Narrando, comparando e maldizendo

andanças, pousos e alojamentos

  • André Dumans Guedes Universidade Federal Fluminense
Palavras-chave: Mobilidades, Formas provisórias, Alojamentos, Trecho

Resumo

Buscamos aqui descrever como lugares como alojamentos, acampamentos, pousadas, hotéis, quartos alugados e repúblicas aparecem nas vivências dessas pessoas que, sendo originárias do Norte de Goiás, têm suas vidas marcadas por frequentes viagens e andanças. A noção de “forma provisória de existência” é aqui utilizada para designar esses lugares, dessa forma compreendidos enquanto “pousos”, territorialidades temporárias produzidas no âmbito de deslocamentos espaciais e que se revelam necessárias para a realização desses últimos. Na descrição destes lugares e deslocamentos, recorro a três diferentes “regimes de signos”, cada um deles associado a um modo específico de falar sobre esses temas.

Biografia do Autor

André Dumans Guedes, Universidade Federal Fluminense

Departamento de Sociologia e Metodologia das Ciências Sociais, Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal Fluminense.

Referências

AGIER, Michel. Managing the Undesirables. Refugee Camps and Humanitarian Government.Cambridge: Polity Press, 2011.

ALVES, Yara de Cássia. As mães que enraízam e o mundo que gira: criação e movimento no Vale do Jequitinhonha-MG. Tessituras, Pelotas, v. 6, n. 2, p. 193-213, jul./dez. 2018.

ANTONAZ, Diana. Na Escola dos Grandes Projetos. A Formação do Trabalhador Industrial na Amazônia. 1995. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – PPGAS/Museu Nacional/UFRJ, Rio de Janeiro.

BENJAMIN, Walter. O Narrador. Considerações sobre a Obra de Nikolai Leskov. In: BENJAMIN, W. Obras Escolhidas I. Magia e Técnica, Arte e Política. Ensaios sobre Literatura e História da Cultura.São Paulo: Brasiliense, 2012.

CARNEIRO, Ana. DAINESE, Graziele. Notas sobre as diferenças e as diferenciações etnográficas do movimento. Ruris, Campinas, v. 9, n. 1, p. 143-146, 2015.

CHAVES, Christine. A marcha nacional dos sem-terra. Um estudo sobre a fabricação do social. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2000.

COMERFORD, John Cunha.Fazendo a Luta. Sociabilidade, Falas e Rituais na Construção de Organizações Camponesas. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1999.

COMERFORD, John Cunha. Como uma Família: Sociabilidade, territórios de parentesco e sindicalismo rural. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2003.

COMERFORD, John Cunha. Vigiar e narrar. Sobre formas de observação, narração e julgamento de movimentações. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 57, p. 107-142, 2014.

COMERFORD, John Cunha; ALMEIDA, Luciana; PALMEIRA, Moacir. O mundo da participação e os movimentos rurais: entre mobilizações, espaços de interlocução e gabinetes. In: LEITE LOPES, J. S.; HEREDIA, B. (org.). Movimentos Sociais e Esfera Pública: o mundo da participação. Rio de Janeiro: Colégio Brasileiro de Altos Estudos - CBAE, 2014, p. 67-88.

CORRADO, Elis. De índios a sem-terra: variações da forma acampamento. Ruris, Unicamp, v. 1, n. 2, 2013.

CRUSH, Jonathan. The compound in post-apartheid South Africa. Geographical Review, New York, v. 82, n. 4, p. 388-400, oct. 1992.

DIAS DUARTE, Luiz Fernando. A pulsão romântica e as ciências humanas no Ocidente. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 19, n. 55, p. 5-19, jun. 2004.

FIRMO, Fernando. Acampamento Grajaú: etnografia de uma ocupação política. 2008. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Departamento de Antropologia, UnB, Brasília.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir.Petrópolis: Vozes, 1987.

GOFFMAN, Erving. Manicômios, Prisões e Conventos. São Paulo: Editora Perspectiva, 2001.

GUEDES, André Dumans. Abrir no mundo, rasgando o trecho: mobilidade popular, família e grandes projetos de desenvolvimento. Cadernos de Campo, São Paulo, v. 21, n. 21, 2012.

GUEDES, André Dumans. O Trecho, As Mães e Os Papéis. Etnografia de Movimentos e Durações no Norte de Goiás. Rio de Janeiro: Garamond, 2013.

GUEDES, André Dumans. Andança, agitação, luta, autonomia, evolução. Sentidos do movimento e da mobilidade. Ruris, v. 9, n. 1, 2015.

GUEDES, André Dumans. Construindo e estabilizando cidades, casas e pessoas. Mana, Rio de Janeiro, v. 23, n. 3, p. 403-435, 2017.

GUEDES, André Dumans. Dessubstancializando a casa via configurações e formas provisórias de existência. Artigo inédito submetido a periódico, em avaliação. s/d.

