Anarquistas italianos nas Américas: A luta contra o facismo entre o Velho e o Novo Mundo (1922-1945)

  • João Fabio Bertonha

Resumo

No período entre as duas guerras mundiais, anarquistas italianos (assim como outros grupos de esquerda) tiveram que reorganizar sua luta contra o fascismo fora da Itália. Enquanto socialistas e republicanos se dirigiram especialmente à França e à Suíça, e os comunistas tinham preferência pela França e pela Bélgica, os anarquistas optaram, por vários motivos, pelo continente americano. Meu objetivo nesse paper é fazer uma comparação entre os vários casos regionais do continente americano, de forma a compreender em quais contextos o anarquismo foi capaz de articular melhor a sua luta contra o regime fascista (e suas instituições transplantadas no exterior, como os fasci all´estero e os consulados) e as razões disto. Além disso, explorarei as várias redes transnacionais que conectavam estes anarquistas antifascistas entre si na América (assim como com seus companheiros nos países europeus e na Austrália) e com seus apoiadores e parceiros de fé política em cada país, através de jornais, cartas, etc.
Publicado
2013-07-02
Como Citar
Bertonha, J. F. (2013). Anarquistas italianos nas Américas: A luta contra o facismo entre o Velho e o Novo Mundo (1922-1945). História Social, (22/23), 269-293. Recuperado de https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/rhs/article/view/1213