Vidas tangentes

um “cotidiano contatado” como garantia para o isolamento

  • Amanda Villa Pereira Universidade Federal de São Carlos
Palavras-chave: Fotografia, Etnologia, Massaco, Isolamento

Resumo

O Estado possui meios legais para garantir a salvaguarda de povos indígenas em isolamento voluntário; em geral, a demarcação dos territórios que habitam e o estabelecimento de Frentes de Proteção Etnoambiental (FPE-Funai) constituem a ferramenta mais eficaz disponível. As dificuldades geográficas junto aos cortes orçamentários, contudo, enfraquecem o alcance dessas medidas, e as tornam insuficientes para conter a vulnerabilidade de tais grupos. Assim, a barreira protetiva constituída por povos indígenas vizinhos que mantêm contato com a sociedade envolvente vem ganhando destaque. Este ensaio pretende dar visibilidade ao contexto de entrecruzamento cotidiano – embora à distância – dos indígenas que habitam a Terra Indígena Rio Branco e aqueles que vivem em isolamento voluntário na Terra Indígena Massaco.

Biografia do Autor

Amanda Villa Pereira, Universidade Federal de São Carlos

Graduada em Ciências Sociais com habilitação em Antropologia pela Universidade Estadual de Campinas (IFCH-Unicamp), mestra pelo Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade Federal de São Carlos (PPGAS-UFSCar), e integrante do Laboratório de Etnologias Transespecíficas (LETS-UFSCar).

Referências

Caspar, Franz. 1958. Tupari: entre os índios, nas florestas brasileiras. São Paulo: Editora Melhoramentos.

Maldi, Denise. 1991. “O complexo cultural do marico: sociedades indígenas dos rios Branco, Colorado e Mequens, afluentes do médio Guaporé”. Em: Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, série Antropologia, v. 7, n. 2.

Pereira, Amanda V. 2018. Demarcando vestígios: definindo (o território de) indígenas em isolamento voluntário na Terra Indígena Massaco. Dissertação de mestrado defendida no Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da Universidade Federal de São Carlos.

Publicado
2019-12-15
Como Citar
Pereira, A. V. (2019). Vidas tangentes. PROA Revista De Antropologia E Arte, 2(9), 290 - 299. Recuperado de https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/proa/article/view/3626
Seção
Ensaios (Áudio) Visuais