Música experimental, técnicas estendidas e práticas criativas como ferramentas decoloniais

um relato de várias torções e tensões

Palavras-chave: Decolonialidade, Música contemporânea, Modernidade, Improvisação, Técnicas estendidas

Resumo

Conjugar a teoria decolonial com práticas musicais no campo do que é geralmente significado como “música contemporânea” ou “experimental” não é tarefa fácil. Na introdução ao artigo, apresentamos o problema da ação ambivalente do significante “modernidade”, ou seja, um sinônimo de libertação para estéticas musicais envolvidas na experimentação, e um sinônimo de colonialidade para a teoria decolonial. A partir desta contradição fundamental e dos paradoxos que brotam dela, apresentamos os nossos esforços ao longo de dois eixos principais: um eixo performático, preocupado com aspetos práticos e teóricos das técnicas estendidas; e um eixo criativo, envolvido na atividade da composição. Finalmente, indicamos uma forma de síntese dos dois eixos nas nossas atividades improvisativas, junto ao Grupo de Improvisação Livre (G.I.L.), e refletimos sobre a irredutibilidade das contradições envolvidas nas nossas ações.

Biografia do Autor

Marcello Messina, Universidade Federal da Paraíba

Doutorado em Composição Musical pela Universidade de Leeds. Professor da Universidade Federal da Paraíba. 

Carlos Mario Gómez Mejía, Universidade Federal da Paraíba

Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Música da Universidade Federal da Paraíba.

Leonardo Vieira Feichas, Universidade Nova de Lisboa

Doutorando em Música pela Universidade Nova de Lisboa e Universidade Estadual de Campinas (Cotutela).

Carlos Eduardo da Silva, Universidade Federal do Acre

Mestrando em Educação pela Universidade Federal do Acre. Professor Substituto de Educação Musical da Universidade Federal do Acre.

 

Arthur José de Souza Martins, Universidade Federal do Acre

Graduando em Música pela Universidade Federal do Acre.

Referências

ALVES, Maria Thereza. Colonialismo no Brasil desde 1500… Muiraquitã, vol. 6, n. 1, pp. 26-40.

AMADIO, Ligia. Koellreutter: um caminho ruma à estética relativista do impreciso e paradoxal. Dissertação de mestrado. Curso de mestrado em Artes do Instituto de Artes da Unicamp, Campinas, SP, 1999.

ANDRADE, Oswald. “Manifesto Antropofágico”. Revista de Antropofagia, Ano 1, No. 1, maio de 1928. Disponível em: http://www.ufrgs.br/cdrom/oandrade/oandrade.pdf acesso em 10 de janeiro, 2019

AUGUSTO, Antonio. A civilização como missão: o Conservatório de Música no Império do Brasil. Revista Brasileira de Música, Rio de Janeiro, v. 23, n. 1, p. 67-91, 2010. Disponível em: http://rbm.musica.ufrj.br/ edicoes/rbm23-1/rbm23-1-04.pdf. Acesso em 02 de Janeiro. 2019.

BOULEZ, Pierre. Schönberg está morto. In: ASSIS, Paulo de (org.) Pierre Boulez: Escritos Seletos. Porto: Casa da Música, 2012 [1951], pp. 37-44.

CAGE, John. O futuro da música: Credo. Trad. ZEYTOUNLIAN, Willian; BOGOSSIAN, Gabriel, 2011 [1937]. Disponível em http://cagechancechange.blogspot.com/2011/03/o-futuro-da-musica-credo.html, acesso em 28 de fevereiro, 2019

CARNEIRO, Michael George Costa. Espaço, singularidades e memória Guarani Mbyá. Gramma, 2017.

CROFT, J. Composition is not research. Tempo, vol. 69, n. 272, p. 6-11, 2015.

DAUMAS, Daniel. Descolonizando a banda de música: epistemologia, tradição e práxis sonora. DEBATES-Cadernos do Programa de Pós-Graduação em Música n. 19. p. 20-37. 2017.

DUSSEL, Enrique. Europa, modernidade e eurocentrismo. In LANDER, Edgardo (org.) A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas

latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005, pp. 25-34.

DUSSEL, Enrique. 1492: o encobrimento do Outro (a origem do mito da modernidade). Petrópolis: Vozes, 1993.

