Transportes mediados

relações sociais agenciadas por índices materiais não ocidentais e obras de arte

  • Diogo de Moraes Silva Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Antropologia da arte, Arte contemporânea, Função agentiva

Resumo

Em atenção às diferenças observadas entre os regimes de produção e fruição das obras de arte e dos índices materiais não ocidentais, este texto estabelece nexos interculturais referentes às relações sociais intermediadas por coisas. Para isso, coteja o regime estético com ponderações críticas acerca da autonomização da obra de arte na modernidade, e o correlato expurgo de sua dimensão funcional. O caráter autocentrado da arte é, assim, confrontado com a função agentiva inerente ao universo material cultivado por sociedades originárias. Desse exercício é derivada uma zona de contágio interpretativo, dentro da qual transita uma obra representativa da produção artística contemporânea.

Biografia do Autor

Diogo de Moraes Silva, Universidade de São Paulo

É mediador cultural, artista visual e, atualmente, assistente técnico cultural no Sesc São Paulo, na Gerência de Estudos e Desenvolvimento. Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Artes, Área de Concentração Artes Plásticas, Linha de Pesquisa Poéticas Visuais, da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo. Doutorando no Programa de Pós-Graduação Interunidades Estética e História da Arte, na Linha de Pesquisa Metodologia e Epistemologia da Arte, da Universidade de São Paulo.

Referências

BOURDIEU, Pierre. A Distinção: crítica social do julgamento. Porto Alegre: Zouk, 2013.

CHARBONNIER, Georges. Arte, linguagem, etnologia: entrevistas com Claude Lévi-Strauss. Campinas, SP: Papirus, 1989.

DIDI-HUBERMAN, Georges. A imagem sobrevivente: história da arte e tempo dos fantasmas segundo Aby Warburg. Rio de Janeiro: Contraponto, 2013.

ECO, Umberto. Obra Aberta – Forma e indeterminação nas poéticas contemporâneas. São Paulo: Ed. Perspectiva, 1986.

GELL, Alfred. “A rede de Vogel, armadilhas como obras de arte e obras de arte como armadilhas” Pp. 175-191 em Arte e Ensaios: Revista do Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais, Rio de Janeiro: Escola de Belas Artes da UFRJ, ano 8, n. 8, 2001.

_____, Alfred. Arte e agência: uma teoria antropológica. São Paulo: Ubu Editora, 2018.

MAUSS, Marcel. Sociologia e antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2003.

MORPHY, Howard. “The Anthropology of Art” Pp. 648-685 em Companion Encyclopedia of Anthropology, editado por T. Ingold. Londres/New York: Routldge, 1994.

MUSEU DE ARTE MODERNA DE SÃO PAULO. A marquise, o MAM e nós no meio. São Paulo: Museu de Arte Moderna de São Paulo, 2018.

RANCIÈRE, Jacques. A partilha do sensível: estética e política. São Paulo: EXO experimental org.; Ed. 34, 2005.

__________, Jacques. O espectador emancipado. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2012.

Publicado
2020-12-15
Como Citar
Moraes Silva, D. de. (2020). Transportes mediados. PROA Revista De Antropologia E Arte, 2(10), 60-79. Recuperado de https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/proa/article/view/4012
Seção
Artigos