Desenvolvimento entrópico e a alternativa da diversidade

Resumo

Este ensaio trata de uma segunda via transoceânica planejada para ligar o Brasil Central ao Oceano Pacífico através do Acre e do Peru. Esse projeto é descrito como um exemplo das teses formuladas por Rosa Luxemburg e Georgescu-Roegen em 1913 e 1914 respectivamente. Essas teses foram apoiadas no caso de Luxemburg em uma leitura crítica da economia política marxista, e, no caso de Georgescu-Roegen, baseada numa crítica radical da economia neoclássica inspirada na termodinâmica. Elas convergem para uma conclusão que permanece relevante: o desenvolvimento econômico, nome dado hoje em dia para a acumulação do capital, alimenta-se inevitavelmente da destruição da diversidade natural e social. Cabe à Antropologia enquanto ciência tomar partido em defesa dos povos indígenas e comunidades camponesas atingidas pela máquina desenvolvimentista, em defesa da diversidade natural e social, e contribuir para a investigação de alternativas para uma boa vida de humanos e não humanos.

 

Biografia do Autor

Mauro William Barbosa de Almeida, Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP
Universidade Estadual de Campinas – Departamento de Antropologia.

Referências

ALMEIDA, Mauro W. B.Urbanisation et changements agricoles en Amazonie: le cas de Marechal Thaumaturgo, Acre (Brèsil). In: EMPERAIRE, Laure (org.). Villes et diversité agricole au Brésil: flux, réseaux et mobilités. Paris: IRD (Institut de Recherche pour le Développement) e Paloc (Patrimoines Locaux), 2012, p. 55-70.

ALMEIDA, Mauro W. B. Relatório de Acompanhamento à Inspeção Realizada pela Procuradoria da República no Pará às Áreas Ribeirinhas Atingidas pela UHE Belo Monte. In: MPF – Ministério Público Federal. Procuradoria da República em Altamira. Inspeção nas Áreas Ribeirinhas atingidas pela UHE Belo

Monte. Altamira (Pará): Ministério Público Federal, 2015, p. 40-46. AMAZONAS. Governo do Estado do Amazonas. IPAAM. Parecer Técnico n. 124/13-GEPE. a pedido da Agência Nacional do Petróleo. Manaus: IPAAM; Governo do Estado do Amazonas, 2013.

APURINÃ, Francisco. Nos Caminhos da BR-364. Povo Huni Kui e a Terra Indígena Colônia 27. Curitiba: Editora Prismas, 2015.

AQUINO, Terri V. Exposição na Reunião da SBPC, 66, julho de 2014, Rio Branco, Acre.

BALLÉE, William et al. Florestas Antrópicas no Acre: Inventário Florestal no Geoglifo Três Vertentes, Acrelândia. Amazônia, Revista de Antropologia (Online), v. 6, n. 1, p. 140-169, 2014.

BARBOSA DE MELO, Antonio (Roxo). Georadar – Petróleo Vale do Juruá. Carta a M. W. B. de Almeida, 13 de abril de 2014.

BERNO DE ALMEIDA, Alfredo W. Terra de quilombo, terras indígenas, “babaçuais livres”, “castanhais do povo”, faxinais e fundos de pasto: terras tradicionalmente ocupadas. 2a. ed.

Manaus: PPGSCA-UFAM, 2008. BERNO DE ALMEIDA, Alfredo W. Terras Tradicionalmente Ocupadas. Processos de territorialização e movimentos sociais. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, v. 6, n. 1, maio,

p. 9-32, 2014.

BOLTZMANN, Ludwig. Populäre Schriften. 2a. ed. Leipzig, Johann Abrosius Barth, 1919.

BOLTZMANN, Ludwig. Escritos Populares. Organização e tradução: Antonio A. P. Videira. São Leopoldo: Editora da Universidade do Vale do Rio dos Sinos, 2004.

BUENO, Maira. Articulações para o Desenvolvimento na Floresta: Populações Locais e Políticas Públicas em torno da Natureza na Microrregião de Cruzeiro do Sul, Acre. Tese (Doutorado em Antropologia), Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2013.

CAMARGO, Eliane et al. (orgs.). Huni Kuin hiwepaunibuki. A história dos Caxinauás por eles mesmos. La historia de los cashinahuas por ellos mismos. São Paulo: Edições Sesc São Paulo, 2013.

CARNEIRO DA CUNHA, Manuela e ALMEIDA, Mauro W. B. A Enciclopédia da Floresta. O Alto Juruá: Práticas e Conhecimentos das Populações. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

CARNEIRO DA CUNHA, Manuela. Tout va de pire en pire pour les Indiens d’Amazonie. Prefácio. In: GAMELON, Simone;KUSZA, Patrick (orgs.). Les Indiens d’Amazonie face aux politiques de développement. Paris: Harmattan, 2015.

