Haitianos na Amazônia: a morfologia da imigração haitiana pelo Acre e o horizonte de inserção precarizada no Brasil

Letícia Helena Mamed

Resumo


Este artigo apresenta uma síntese de pesquisa empírica realizada no Estado do Acre, a principal porta de entrada de imigrantes haitianos no Brasil. Em 2010, eles partiram do contexto social haitiano de profunda crise, conduzidos por redes de contrabando de migrantes, e configuraram um fluxo constante na região, com estimativa do ingresso de mais de 37 mil até dezembro de 2015. No Acre, eram recebidos em um acampamento mantido pelo poder público, cuja estrutura de serviços assegurava a regularização e a preparação deles como força de trabalho apta a seguir viagem e ingressar de modo particularmente precarizado no mercado laboral brasileiro.


Palavras-chave


Trabalho; Imigração; Haitianos; Amazônia Acreana.

Texto completo:

PDF PDF

Referências


AGÊNCIA da Onu para Refugiados (ACNUR). Refúgio no Brasil: uma análise estatística de janeiro de 2010 a outubro de 2014. ACNUR-Brasil, São Paulo, 2014. Disponível em . Acesso em 30 mar. 2015.

ALMEIDA, Eduardo. Cartas do Haiti: relatos da situação num país em luta pela sua soberania. Resistir.info, Lisboa (Portugal), 2 fev. 2010. Disponível em

haiti.html>. Acesso em 30 mar. 2015.

ALVES, Giovanni. O novo (e precário) mundo do trabalho. Reestruturação produtiva e crise do sindicalismo. São Paulo: Boitempo, 2000.

ANTUNES, Ricardo. Os sentidos do trabalho: ensaio sobre a afirmação e negação do trabalho. São Paulo: Boitempo, 1999.

________. Trabalho e precarização numa ordem neoliberal. In: GENTILI, Pablo; FRIGOTTO, Gaudêncio (Orgs.). A cidadania negada: políticas de exclusão na educação e no trabalho. 2. ed. São

Paulo: Cortez, 2001, p. 35-48.

________. (Org.). Riqueza e miséria do trabalho no Brasil I. São Paulo: Boitempo, 2006.

________. (Org.). Riqueza e miséria do trabalho no Brasil II. São Paulo: Boitempo, 2013.

________. (Org.). Riqueza e miséria do trabalho no Brasil III. São Paulo: Boitempo, 2014.

ARRUDA, Itaan. Na periferia da alagação. Jornal A Gazeta, Rio Branco (AC), 16 mar. 2014. Acre Economia. Suplemento.

BAENINGER, Rosa; ANTICO, Cláudia. Questões decorrentes da emergência da migração internacional no Brasil. In: PATARRA, Neide Lopes (Org.). Migrações internacionais: herança XX,

agenda XXI. Campinas: FUNAP, v.2, 1996, p. 259-268.

BASSO, Pierre. Imigração na Europa. In: ANTUNES, Ricardo (Org.). Riqueza e miséria do trabalho no Brasil II. São Paulo: Boitempo, 2013, p. 29-53.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Conselho Nacional de Imigração – CNIg. Resolução Normativa nº 97 – Dispõe sobre a concessão do visto permanente previsto no art. 16 da Lei nº 6.815, de 19 de agosto de 1980, a nacionais do Haiti. Brasília: 12 jan. 2012, Disponível em: . Acesso em: 10 out. 2014.

BRASIL. Presidência da República, Secretaria de Direitos Humanos. Resultado da Aplicação do Questionário sobre a Situação dos/as Migrantes e/ou Solicitantes de Refúgio no Abrigo de Brasiléia/AC - Para Uso Interno do Serviço Público Federal. Brasília: SDH/PR, 2014.

BRITO, Suzana. Ocupação do Haiti é agressão imperialista. A nova democracia, Rio de Janeiro, fev. 2009. Disponível em . Acesso em: 30 jan. 2015.

CARREIRO, Marcelo. Brasil no Haiti: o desastre da Minustah. Boletim Tempo Presente, Rio de Janeiro, ano 4, v. 2, p. 3, 2009.

