267.

SIGAUD, Lygia. A forma acampamento: notas a partir da versão pernambucana. Novos Estudos CEBRAP, n. 58, p. 73-92, 2000.

VIEGAS, Susana de Matos. Eating with your favourite mother: Time and Sociality in a Brazilian Amerindian Community. The Journal of the Royal Anthropological Institute, v. 9, n. 1, p. 21-37, 2003.

VIEGAS, Susana de Matos. Terra calada: os Tupinambá na Mata Atlântica do Sul da Bahia. Coimbra: Almedina, 2007.

WANDERLEY, Maria Nazareth Baudel. “Morar e trabalhar”: o ideal camponês dos assentados de Pitanga. In: MARTINS, J. (org.) Travessias: a vivência da reforma agrária nos assentamentos. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2003, p. 203-246.

WOORTMANN, Ellen. Herdeiros, Parentes e Compadres: Colonos do Sul e Sitiantes do Nordeste. São Paulo: Hucitec, 1995.

Publicado
2020-11-25
Como Citar
Micaelo, A. L. (2020). Ser mãe duas vezes. RURIS - Centro De Estudos Rurais , 12(2), 121-152. https://doi.org/10.53000/rr.v12i2.4250