COSTA, Craveiro. A Conquista do Deserto Ocidental. 2a. ed. São Paulo: Editora Nacional, 1973 [1924]. EMPERAIRE, Laure et al. D´une production localisée à une indication géogfraphique en Amazonie: les enjeux écologiques de la production de farinha de Cruzeiro do Sul. Cahiers Agricultures, v. 21, p. 25-32, janeiro-fevereiro 2012. DOI 10.1684/AGR.2012.0537. Expreso.pe. Brasil exportará a China por Chimbote. Disponível

em: http://www.expreso.com.pe/noticia/2012/06/19/brasilexportara-china-por-chimbote> – 3 jul. 2012.

GAMELON, Simone e KUSZA, Patrick (orgs.). Les Indiens d’Amazonie face aux politiques de développement. Paris: Harmattan, 2015.

GEORGESCU-ROEGEN, Nicholas. The Entropy Law and the Economic Process. Cambridge, Massachusetts: Harvard University Press, 1971.

GEORGESCU-ROEGEN, Nicholas. The Entropy Law and the Economic Process in Retrospect. Eastern Economic Journal, vol. 12, n. 1, Janeiro-março 1986.

GOWDY, John & Susan MESNER. The evolution of GeorgescuRoegen’s Bioeconomics. Review of Social Economy, vol. 56, n.2, pp. 136-56, 1998.

GRAEBNER, Maria L. (Org.). 2014. Territórios de Povos e Comunidades Tradicionais e as Unidades de Conservação de Proteção Integral. Alternativas para o Asseguramento de Direitos Socioambientais. Brasília: MPF, 6a Câmara de Coordenação e Revisão, 2014.

IGLESIAS, Marcelo P. 2010. Os Kaxinawá de Felizardo: Correrias, Trabalho e Civilização no Alto Juruá. Brasília: Edições Paralelo 15, 2010.

ÎKA MURU, Agostinho M.M. Una Hiwea. Belo Horizonte e Aldeia São Joaquim (T. I. Rio Jordão): FALE Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais) e Literaterras, 2012.

ÎKA MURU, Agostinho M.M.; QUINET, Alexandre. Una Isi Kayawa: Livro da cura do povo Huni Kuin do rio Jordão. Rio de Janeiro: CNC/Flora/Jardim Botânico do Rio de Janeiro e Dantes Editora, 2011.

KENSINGER, Kenneth M. How Real People Ought to Live. The Cashinahua of Eastern Peru. Illinois: Waveland Press, 1995.

KOPENAWA, Davi; e Albert, Bruce. A Queda do Céu. Palavras de um Xamã Yanomami. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

KRONGKAEW, Medhi. “The Philosophy of Sufficiency Economy”. Kyoto Review, outubro 2003.

KÜMMEL, Reiner. The Second Law of Economics. Energy, Entropy, and the Origins of Wealth 2011

LACERDA, Cristina M. B.; CASTRO, Ana N. S.; SENA, Ivo P. S. Manifestação Técnica/Parecer Técnico a pedido da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis. Rio Branco: Secretaria Estadual do Meio Ambiente (SEMA);Instituto do Meio Ambiente do Estado do Acre (IMAC), 2013.

LIMA, E.C.; ALMEIDA, M.W.B; IGLESIAS, M.P. Petróleo, gás, estradas e populações tradicionais no Alto Juruá. Jornal Página 20, Rio Branco, 29 de abril de 2007.

LUXEMBURG, Rosa. A Acumulação do Capital. Estudo sobre a Interpretação Economica do Imperialismo. Tradução de Moniz Bandeira. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1970.

LUXEMBURG, Rosa. Die Akkumulation des Kapitals. Gesammelte Werke, vol. 5. Berlim: Institut für Marxismus-Leninismus, 1975 [1913]. Disponível em: http://www.mlwerke.de/lu/lu05/lu05_005.htm. Acesso em: 27 jun. 2012.

MAURY, Jean-Pierre. Carnot et la machine à vapeur. Paris:Presses Universitaires de France, 1986.

McCALLUM, Cecilia. Gender and Sociality in Amazonia. How Real People Are Made. Oxford: Berg, 2001.

MESQUITA, Érika; SEVA, Osvaldo. Ameaçados e atingidos por grandes projetos de engenharia: a problemática dos indígenas isolados no Acre e a prospecção de Petróleo. Palestra apresentada na Reunião Anual da ABA, 2000, Porto Seguro, Bahia.