CAVALCANTI, Leonardo; OLIVEIRA, Antonio Tadeu; TONHATI, Tânia (Orgs.). A inserção dos imigrantes no mercado de trabalho brasileiro. Relatório Anual 2014. Brasília, DF: Cadernos do Observatório das Migrações Internacionais - OBMigra, 2014.

CAVALCANTI, Leonardo et al. (Orgs.). A inserção dos imigrantes no mercado de trabalho brasileiro. Relatório Anual 2015. Observatório das Migrações Internacionais - OBMigra; Ministério do Trabalho e Previdência Social/Conselho Nacional de Imigração e Coordenação Geral de Imigração. Brasília, DF:

OBMigra, 2015.

CHESNAIS, François. A mundialização do capital. São Paulo: Xamã, 1996.

CHOSSUDOVSKY, Michel. Globalização da pobreza e a nova ordem mundial. Lisboa: Caminho, 2003.

________. Raízes históricas da crise social no Brasil – o papel do FMI. Resistir.info, Portugal, 21 jun. 2013. Disponível em . Acesso em 15 ago. 2013.

COGGIOLA, Osvaldo. Haiti: terremoto, colonização e resistência. O Olho da História, Salvador, n. 14, jun. 2010. Disponível em . Acesso em 30 jan. 2015.

COMISSÃO Econômica para América Latina e Caribe - CEPAL. La migración internacional en América Latina y el Caribe: tendencias y perfiles de los migrantes. Santiago, 2006. Disponível em . Acesso em: 13 ago. 2013.

CUNHA, Davilson Marques Cunha; CUNHA, Renisea Figueiredo. As falácias do modelo de integração regional e

comercial: desnudando os interesses da IIRSA na fronteira amazônica. In: Seminário Internacional – Amazônia e Fronteiras do Conhecimento, 2008, Belém (PA). Anais. Belém: UFPA, 2008. Disponível em .

Acesso em: 5 jul. 2013.

DIAS, Guilherme Mansur; SPRANDEL, Márcia Anita. A CPI do Tráfico de Pessoas no contexto do enfrentamento ao tráfico de pessoas no Brasil. Cadernos de Debates - Refúgio, Migrações e Cidadania, Brasília (DF), v. 7, n. 7, p. 21-41, dez. 2012.

ENGELS, Friedrich. A situação da classe trabalhadora na Inglaterra. São Paulo: Boitempo, 2008.

ESCRITÓRIO das Nações Unidas sobre Drogas e Crimes - UNODC. Tráfico de pessoas e contrabando de migrantes. 2016. Disponível em: < https://www.unodc.org/lpo-brazil/pt/traficode-pessoas/index.html>. Acesso em: 05 jan. 2016.

FERNANDES, Duval (Coord.). Estudos sobre a migração haitiana ao Brasil e diálogo bilateral [Relatório final de pesquisa]. Belo Horizonte: Grupo de Estudos Distribuição Espacial da População, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Ministério do Trabalho e Emprego, Organização Internacional para Migração, 2014.

FERNANDES, Duval; MILESI, Rosita; FARIAS, Andressa. Do Haiti para o Brasil: o novo fluxo migratório. Instituto Migrações e Direitos Humanos, Brasília, 20 jan. 2014. Disponível em: . Acesso em: 30 jan.2015.

FERRAZ, Lucas. Rede de coiotes controla tráfico de haitianos ao país. Folha de São Paulo, São Paulo (SP), 27 mai. 2014. Disponível em: . Acesso em: 30 mai. 2014.

FRESNILLO, Iolanda. Haiti, quatro anos depois do terremoto: a miragem da reconstrução. Revista Fórum, São Paulo, edição 130, 16 jan. 2014. Disponível em: .Acesso em: 20 jan. 2014.

GAUDEMAR, Jean Paul de. Movilidad del trabajo y acumulación de capital. Ciudad de México: Ediciones Era, 1979.

GLASS, Verena. Com ajuda do Brasil, Haiti pode virar maquiladora, diz ativista. Carta Maior. São Paulo, 2 ago. 2004. Disponível em: . Acesso em: 15 ago.2013.

GOMBATA, Marsílea. Haiti – 10 anos de Minustah. Carta Capital, São Paulo, 11 ago. 2014. Disponível em: . Acesso em: 30 ago. 2014.

