A vila tá vindo, chegando a cada ano

uma análise do avanço da cidade de Dourados-MS sobre as áreas de retomadas indígenas

  • Elis Fernanda Corrado Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Guarani e Kaiowá, Cidade, Especulação imobiliária, Mobilidade, Territorialidade

Resumo

O processo de esbulho do território Kaiowá e Guarani no Mato Grosso do Sul data do período colonial e foi intensificado durante o Estado brasileiro. Desde os anos 1980, as retomadas de terra, uma das estratégias desses povos para recuperar os seus territórios tradicionais, tentam reverter esse processo. Durante anos, o retorno dos indígenas aos seus territórios esbarrou com as fronteiras do agronegócio. Atualmente, observa-se o crescimento urbano e do setor imobiliário como uma nova fronteira que se coloca sobre as áreas de reivindicação indígenas. Esse trabalho reflete sobre o avanço da cidade de Dourados e da especulação imobiliária em áreas de retomadas, buscando pensar como a categoria fronteira pode contribuir para esse tipo de análise, levando em consideração, que a cidade para os Kaiowá e Guarani também é um espaço de mobilidade, local de estratégias políticas e de acesso a recursos

Biografia do Autor

Elis Fernanda Corrado, Universidade Estadual de Campinas

Doutoranda em Antropologia Social (UNICAMP) e pesquisadora associada do Centro de Estudos Rurais (CERES).

Referências

ANDRELLO, Geraldo. Cidade do Índio: transformações e cotidiano em Iauaretê. São Paulo: Editora Unesp: ISA; Rio de Janeiro: NUTI, 2006.

BARBOSA DA SILVA, Alexandra. Mais além da “aldeia”: território e redes sociais entre os Guarani de Mato Grosso do Sul. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro - Museu Nacional - Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, 2007.

BENITES, Eliel. Tekoha Ñeropu’ã: aldeia que se levanta. Revista NERA, v. 23, n. 52, p. 19-30, 2020.

BENITES, Eliel.Oguata Pyahu (uma nova caminhada) no processo de desconstrução e construção da educação escolar indígena da aldeia Te’yikue, 2014. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande.

BENITES, E.; RAMOS, A. D. O caminho Guarani e Kaiowá na busca do jeito sagrado de ser – Oguta Teko Araguyje Rehehápe. Revista Euroamericana de Antropología, Salamanca, p. 30-35, jul. 2017.

BHABHA, Homi. “O local da Cultura”. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1998.

BRAND, Antônio. O confinamento e o seu impacto sobre os Pãi/Kaiowá, 1993. Dissertação (Mestrado em História) – Pontífice Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

BRAND, Antônio. O impacto da perda da terra sobre a tradição Kaiowa/Guarani: os difíceis caminhos da palavra, 1997. Tese (Doutorado em História) Pontifícia Universidade Católica de Porto Alegre.

CALIXTO, Maria José Martinelli da Silva. O processo de consolidação da centralidade de Dourados-MS na rede urbana: uma contribuição para a análise de uma cidade média. In: XI WORKSHOP DA REDE DE PESQUISADORES SOBRE CIDADES MÉDIAS – ReCiMe, Anais, Dourados-MS, 2013.

CALIXTO, Maria José Martinelli da Silva. Os papéis regionais de Dourados – MS – Brasil e a dinâmica socioespacial urbana. Revista Geográfica de América Central, v 02, p. 1-13, 2011.

CHAMORRO, Graciela. História Kaiowa. Das origens aos desafios contemporâneos. São Bernardo do campo: Nhanduti Editora, 2015.

CUNHA, Manuela Carneiro da. Cultura com aspas. Cosac & Naif, São Paulo, 2009.

CORRADO, Elis. F. “O Tekoha como uma criança pequena”: uma etnografia de acampamentos Kaiowá em Dourados (MS), 2017. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) - PPGAS, UNICAMP, Campinas, SP.

CORRADO, Elis. F. A espiral das retomadas indígenas no sul do Mato Grosso do Sul. ACENO - Revista de Antropologia do Centro-Oeste, v. 5, n. 10, p. 189-206, 2018.

CORRADO, Elis. F. Acampamentos Guarani e Kaiowá: outras/novas formas de mobilidade. Congresso Internacional da Associação de Estudos Latino-Americanos – Lasa, Nova York, 2016.

CORRADO, Elis. F. Acampamentos Kaiowá: variações da “forma acampamento”. Ruris. Revista do Centro de Estudos Rurais, v.7 n. 1, p. 127-151, 2013.

CRESPE, Aline Castilho. Mobilidade e temporalidade Kaiowá: do tekoha à reserva. Do tekoharã ao tekoha, 2015. Tese de doutorado. Pós-Graduação em História, UFGD, Dourados, MS.

CRESPE, Aline Castilho. Acampamentos indígenas e ocupações: novas modalidades de organização e territorialização entre os Guarani e Kaiowá no município de Dourados - MS: 1990-2009, 2009. Dissertação de mestrado. Pós-Graduação em História, UFGD, Dourados.

