Entre negocios seguros e arriscados

as estratégias dos assentados rurais de Mato Grosso no mercado da soja

  • Cristiano Desconsi Universidade Federal do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Etnografia econômica, Camponeses, Cálculos

Resumo

Esse artigo examina os mecanismos utilizados por camponeses que vivem da produção de soja, para fazer frente aos fatores não controláveis dessa modalidade de produção comercial. Os dados foram produzidos em trabalho de campo realizado em assentamentos rurais de Reforma Agrária situados em Mato Grosso. Pela etnografia, observa-se que, embora, participem da produção de soja, esses agentes, adotam estratégias ordinárias de cálculo e formas de classificar as operações comerciais. Tratam-se de recriações de disposições adquiridas dos agentes as quais visam não só ampliar o seu próprio controle sobre o produto agrícola, mas também controlar seu próprio comportamento econômico e social.

Biografia do Autor

Cristiano Desconsi, Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutor em Ciências Humanas. Professor Adjunto do Centro de Ciências Agrárias da Universidade Federal de Santa Catarina, área de administração rural.

Referências

ALMEIDA, Luciana.Gaúchos, festas e negócios: o agronegócio da soja no Meio-Norte mato-grossense.Tese de Doutorado,Programa de Pós-graduação em Sociologia e Antropologia, Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

BOURDIEU, Pierre.O senso prático. Petrópolis/RJ, Editora Vozes, 2009.

CHAYANOV, Alexander. V.On the Theory of Non-Capitalist Economic Systems. In: ________.The Theory of Peasant Economy. Homewood, Illinois: The American Economic Association/Richard Irwin, 1966, p. 1-28.

DESCONSI, C. O controle da lavoura: a construção de relações sociais e a produção de soja entre assentados do meio norte do Mato Grosso – Brasil. Tese de Doutorado, Programa de Pós-graduação em Sociologia e Antropologia, Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2017.

DUFY, Caroline; WEBER, Florence. L´ethnographie economique. Paris La Découverte, 2007.

FERNANDEZ, Antônio João. Do Cerrado à Amazônia: das estruturas sociais da economia da soja em Mato Grosso, Tese de Doutorado, Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Rural/UFRGS, Porto Alegre, 2007.

GARCIA Jr., Afrânio. O Sul o caminho do roçado: estratégias de reprodução camponesa e transformação social, São Paulo, Marco Zero, Brasília EdUnb MCT/CNPq, 1989.

GARCIA-PAPERT, Marie France.A sociologia da economia de Pierre Bourdieu In:Revista Sociologia & Antropologia,Rio de Janeiro, PPGSA/UFRJ, vol. III, nº 05, 2013 p. 93-117.

HEREDIA, Beatriz. A morada da vida: trabalho familiar de pequenos produtores do Nordeste do Brasil, Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1979.

HEREDIA, Beatriz; PALMEIRA, Moacir. Entorno de pesos, medidas e cálculos. Rio de Janeiro, Colóquio de Quantificação e Temporalidade, Museu Nacional (mimeo), 2005.

HEREDIA, Beatriz; PALMEIRA, Moacir; LEITE, Sérgio. (2010)Sociedade e Economia do Agronegócio no Brasil. Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 25, nº 74, 2010. p. 159-176.

WEBER, Florence. Calculs économiques. Gèneses, nº 84, vol. 3, 2011, p. 2-5.

WEBER, Florence. Práticas econômicas e formas ordinárias de cálculo. Revista Mana, nº 9, vol. 2. 2002, p. 151-182.

WEBER, Florence. Transactions marchands, échanges rituels, relations personnelles. Gèneses, nº 41, vol. 4. 2000, p. 85-107.

WESZ Jr., Valdemar João. O mercado da soja e as relações de troca entre os produtores rurais e empresas do sudoeste do Mato Grosso. Tese de Doutorado, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. Instituto do Ciências Humanas e Sociais, Rio de Janeiro, 2014.

Publicado
2020-07-25
Como Citar
Desconsi, C. (2020). Entre negocios seguros e arriscados. RURIS - Revista Do Centro De Estudos Rurais - UNICAMP, 12(1), 63-84. Recuperado de https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/ruris/article/view/3852
Seção
Artigos