GOUNET, Thomas. Fordismo e toyotismo na civilização do automóvel. São Paulo: Boitempo, 1999. HALLWARD, Peter. Opção zero no Haiti. In: SADER, Emir (Org.). Contragolpes. Tradução de New Left Review. São Paulo: Boitempo, 2006, p. 219-242.

HANDERSON, Joseph. Diáspora. As dinâmicas da mobilidade haitiana no Brasil, no Suriname e na Guiana Francesa. 2015. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2015.

HARVEY. Condição pós-moderna: pesquisa sobre as origens da mudança cultural. São Paulo: Loyola, 2002.

________. O novo imperialismo. São Paulo: Loyola, 2004.

IBERÊ, Daniel. IIRSA: a serpente do capital – pilhagem, exploração e destruição cultural na América Latina (Santo Antônio e Jirau).

Rio Branco: Edufac, 2015.

JACKSON, Regine. Geographies of the Haitian diaspora. New York: Routledge, 2013.

KÜHN, Adriana. Guerra e persuasão: estudo de caso da operação psicológica do Exército Brasileiro no Haiti. 2006. Dissertação (Mestrado em Comunicação Social), Faculdade de Comunicação Social, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2006.

LIMA, Mário José de. Capitalismo e extrativismo – a formação da região acreana. 1994. Tese (Doutorado em Economia) – Instituto de Economia, Universidade Estadual de Campinas, Campinas (SP), 1994.

MACHADO, Altino. Haitianos relatam que encontraram corpos em decomposição durante fuga para o Brasil, diz antropóloga. Terra Magazine - Blog da Amazônia, São Paulo, 5 jan. 2012. Disponível em:. Acesso em: 10 ago. 2013.

________. Isolamento do Acre deixa mais de 1300 haitianos e senegaleses retidos em abrigo na fronteira. Terra Magazine - Blog da Amazônia, São Paulo, 28 fev. 2014. Disponível em: .

Acesso em: 2 mar. 2014.

________. Com débitos e abrigo superlotado, AC quer que governo federal assuma imigrantes. Blog do Altino Machado, Rio Branco (AC), 24 mar. 2015. Disponível em: . Acesso em: 30 mar. 2015.

MAIS de 250 mil pessoas perderam direito à nacionalidade dominicana. ADITAL. São Paulo, 11 fev. 2014. Disponível em:. Acesso em: 20 fev. 2014.

MALDONADO, R.; BAJUK, N.; HAYEM, M. Las remesas a América Latina y el Caribe durante el 2011: Recuperando el crecimiento. Washington: Fondo Multilateral de Inversiones, Banco Interamericano de Desarrollo, 2012.

MAMED, Letícia Helena. Amazônia Ocidental (1870-1970): o processo de incorporação do artesanato pela grande indústria na formação social do Acre. 2005. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Londrina, Londrina (PR), 2005.

MAMED, Letícia H.; LIMA, Eurenice O. Movimento internacional de trabalhadores haitianos: da passagem pela

Amazônia ao Trabalho no Centro-Sul do Brasil. In: Congreso Latinoamericano de Sociología Rural - ALASRU, 9, 2014, Cidade do México, Anais. Cidade do México: ALASRU, 2014a.

________. Trabalho e migração haitiana na Amazônia Ocidental. In: ALBUQUERQUE, Gerson; ANTONACCI, Maria Antonieta. Desde as Amazônias: Colóquios. Rio Branco: Nepan Editora, 2014b, v. II, p. 135-170.

________. Trabalho, precarização e migração: o processo de recrutamento de haitianos na Amazônia acreana pela agroindústria brasileira. Revista Novos Cadernos NAEA, Belém (PA), Universidade Federal do Pará, v. 18, n. 1, p. 33-64, jan-jun. 2015.

MARTINELLO, Pedro. A Batalha da Borracha na Segunda Guerra Mundial e suas consequências para o vale amazônico. Rio Branco: Edufac, 1998.

MONTEIRO, Solange. De braços abertos? Revista Conjuntura Econômica – FGV/IBRE, Rio de Janeiro, v. 69, n. 03, mar. 2015. Disponível em: . Acesso em: 20 mai. 2015.

PATARRA, Neide Lopes. Migrações internacionais de e para o Brasil contemporâneo: volumes, fluxos, significados e políticas.São Paulo Perspectiva, São Paulo, v. 19, n. 03, p. 23-33, set. 2006.