CRESPE, Aline C. L e CORRADO, Elis F. 2012. Acampamentos e ocupações Guarani e Kaiowá: reflexões sobre uso do espaço e sociabilidade. 28 RBA, São Paulo.

GILROY, Paul. Entre Campos: Nações, Culturas e Fascínio da Raça. São Paulo: Annablume, 2007.

GOMES, Igor; CALIXTO, Maria José Martinelli da Silva. Notas sobre o quadro urbano do Estado de Mato Grosso do Sul. Revista Eletrônica da Associação dos Geógrafos Brasileiros – Seção Três Lagoas – MS, n. 22, a.12, p. 156-177, 2015.

HANNERZ, Ulf. Fluxos, fronteiras, híbridos: palavras-chave da antropologia transnacional. Mana, v. 3, n. 1, p. 7-39, 1997.

HORTA, Amanda. Indígenas em Canarana: notas citadinas sobre a criatividade parque-xinguana. Revista de Antropologia, v. 60, n. 1, p. 216-241, 2017.

MPF. Inquérito Civil Público Nº 1.21.001.000061/2011-42, Procuradoria da República no Município de Dourados, (Arquivo da Procuradoria da República no Município de Dourados-MS).

MURA, Fabio. À procura do “bom viver”: territórios, tradição de conhecimento e ecologia doméstica entre os Kaiowá. Rio de Janeiro: UFRJ/MN/PPGAS, 2006.

NODARI, A. “Limitar o limite: modos de subsistência”. Os mil nomes de Gaia: do Antropoceno à Idade da Terra. Rio de Janeiro, p. 1-17, 2014.

NUNES, Eduardo Soares. Aldeias urbanas ou cidades indígenas? Reflexões sobre índios e cidades. Espaço Ameríndio, v. 4, n. 1, p. 9-30, 2010.

PÁLSSON, Gísli. “Introduction: beyond boundaries”. In:______. Beyond Boundaries: understanding, Translation and Anthropological Discourse. Oxford: Berg Publishers Limited, p. 1-40, 1993.

PEREIRA, Levi Marques. Imagens Kaiowá do sistema social e seu entorno. São Paulo: USP, 2004.

Referências dos sites consultados

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades: Dourados – MS, 2020. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ms/dourados/panorama. Acesso em: 19 fev. 2020.

CENSO DEMOGRÁFICO 2010: Indígenas. In: IBGE. Disponível em: https://indigenas.ibge.gov.br/. Acesso em: 14 mai. 2018.

CONCEIÇÃO, Edmir. Câmara aprova ampliação em quase 150% do perímetro urbano de Dourados. Campo Grande News. Campo Grande, 14 set de 2011. Interior. Disponível em: <http://www.campograndenews.com.br/cidades/interior/camara-aprova-ampliacao-em-quase-150-do-perimetro-urbano-de-dourados> Acesso em: 25 mar. 2016.

Ishy questiona nova ampliação do perímetro urbano de Dourados. Dourados News. Dourados, 23 set 2015. Política. Disponível em: https://www.douradosnews.com.br/dourados/ishy-questiona-nova-ampliacao-do-perimetro-urbano-de-dourados/769512/. Acesso em: 25 mar. 2016.

Com loteamentos, região oeste se torna referência na expansão imobiliária. O Progresso. Dourados, 24 jun. 2015. Dia-a-Dia. Disponível em: https://www.progresso.com.br/noticias/com-loteamentos-regiao-oeste-se-tornareferencia-na-expansao-imobiliaria/158231/ 1. Acesso em: 03 fev. 2020.

Dourados tem “boom” imobiliário e investimentos não param. Dourados News. Dourados, 19 out. 2016. Mercado Imobiliário. Disponível em: www.douradosnews.com.br/dourados/prefeitura-ja-aprovou-13-loteamentos-neste-ano/919670/. Acesso em: 03 fev. 2020.

VERÃO, Flávio. Setor imobiliário vive melhor momento. Dourados Agora. Dourados, s/d. Disponível em: https://www.douradosagora.com.br/noticias/dourados/especial-setor-imobiliario-vive-melhor-momento. Acesso em: 03 fev. 2020.

MPF alerta para loteamento incidente sobre área indígena de Dourados. Procuradoria da República em Mato Grosso do Sul. 03 out. 2014. Notícias. Disponível em: http://www.mpf.mp.br/ms/sala-de-imprensa/noticias-ms/mpf-alerta-para-loteamento-incidente-sobre-area-indigena-de-dourados. Acesso em: 25 mar. 2016.

Publicado
2020-11-25
Como Citar
Corrado, E. F. (2020). A vila tá vindo, chegando a cada ano. RURIS - Centro De Estudos Rurais , 12(2), 153-176. https://doi.org/10.53000/rr.v12i2.4246