Até quando Brasil?

perspectivas decoloniais para (re)pensar o ensino superior em música

  • Luis Ricardo Silva Queiroz Universidade Federal da Paraíba
Palavras-chave: Ensino superior em música, Decolonialidade, Formação musical

Resumo

A música no Brasil foi institucionalizada a partir de um intenso processo de colonização. Esse fato fez com que os currículos, conteúdos, objetivos e abordagens metodológicas, além de outros aspectos relacionados ao ensino e aprendizagem formal de música no país, fossem historicamente baseados em estratégias criadas para o ensino da música erudita ocidental do passado. Considerando tal contexto, este trabalho analisa a atual realidade da colonialidade na educação superior brasileira e propõe estratégias para, a partir desse panorama, incorporar perspectivas decoloniais para o ensino de música. As discussões aqui realizadas têm como suporte uma pesquisa qualitativa que contemplou dez importantes universidades do país na área de música, considerando na seleção dessas instituições, entre outros critérios, as singularidades de cada região brasileira. Os dados foram coletados a partir de pesquisa documental que proporcionou o acesso tanto aos projetos pedagógicos das universidades estudadas quanto a um conjunto vasto de documentos relacionados às propostas e estratégias de ensino de música nessas instituições. Os resultados mostraram que ainda há fortes traços de colonialidade nos cursos de graduação em música atualmente, com um amplo domínio da música erudita ocidental e a reprodução do modelo disciplinar como única alternativa de organização dos currículos. Fundamentado nas bases teóricas e nos dados empíricos analisados neste estudo, o texto apresenta diretrizes para pensar e implementar estratégias decoloniais para o ensino e aprendizagem da música na educação superior do Brasil. As reflexões apresentadas consideram que é preciso trabalhar brechas e rupturas decoloniais, principalmente por meio da ampliação dos conhecimentos musicais abordados e da incorporação de novas estratégias curriculares relacionadas às singularidades da música no país.

Biografia do Autor

Luis Ricardo Silva Queiroz, Universidade Federal da Paraíba

Doutor em Música (área de Etnomusicologia) pela Universidade Federal da Bahia (UFBA).  Professor Associado do Departamento de Educação Musical e do Programa de Pós-Graduação em Música (PPGM) da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

Referências

ARAÚJO, Samuel. A violência como conceito na pesquisa musical: reflexões sobre uma experiência dialógica na Maré. TRANS Revista Transcultural de Música. Rio de Janeiro, v. 10, p. 1-34, 2006.

AUGUSTO, Antonio. A civilização como missão: o Conservatório de Música no Império do Brasil. Revista Brasileira de Música, Rio de Janeiro, v. 23, n. 1, p. 67-91, 2010. Disponível em: <http://rbm.musica.ufrj.br/edicoes/rbm23-1/rbm23-1-04.pdf>. Acesso em: 27 mar 2019.

BLADE RUNNER. Direção: Ridley Scott. Produção: Michael Deeley. Intérpretes: Harrison Ford; Rutger Hauer; Sean Young; Edward Ward; James Olmos e outros. Roteiro: Hampton Fancher e David Peoples. Música: Vangelis. Los Angeles: Warner Brothers, c1991. 1 DVD (117MIN), Color. Produzido por Warner Video Home.

BOMFIM, Camila Carrascoza. A música orquestral, a metrópole e o mercado de trabalho: o declínio das orquestras profissionais subsidiadas por organismos públicos na Região Metropolitana de São Paulo de 2000 a 2016. 423f. 2017. Tese (Doutorado em Música) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2017. Disponível em: <https://repositorio.unesp.br/handle/11449/151581>. Accesso em 27 mar 2018.

BONILLA. Heraclio (Comp.). Los conquistados: 1492 y la población indígena de las Américas. Santafé de Bogotá: Tercer Mundo Editores, 1992.

BOWMAN, Wayne. Who is the “We”? Rethinking professionalism in music education. Action, Criticism,and Theory for Music Education. v. 6, n. 4, p. 109-131, dez. 2007. Disponível em: <http://act.maydaygroup.org/articles/Bowman6_4.pdf>. Acesso em 09 jun. 2018.

CAMPBELL, Patricia Shehan; MYERS, David; SARATH, Ed. Transforming music study from its foundations: a manifesto for progressive change in the undergraduate preparation of music majors (report of the task force on the undergraduate music major), 2014. The College Music Society: 2016.

CASTAGNA, Paulo. Música na América Portuguesa. In: MORAES, José Geraldo Vinci; SALIBA, Elias Thomé. (Org.). História e música no Brasil. São Paulo: Alameda, 2010. p. 35-76. Disponível em: <https://archive.org/details/MusicaNaAmericaPortuguesa>. Acesso em: 01 dez. 2017.