PAULA, Elder Andrade de. Entre desastres e transgressões. A chegada dos imigrantes haitianos no “Reino deste mundo Amazônico”. Novos Cadernos NAEA, Belém (PA), Universidade Federal do Pará, v. 16, n. 2, p. 187-206, dez. 2013.

REPÓRTER Brasil. Tráfico de pessoas, mercado de gente. Cartilha. São Paulo: Repórter Brasil, 2012. SAYAD, Abdelmalek. A imigração ou os paradoxos da alteridade. São Paulo: EDUSP, 1998.

SECRETARIA de Desenvolvimento Social do Acre – Seds/AC; Secretaria de Justiça e Direitos Humanos do Acre – Sejudh/AC. Relatório parcial de atendimento humanitário aos imigrantes presentes no Estado do Acre. Rio Branco (AC): [s.ed.], 2014.

________. Relatório parcial de atendimento humanitário aos imigrantes presentes no Estado do Acre. Rio Branco (AC): [s.ed.], 2015.

SEGUY, Frank. O Haiti é aqui e lá. Jornal da APUG. Fundação Lauro Campos. Belém, 1 mar. 2010. Disponível em: . Acesso em:30 jan. 2015.

________. A catástrofe de janeiro de 2010, a “Internacional Comunitária” e a recolonização do Haiti. 2014. Tese (Doutorado em Sociologia) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, Campinas (SP), 2014.

SILVA, Francisco Bento da. Negros diásporicos, migrações e trânsitos na Pan-Amazônia: Acre, o não-lugar. In: I Encontro Estadual da ANPUH-AP e I Jornada Internacional de Estudos de História da Amazônia “Diásporas, migrações e territorialidades " na Pan-Amazônia”. 1, 2014, Macapá, Anais. Macapá: ANPUHAP, 2014. Disponível em:< http://www.ap.anpuh.org/arquivo/download?ID_ARQUIVO=52504>. Acesso em: 30 mar. 2015.

SILVA, Paloma Karuza Maroni da. Seguindo rotas: reflexões para uma etnografia da imigração haitiana no Brasil a partir do contexto de entrada pela tríplice fronteira norte. 2014. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Instituto de Ciências Sociais, Universidade de Brasília, Brasília (DF), 2014.

SÔNEGO, Dubes. Brasil já recebe menos dinheiro de emigrantes que o Haiti. País foi o único da América Latina e Caribe a ter queda no volume de recursos enviados por seus cidadãos no exterior, em 2011. Portal IG. São Paulo, 14 mar. 2012. Disponível em:. Acesso em: 13 ago. 2013.

TERRA. Imigrantes haitianos recebem vacinas e carteiras de trabalho no Acre. São Paulo, 16 abr. 2013. Disponível em: . Acesso em: 30 out. 2013.

TOLENTINO, Nancy Curado. Migrações, remessas e desenvolvimento: o caso africano. Socius Working Papers, Lisboa,

Instituto Superior de Economia e Gestão. Universidade Técnica de Lisboa, n. 09, mai. 2009. Disponível em: . Acesso em: 30 mar. 2015.

VASAPOLLO, Luciano. O trabalho atípico e a precariedade. São Paulo: Expressão Popular, 2005. VÉRAN, Jean-François; NOAL, Débora da Silva; FAINSTAT, Tyler. Nem refugiados, nem migrantes: a chegada dos haitianos à cidade de Tabatinga (Amazonas). Dados - Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 57, n.4, p.1007-1041, 2014.

VILLEN, Patrícia. Polarização do mercado de trabalho e a nova imigração internacional no Brasil. In: Seminário do Trabalho: Trabalho e Políticas Sociais no Século XXI, 8, 2012, Marília. Anais. Marília: Unesp, 2012. Disponível em: . Acesso em:30 ago. 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Contatos

RURIS - Revista do Centro de Estudos Rurais
Instituto de Filosofia e Ciências Humanas - UNICAMP.
Rua Cora coralina s/n°
Cidade Universitária "Zeferino Vaz"
13083-896 Campinas-SP BRASIL.
Tel.: + 55 19 3521-1636

e-mail: ruris@feagri.unicamp.br