A interpretação dos dogmas orientalistas por intermédio das imagens

  • Leonardo Luiz Silveira da Silva Instituto Federal do Norte de Minas Gerais
  • Jamerson Sérgio Rezende Passos Instituto Federal do Norte de Minas Gerais
Palavras-chave: Orientalismo, Arte, Dogmas

Resumo

O Orientalismo foi construído por meio da experiência colonial e do estranhamento entre as cosmologias entre o Ocidente e o Oriente. Destaca-se como referência dos estudos orientalistas o autor Edward Saïd. Para ele, as práticas orientalistas são passíveis de serem identificadas por meio de quatro dogmas. A Arte Orientalista, exemplificada neste artigo por meio das pinturas temporalmente centradas no século vitoriano, constitui-se como importante ferramenta de interpretação dos dogmas descritos por Saïd. O presente artigo pretende mostrar que o entendimento da manifestação dogmática do Orientalismo nas pinturas nos capacita a projetá-lo em outras formas de linguagem, aperfeiçoando-nos a leitura crítica e qualificando as nossas relações interpessoais e análises políticas, baseadas, contemporaneamente, no exercício do estranhamento identitário.

Biografia do Autor

Leonardo Luiz Silveira da Silva, Instituto Federal do Norte de Minas Gerais

Graduado em Geografia, Especialista em Políticas Sociais, Mestre em Relações Internacionais e Doutor em Geografia.

Jamerson Sérgio Rezende Passos, Instituto Federal do Norte de Minas Gerais

Graduado em Artes, mestre em Artes.

Referências

ARGAN, Guilio Carlo. Clássico e Romântico. In: ______. Arte moderna: do Iluminismo aos movimentos contemporâneos. São Paulo: Companhia das Letras, 1992, p. 11-74.

BURKE, Peter. Testemunha ocular: história e imagem. Bauru: EDUSC, 2004.

CAMPO, Juan Eduardo. Orientalist representations of muslim domestic space in Egypt. Berkeley: Traditional Dwellings and Settlements Revie, Vol.3, number 1, Fall, p.29-42, 1991.

CURTIS, Michael. Orientalism and Islam. Thinkers on muslim government in the Middle East and India. New York: Cambridge University Press, 2009.

DENNY, Walter B. Quotations in and out of Context: Ottoman Turkish Art and European Orientalist Painting. Leiden: Muqarnas, Vol.10, p.219-230, 1993.

HEFFERNAN, Michael J. The desert in French orientalist painting during the nineteenth century. London: Landscape Research, 16:2, p.37-42, 1991.

MACFIE, Alexander Lyon. Orientalism. Londres: Person Education, 2002.

PANOFSKY, Erwin. Estudos de Iconologia. Lisboa: Estampa, 1986.

SAÏD, Edward. Cultura e Imperialismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2011

________. O Orientalismo: o oriente como invenção do ocidente. São Paulo: Companhia das letras, 2007.

SCHIOCCHET, Leonardo. Extremo Oriente Médio, admirável mundo novo: a construção do Oriente Médio e a Primavera Árabe. Rio de Janeiro: Tempo do Mundo, Volume 3, número 2, agosto, 2011.

SILVA, Leonardo Luiz Silveira da. A evidência de práticas orientalistas como instrumento do imperialismo no pós-11 de setembro. Belo Horizonte: Revista Geografias, nº 17, p.56-74, 2013.

_______. O embate entre Edward Said e Bernard Lewis no contexto da ressignificação do Orientalismo. Niterói: Revista Antropolítica. Número 40, 1º Semestre, p.280-306, 2016.

TAWADROS, Çeylan. Foreign bodies: Art history and the discourse of 19th-century orientalista art. Kingston: Third Text: 2:3-4, p.51-67, 1988.

TUAN, Yi-Fu. Topofilia. São Paulo: Difel, 1980.

WOODWARD, Michelle L. Between orientalist clichés and images of modernization. Filadélfia: History of Photography. 27:4, p.363-374, 2003.

Publicado
2020-12-15
Como Citar
Silva, L. L. S. da, & Passos, J. S. R. (2020). A interpretação dos dogmas orientalistas por intermédio das imagens. PROA Revista De Antropologia E Arte, 2(10), 38-59. Recuperado de https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/proa/article/view/3632
Seção
Artigos