INGOLD, Tim. Being alive: essays on movement, knowledge and description. New York: Routledge, 2011.

LEITE LOPES, José Sérgio. Fábrica e Vila Operária. Consideração sobre uma Forma de Servidão Burguesa. In: LEITE LOPES et al. (Org.). Mudança Social no Nordeste. A Reprodução da Subordinação. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

LIMA, Jacqueline Ferraz de. Mulher fiel. Etnografia do amor nas prisões do PCC. 2013. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, UFSCar, São Carlos.

LINS RIBEIRO, Gustavo. Acampamento de grande projeto, uma forma de imobilização da força de trabalho pela moradia. Série Antropologia (UnB), Brasília, n. 84, 1989.

LINS RIBEIRO, Gustavo. Developing the Moonland: The Yacyreta Hydroeletric Dam and Economic Expansion in Argentina. 1988. Tese (Doutorado em Antropologia) – The City University of New York, New York.

MARCELIN, Louis Herns. A linguagem da casa entre os negros no Recôncavo Baiano.Mana, Rio de Janeiro, v. 5, n. 2, p. 31-60, 1999.

MARX, Karl. O Capital. Livro I, volume II. São Paulo: Nova Cultural, 1988.

MELLO E SOUZA, Laura de. Formas provisórias de existência: a vida cotidiana nos caminhos, nas fronteiras e nas fortificações. In: MELLO E SOUZA, L. et al. (Org). História da Vida Privada no Brasil: Cotidiano e Vida Privada na América Portuguesa. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

MENEZES, Marilda Aparecida de. Redes e enredos nas trilhas dos migrantes: um estudo de famílias de camponeses-migrantes. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2002.

MORONEY, Sean. The development of the compound as a mechanism of worker control (1900-1912). South African Labour Bulletin, v. 4, n. 3, p. 29-49, 1978.

OLIVEIRA, João Pacheco de. Uma etnologia dos “índios misturados”? Situação colonial, territorialização e fluxos culturais. Mana, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, p. 47-77, 1998.

PALMEIRA, Moacir; WAGNER, Alfredo. A invenção da migração. Relatório de Pesquisa, Projeto Emprego e Mudança Sócio-Econômica no NE. PPGAS, Rio de Janeiro, 1977.

POMPA, Maria Cristina. Memórias do Fim do Mundo. Para uma Leitura do Movimento Sócio-Religioso de Pau de Colher. 1995. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – PPGAS/Unicamp, Campinas.

RIBEIRO, Dandara dos Santos Damas. Comunidade Quilombola Manoel Ciriaco dos Santos. Identidade e Famílias Negras em Movimento. Rio de Janeiro: Multifoco, 2018.

RUMSTAIN, Ariana. Peões no Trecho. Estratégias de Trabalho e Deslocamento no Mato Grosso. 2009. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – PPGAS/Museu Nacional/UFRJ, Rio de Janeiro.

SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de Lingúistica Geral. São Paulo: Cultrix, 2006.

SIGAUD, Lygia, A forma acampamento: notas a partir da versão pernambucana. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, n. 58, p. 73-92, 2000.

SITAS, Ari. Moral formations and struggles amongst migrant workers on the East Rand. Labour, Capital and Society, v. 18, n.2, p. 372-401, nov. 1985.

THOMAS, William; ZNANIECKI, Florian. The Polish Peasant in Europe and America. Urbana: University of Illinois Press, 1984.

THOMPSON, Edward Palmer. The moral economy of the English crowd in the 18th century. Past and Present, 50, 1971.

VELHO, Otávio. O cativeiro da Besta Fera. In: VELHO, O. Mais realistas que o rei: ocidentalismo, religião e modernidades alternativas. Rio de Janeiro: Topbooks, 2007.

VIEIRA, Maria Antonieta da Costa. À Procura das Bandeiras Verdes. Viagem, Missão e Romaria. Movimentos Sócio-Religiosos na Amazônia Oriental. 2001. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – PPGAS/Unicamp, Campinas.

VIEIRA, Suzane de Alencar. Resistência e pirraça na Malhada: cosmopolíticas quilombolas no Alto Sertão de Caetité, Bahia. 2015. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – PPGAS/Museu Nacional/UFRJ, Rio de Janeiro.

WAGNER, Roy. The Invention of Culture. Chicago: The University of Chicago Press, 1981.

WOORTMANN, Klaas. Migração, Família e Campesinato. In: WELCH, C. et al. (Org.). Camponeses brasileiros: leituras e interpretações clássicas, v.1. São Paulo: Editora UNESP, 2009, p. 217-238.

Publicado
2020-11-25
Como Citar
Guedes, A. D. (2020). Narrando, comparando e maldizendo . RURIS - Centro De Estudos Rurais , 12(2), 23-52. https://doi.org/10.53000/rr.v12i2.4244