MESQUITA, Érika. Ver de perto pra contar de certo. As mudanças climáticas sob os olhares dos moradores da floresta. Tese (Doutorado em Antropologia) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2012.

MESQUITA, Érika. Ex-rubber tappers and small-farmers´views of weather changes in the Amazon. In : World Social Science Report 2013: Changing Global Environments. UNESCO e ISSC, 2013, p. 275-277.

MONTE, Nietta L. e MANA KAXINAWÁ, Joaquim P. (coords). Shenipabu Miyui. História dos Antigos. Rio Branco (Acre):Comissão Pró-Índio do Acre, s/d.

MORIN, Françoise. La liaison routière ou ferroviaire entre Pucallpa au Pérou et Cruzeiro do Sul au Brésil: un défi pour les droits des peuples autochtones. In: GAMELON, Simone; KUSZA, Patrick (orgs.). Les Indiens d’Amazonie face aux politiques de développement. Paris: Harmattan, 2016.

MPF – Ministério Público Federal. Procuradoria da República em Altamira. Inspeção nas Áreas Ribeirinhas atingidas pela UHE Belo Monte. Altamira (Pará): Ministério Público Federal, 2015.

OPIAC et al. Carta Declaratória sobre a Prospecção e Exploração de Petróleo e Gás no Juruá. Disponível em: www.acrealerta.com.br. Acesso em: 9 maio 2012.

POSTIGO, Augusto A. A Terra Vista do Alto. Usos e Percepções do Espaço entre os moradores do Rio Bagé, Acre. Tese (Doutorado em Antropologia) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Estadual de Campinas, 2010.

RICARDO, Beto (coord.). Amazônia sob Pressão - RAISG (Rede Amazônica de Informação Socioambiental Geo-referenciada). Tradução de Alicia Rolla. São Paulo: Instituto Socioambiental, 2013.

RIZZI, Roberta. 2010. Mandioca: Processos Biológicos e Socioculturais Associados no Alto Juruá, Acre. Dissertação (Mestrado em Antropologia), Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2010.

SEVÁ, Oswaldo. O petróleo e o gás debaixo da terra PanAmazônica (I). Página 20. Coluna Papo de Índio, Rio Branco, 23 de março, 2007a.

SEVÁ, Oswaldo. O petróleo e o gás debaixo da terra PanAmazônica (II). Página 20. Coluna Papo de Índio, Rio Branco, 1 de abril, 2007b.

SEVÁ, Oswaldo e IGLÉSIAS, M. P. O petróleo e o gás debaixo da terra Pan-Amazônica (III). Página 20. Coluna Papo de Índio, Rio Branco, 15 de abril, 2007.

SEVÁ, Oswaldo. Selva quadriculada à revelia. Povos e poderes em conflito nas Amazônias equatoriana, Peruana e brasileira sob o avanço da indústria petrolífera. Encontro Anual da ANPOCS - Grupo de Trabalho sobre Conflitos Ambientais, Processos de Territorialização e Identidades Sociais, 32, 2008, Caxambu. Comunicação.

SOARES-FILHO, Britaldo S.; Nepstad, Daniel; Curran, Lisa et al. Cenários de desmatamento para a Amazônia. Estudos Avançados, São Paulo, v. 19, n. 54, p. 137-152, 2005.

VILLAS-BOAS, Andre; GARZÓN, Biviany R.; REIS, Carolina; AMORIM, Leonardo; LEITE, Leticia (orgs.) 2015. Dossiê Belo Monte. Nao há condições para a Licença de Operação. São Paulo: Instituto Socioambiental.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. AND –After-dinner speech given at Anthropology and Science.The 5th Decennial Conference of the Association of Social Anthropologists of the UK and Commonwealth. Manchester: University of Manchester, 2003.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. The Nazis and the Amazonians, but then again, Zen´. In: Seminário Comparative Relativism, 3-4 setembro, 2009, Copenhagen.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Desenvolvimento econômico e reenvolvimento cosmopolítico: da necessidade extensiva à suficiência intensiva. Sopro. Panfleto político-cultural, n. 51, maio de 2011. Disponível em: http://culturaebarbarie.org/sopro/outros/suficiencia.html. Acesso em: 28 jun. 2012.

Publicado
2016-11-30
Como Citar
Almeida, M. W. B. de. (2016). Desenvolvimento entrópico e a alternativa da diversidade. RURIS - Centro De Estudos Rurais , 10(1). Recuperado de https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/ruris/article/view/2635
Seção
Ensaios