A presença da colonialidade na constituição de grades curriculares dos cursos de graduação em música de instituições de ensino superior da América Latina e Caribe

  • Juliane Cristina Larsen Universidade Federal da Integração Latino-Americana
  • Clarissa Lotufo de Souza Universidade Federal da Integração Latino-Americana
  • Liz Letícia Martinez Ramirez Universidade Federal da Integração Latino-Americana
Palavras-chave: América Latina, Colonialidade, Educação musical superior

Resumo

O presente artigo busca evidenciar a presença da colonialidade no ensino superior musical Latino Americano. Foram recolhidos dados de Universidades hispano-latino americanas e analisadas suas grades curriculares. Com base na análise, pode-se notar semelhanças entre estes cursos, que comprovam a perpetuação da colonialidade, como a reprodução naturalizada do saber musical eurocêntrico e a exclusão de outros saberes, e a implicitação da música erudita como meio pertinente de estudo e prática musical. Com base bibliográfica sobre decolonialidade e colonialidade, o artigo visa refletir como o ensino superior posiciona-se ao representar a educação musical, questionando a possibilidade de abertura à coexistência de diversas manifestações musicais no meio, partindo de um olhar decolonial.

Biografia do Autor

Juliane Cristina Larsen, Universidade Federal da Integração Latino-Americana

Professora Adjunta na Universidade Federal da Integração Latino-Americana (UNILA).

Clarissa Lotufo de Souza, Universidade Federal da Integração Latino-Americana

Graduação em andamento em Música pela Universidade Federal da Integração Latino-Americana.

Liz Letícia Martinez Ramirez, Universidade Federal da Integração Latino-Americana

Graduação em andamento em Música pela Universidade Federal da Integração Latino-Americana.

Referências

AHARONIÁN, C. Música, educación, sociedad. Conferência editada no 10º seminário do FLADEM, São Paulo, 2004.

ESPERIDIÃO, N. Educação profissional: reflexões sobre o currículo e a prática pedagógica dos conservatórios. Revista da ABEM, Porto Alegre, V. 7, 69-74, set. 2002.

GROSFOGUEL, R.; MIGNOLO, W. Intervenciones Descoloniales: una breve introducción. Tabula Rasa. Bogotá - Colombia, No.9: 29-37, julio-diciembre 2008.

QUIJANO, A. Colonialidad del poder, cultura y conocimiento en América Latina (Análisis). In: Ecuador Debate. Descentralización : entre lo global y lo local, Quito : CAAP, (no. 44, agosto 1998): pp. 227-238.

QUIJANO, A. Colonialidad del poder, eurocentrismo y América Latina. In: La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales. Perspectivas Latinoamericanas. Edgardo Lander (comp.) CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, Buenos Aires, Argentina. Julio de 2000. p. 246.

SHIFRES, F.; GONNET, D. (2015). Problematizando la herencia colonial en la educación musical. Epistemus, 3(2), 51-67.

SHIFRES, F,; ROSABAL-COTO, G. Hacia una educación musical decolonial en y desde Latinoamérica. RIEM, Revista Internacional de Educación Musical. 2017, Ed nº5, p. 85.

Publicado
2020-08-18
Como Citar
Larsen, J. C., Souza, C. L. de, & Martinez Ramirez, L. L. (2020). A presença da colonialidade na constituição de grades curriculares dos cursos de graduação em música de instituições de ensino superior da América Latina e Caribe. PROA Revista De Antropologia E Arte, 1(10), 122-152. Recuperado de https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/proa/article/view/3460