CONSERVATORY OF VIENNA. History of the Conservatory of Vienna. 2017. Disponível em: <https://www.gustav-mahler.eu/index.php/plaatsen/139-austria/vienna/1237-conservatory>. Acesso em: 03 dez. 2017.

ENCYCLOPEDIA BRITANNICA. Conservatory: Musical Institution. 2017. Disponível em: <https://www.britannica.com/art/conservatory-musical-institution>. Acesso em: 04 dez 2017.

HOLLER, Marcos Tadeu. Uma história de cantares de Sion na terra dos brasis: a música na atuação dos jesuítas na América Portuguesa (1549-1759). 949f. 2006. Tese (Doutorado em Música) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2006. Disponível em: <http://repositorio.unicamp.br/jspui/bitstream/REPOSIP/284801/1/Holler_MarcosTadeu_D.pdf>. Acesso em: 18 dez. 2017.

Kingsbury, Henry. Music, talent and performance: a conservatory cultural system. Philadelphia: Ternple University Press, 1988.

MALDONADO-TORRES, Nelson. Sobre la colonialidad del ser: contribuciones al desarrollo de un concepto. In: CASTRO-GÓMEZ, S.; GROSFOGUEL, R. (Org.) El giro decolonial: reflexiones para uma diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Universidad Javeriana-Instituto Pensar, Universidad Central-IESCO, Siglo del Hombre Editores, 2007. p. 127-167. Disponível em: <http://ram-wan.net/restrepo/decolonial/17-maldonado-colonialidad%20del%20ser.pdf>. Acesso em: 16 mar 2019.

MANGUEIRA, Estação Primeira. História pra ninar gente grande. Samba-henredo do carnaval de 2019 composto por Deivid Domênico; Tomaz Miranda; Mama; Marcio Bola; Ronie Oliveira; Danilo Firmino. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=7SObzDOug_A>. Acesso em: 26 mar 2019. Rio de Janeiro, 2019.

MIGNOLO, Walter D. Colonialidade: o lado mais escuro da modernidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais [online], v. 32, n. 94, p. 1-18, 2017. Disponível em:

<http://www.scielo.br/pdf/rbcsoc/v32n94/0102-6909-rbcsoc-3294022017.pdf>. Acesso em: 28 mar 2019.

MIGNOLO, Walter D. Preface to the 2012 edition. In: ______ (Ed.). Local histories/global designs in the twenty-first century. Princeton: Princeton University Press, 2012. p. ix- xxiii.

MOORE, Robin D. (Ed.). College music curricula for a new century. New York: Oxford Scholarship Online, 2017.

MORAÑA, Mabel; DUSSEL, Henrique; JÁUREGUI, Carlos A. Colonialism and its replicants. In: ______ (Ed.). Coloniality at large: Latin America and the postcolonial debate. Durham & London: Duke University Press, 2008. p. 1-20.

PECHMAN, Robert Moses. Cidades estreitamente vigiadas: o detetive e o urbanista. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2002.

QUEIROZ, Luis Ricardo S. Há diversidade(s) em música: reflexões para uma educação musical intercultural. In: SILVA, Helena Lopes da; ZILLE, José Antônio Baêta (Orgs.). Música e educação. Barbacena: EdUEMG, 2015. p. 197-215. (Série Diálogos com o Som, Ensaios, v. 2). Disponível em: <https://musicaeinclusao.files.wordpress.com/2015/09/livro-na-integra.pdf>. Acesso em: 13 fev 2019.

QUEIROZ, Luis Ricardo Silva. Formação intercultural em música: perspectivas para uma pedagogia do conflito e a erradicação de epistemicídios musicais. InterMeio: Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação, Campo Grande, v. 23, n. 45, p. 99-124, 2017a.

QUEIROZ, Luis Ricardo Silva. Traços de colonialidade na educação superior em música do Brasil: análises a partir de uma trajetória de epistemicídios musicais e exclusões. Revista da ABEM, Londrina, v. 25, n. 39, p. 132-159, 2017b.

QUIJANO, Aníbal. Coloniality and modernity/rationality. Cultural Studies, v. 21, n. 2-3, p. 168-178, 2007. Disponível em: Acesso em: <https://doi.org/10.1080/09502380601164353>. Acesso em 23 Mar 2019.

Publicado
2020-08-18
Como Citar
Queiroz, L. R. S. (2020). Até quando Brasil?. PROA Revista De Antropologia E Arte, 1(10), 153-199. Recuperado de https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/proa/article/view/3536