Mexendo com a roça - Trabalho e movimento no Sertão Mineiro

  • Luiz Felipe Rocha Benites Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro - UFRRJ

Resumo

 Este artigo busca abordar como a noção de roça orienta algumas
práticas de sentido de moradores de duas comunidades rurais, Ribanceira
e Gerais Velho, localizadas no Vale do São Francisco, norte de Minas Gerais.
Nessas localidades a ideia de roça surge emaranhada nas tramas da experiência
do trabalho, relacionando mato, cidade, outras atividades laborais e moral dos
trabalhadores. Os tempos e lugares da roça guardam um nexo com as práticas
de pequenos e grandes deslocamentos que tecem os próprios fi os do mundo que é
vivenciado. Nesses movimentos são delineados os vínculos entre pessoas e coisas,
bem como o próprio sentido da experiência na roça.

Biografia do Autor

Luiz Felipe Rocha Benites, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro - UFRRJ
Professor Adjunto II – Departamento de História eEconomia/Instituto Multidisciplinar – Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

Referências

ALMEIDA, M. W. B. Narrativas Agrárias e a Morte do Campesinato. Ruris, v. 1, n. 2, p. 157-186, 2007.

BENITES, L. F. R. Olhando da Ribanceira: Perspectivas de Influência e Vulnerabilidade no Vale do Alto-Médio São Francisco. Tese (Doutorado) – Museu Nacional, UFRJ, Rio de Janeiro, 2010.

______. Da “consideração” e da acusação: notas etnográficas sobre reputação, fofocas e rumores na política. In: COMERFORD, J.; CARNEIRO, A.; DAINESE, G.. Giros Etnográficos em Minas Gerais: casa, comida, prosa, festa, política, briga e o diabo. Rio de Janeiro: 7 Letras/FAPERJ, 2014.

BURTON, R. F, Sir. Viagem de canoa de Sabará ao Oceano Atlântico. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Edusp, 1977.

CHAVES, C. A. Festas da Política: uma etnografi a da modernidade no sertão (Buriti-MG). Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2003.

DAINESE, G. Chegar ao cerrado mineiro: hospitalidade, política e paixões. Tese (Doutorado) – Museu Nacional, UFRJ, Rio de Janeiro, 2011.

DURHAM, E. Migrações rurais. In: A dinâmica da cultura. São Paulo, Cosac & Naify, 2004.

GUEDES, A. D. O trecho, as mães e os papéis: etnografia de movimentos e durações no norte de Goiás. São Paulo: Garamond,2013.

INGOLD, T. Being Alive: essays on movement, knowledge and description. London: Routledge, 2011.

LATOUR, B. Jamais Fomos Modernos. São Paulo: Ed. 34, 1994.

LIMA, N. T. Um sertão chamado Brasil. Rio de Janeiro: Revan/IUPERJ, 1999.

NEVES, Z. Navegantes da Integração: os remeiros do rio São Francisco. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1998.

OLIVEIRA, C. L. de. Vazanteiros do Rio São Francisco : um estudo sobre populações tradicionais e territorialidade no Norte de Minas Gerais. Dissertação (Mestrado) – UFMG, Belo Horizonte, 2005.

PALMEIRA, MR.; HEREDIA, B. Os Comícios e a Política de Facções. Anuário Antropológico. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, p. 31-94, 1995.

PIERSON, D. O Homem do Vale do São Francisco. Vol. II. Rio de Janeiro: Ministério do Interior/Superintendência do Vale do São Francisco, 1972.

Publicado
2015-10-10
Como Citar
Benites, L. F. R. (2015). Mexendo com a roça - Trabalho e movimento no Sertão Mineiro. RURIS - Revista Do Centro De Estudos Rurais - UNICAMP, 9(1). Recuperado de https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/ruris/article/view/2075
Seção
Dossiê: MOVIMENTOS E PRÁTICAS DE CIRCULAÇÃO EM COLETIVIDADES RURAIS