Escolas e missões religiosas na reserva indígena de Dourados/MS (1940 – 1970): reflexões sobre a noção de pessoa dos Kaiowá Guarani e Guarani Ñandeva

  • Lígua Duque Platero

Resumo

Nestas notas de pesquisa, faço um breve histórico do processo de escolarização na reserva indígena de Dourados/MS, durante o período entre 1940 e 1970. Associo esse processo às relações dos Kaiowá e dos Ñandeva com a alteridade, a partir de reflexões sobre a noção de pessoa dos Kaiowá Guarani e dos Guarani Ñandeva. Utilizo o modelo de Eduardo Viveiros de Castro (1984) sobre a “abertura para o Outro” na constituição da pessoa dos povos Tupi-Guarani. Partindo desse modelo, busco compreender as motivações que levaram os Kaiowá Guarani e Guarani Ñandeva da reserva de Dourados a incorporar o modelo educativo da sociedade nacional da agência indigenista Serviço de Proteção ao Índio (SPI) e da escola da Missão Evangélica Caiuá (MEC) em sua vida cotidiana, no período entre 1940 e 1970, assim como perceber as suas consequências indesejáveis.
Publicado
2009-02-09
Como Citar
Platero, L. D. (2009). Escolas e missões religiosas na reserva indígena de Dourados/MS (1940 – 1970): reflexões sobre a noção de pessoa dos Kaiowá Guarani e Guarani Ñandeva. História Social, 2(25), 205-224. Recuperado de https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/rhs/article/view/1843