Dossiê Artes em Festas: transgressões e utopias

  • Lis Furlani Blanco Universidade Estadual de Campinas
  • Adriano Santos Godoy Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Antropologia, Festa, Arte

Resumo

É extensa a literatura antropológica que aponta respostas e caminhos para essas questões. Tão extensa que na organização do presente dossiê decidimos que, após o recebimento de um número considerável de trabalhos, iríamos dividir as contribuições aprovadas em dois volumes da PROA, organizadas de acordo com certas proximidades temáticas. A primeira edição (GODOY, BLANCO, 2018) aborda a potência do corpo enquanto ator e mediador das práticas artísticas, sobretudo pela dança, e a festa enquanto um ritual pautado por tradições e memórias religiosas.

Nessa segunda edição, tendo em vista a recente efervescência de manifestações artísticas que podem ser compreendidas e, se autodenominam como políticas, a proposta é apontar caminhos e metodologias que compreendam as festas de rua como um momento ritual que é político em si, que tem a transgressão como fundamento primordial (CAILLOIS, 2015; BATAILLE, 1987). Além de buscar desvelar como essa expressão estética tem sido construída, nos últimos anos, como palco de uma disputa que vai além de uma crítica social circunscrita a esse momento ritual (BAKHTIN, 1987; 1997).

Biografia do Autor

Lis Furlani Blanco, Universidade Estadual de Campinas

Doutoranda e Mestra em antropologia social pela UNICAMP. Membro do comitê editorial da PROA. Pesquisadora visitante na University of California - Berkeley

Adriano Santos Godoy, Universidade Estadual de Campinas

Doutorando e Mestre em antropologia social pela UNICAMP. Membro do comitê editorial da PROA. Pesquisador visitante na Universiteit Utrecht e pesquisador do Laboratório de Antropologia da Religião.

Referências

BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. São Paulo: Hucitec, Brasília: Ed. UnB, 1987.

BAKHTIN, Mikhail. Carnival and the Carnivalesque. In: STOREY, John. Cultural Theory and Popular Culture: A Reader. Georgia: University of Georgia Press, 1997, p.250-259.

BATAILLE, Georges. O Erotismo. São Paulo: L&PM Editores, 1987.

CAILLOIS, Roger. O sagrado de transgressão: a teoria da festa. Outra Travessia, 9, 15-55, 2015.

CAVALCANTI, Maria Laura. Cultura e ritual: trajetórias e passagens. In: Cultura e Imaginário. Org. Everardo Rocha. Rio de Janeiro: Ed. Mauad, 1998. p.59-68.

CAVALCANTI, Maria Laura. Roberto DaMatta, o carnaval e a interpretação do Brasil. IN: O Brasil não é para principiantes. Carnavais malandros e heróis, 20 anos depois. (Orgs. Laura Graziela Gomes, Lívia Barbosa e José Augusto Drummond). RJ: Ed FGV, 2000. p. 143-157.

CAVALCANTI, Maria Laura V. C. Carnaval carioca: dos bastidores ao desfile. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2006.

CAVALCANTI, Maria Laura Viveiros de Castro. DRAMA, RITUAL E PERFORMANCE EM TURNER, Victor. Sociol. Antropol., Rio de Janeiro , v. 3, n. 6, p. 411-440, Dec. 2013 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2238-38752013000600411&lng=en&nrm=iso>. Acessado em: 16 de maio de 2019. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/2238-38752013v363.

DOUGLAS, Mary. Pureza e perigo. São Paulo: Perspectiva, 1976.

GEERTZ, Clifford. Art as a Cultural System. In: Local Knowledge, Further Essays in Interpretative Anthropology, 94-120, 1983.

GELL, Alfred. Arte e agência. São Paulo: Ubu, 2018.

GODOY, Adriano; BLANCO, Lis. Dossiê Artes em Festas: corpos em movimento. PROA: revista de antropologia e arte, 8 (2), 8-14, 2018.

LACHMANN, Renate, et al. Bakhtin and Carnival: Culture as Counter-Culture. Cultural Critique, no. 11, 1988, pp. 115–152. JSTOR, www.jstor.org/stable/1354246.

LEACH, Edmund R.. Rethinking Anthropology, Robert Cunningham and Sons Ltd., 1961, London: THE Athlone Press & New York: Humanities Press Inc.

LEACH, Edmund R. Ritualization in Man. Philosophical Transaction of the Royal Society, series B. W 772. Vol. 251,1966, pp. 403-408.

LEACH, Edmund R. Sistemas Políticos da Alta Birmânia - Um Estudo da Estrutura Social Kachin. SP: Edusp, 1996.

LAGROU, Elsje Maria. Antropologia e Arte: uma relação de amor e ódio. In: ILHA - Florianópolis, v.5, n.2, dezembro de 2003, p. 93-113.

TURNER, Victor. O processo ritual: estrutura e anti-estrutura. Petrópolis: Vozes, 1974.

TURNER, Victor. Revelation and divination in Ndembu ritual. Ithaca: Cornell University Press, 1975A.

TURNER, Victor. Symbolic studies. Annual Review of Anthropology, 4, p. 145-161, 1975B.

TURNER, Victor. Schism and continuity in an African society. Manchester: Manchester University Press, 1996.

TURNER, Victor. Floresta dos símbolos: aspectos do ritual Ndembu. Niterói: EdUFF, 2005.

TURNER, Victor. Drama, campos e metáforas. Niterói: EdUFF, 2008.

Publicado
2019-07-15
Como Citar
Blanco, L. F., & Godoy, A. S. (2019). Dossiê Artes em Festas: transgressões e utopias. PROA Revista De Antropologia E Arte, 1(9), 9-20. Recuperado de https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/proa/article/view/3635