FEICHAS, Leonardo Vieira; KELLER, Damián; SILVA, Carlos Eduardo da; SILVA, Marxson Henrique da. Sons biofônicos e criação musical: Estudo exploratório dos fatores criativos utilizando emulações instrumentais de sons cotidianos. In: CORDEIRO, Emanuel; KELLER, Damián; MESSINA, Marcello; SILVA, Jefferson Tiago de Souza Mendes da, BENETTI, Gustavo Frosi. SIMA 2017: Anais do VI Simpósio Internacional de Música na Amazônia. Boa Vista: Editora da Universidade Federal de Roraima, 2017, pp. 363-374.

FEICHAS, Leonardo Vieira. O Papel do Instrumentista na Performance Musical: um estudo sobre o “Prelúdio XIV – A Porteira da Fazenda” de Flausino Valle. Ensaio: Revista Cultural do Conservatório de Tatuí, vol. 8, n. 73, março/abril 2012.

GROSFOGUEL, Ramón. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. Revista crítica de ciências sociais, 2008, n. 80, pp. 115-147.

HABERMAS, Jürge. Modernity versus postmodernity. Trad. BEN-HABIB, Seyla. New German Critique, 1981, 22: 3-14.

HELLAWELL, Piers. Treating Composers as Researchers is Bonkers, Standpoint, maio 2014, disponível em http://standpointmag.co.uk/critique-may-14-treating-composers-as-researchers-bonkerspiers-hellawell acesso em 26 de fevereiro, 2019.

KATER, Carlos Elias. Música Viva e H. J. Koellreutter: movimentos em direção à modernidade. São Paulo: Musa Editora: Atravez, 2001.

KOELLREUTTER, Hans-Joachim. Wu-li: um ensaio de música experimental. Estudos Avançados, 1990, vol. 4, n. 10, pp. 203-208.

KOLKER, Diana. Mediadores Culturais Indígenas: Aproximações com Ensino em Artes na Ação Educativa do Projeto Séculos Indígenas no Brasil. Seminário Nacional de Arte e Educação, 2012, 23: P. 139-144.

LANDER, Edgardo (Org), A Colonialidade do Saber: Eurocentrismo e Ciências Sociais. Perspectivas Latino-Americanas. Buenos Aires, CLACSO, 2005.

MARTINS, Arthur José de Souza; ARAÚJO, João Paulo de Souza. Sessões Musicais: Um Mergulho na Improvisação Livre. In: Anais do X Simpósio Linguagens e Identidades da/na Amazônia Sul-Ocidental. Rio Branco: Nepan, 2016. Disponível em: http://revistas.ufac.br/revista/index.php/simposioufac/article/viewFile/864/461 acesso em 28 de fevereiro de 2019

MESSINA, Marcello. "A Mattanza": criação musical, estratificação de significação, relações de poder e codificação da violência. In: Anais do X Simpósio Linguagens e Identidades da/na Amazônia Sul-Ocidental. Rio Branco: Nepan, 2016. Disponível em: http://revistas.ufac.br/revista/index.php/simposioufac/article/view/867/464 acesso em 28 de fevereiro de 2019

MESSINA, Marcello; DI SOMMA, Teresa. Ocidente In. ALBUQUERQUE, G.; PACHECO, A. (org.). Uwa’kürü – dicionário analítico: volume 2. Rio Branco: Nepan Editora, 2017, pp. 272 – 286

MIGNOLO, Walter. Epistemic Disobedience, Independent Thought and Decolonial Freedom. Theory, Culture & Society, v. 26, n. 7-8, p. 159-181, 2009.

NATTIEZ, Jean-Jacques. O desconforto da musicologia. Per Musi, 2005, vol. 11, pp. 5-18.

NONO, Luigi. La nostalgia del futuro: scritti scelti 1948-1986. Milano: Il saggiatore, 2007.

NONO, Luigi. Luigi Nono: Escritos e Entrevistas. Org. ASSIS, Paulo de. Porto: Casa da Música, 2014, pp. 150-153.

PADOVANI, José Henrique; FERRAZ, Silvio. Proto-história, evolução e situação atual das técnicas estendidas na criação musical e na performance. Revista Música Hodie, vol. 11, n. 2, p. 11-25, 2011.

PAZIANI, Danilo Ribeiro. O Ensino coletivo de contrabaixo acústico: a vivência de processos criativos com alunos do Projeto Guri/Ribeirão Preto e a ideia de experiência de Jorge Larrosa. Dissertacao, Universidade Estadual Paulista, Sao Paulo. 2017. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/handle/11449/151995. Aceso em 14 de Janeiro, 2019.

PELÚCIO, L. Traduções e torções ou o que se quer dizer quando dizemos queer no Brasil? In Revista Periódicus, vol. 1, n. 1, 2014, pp. 68-91.

PICCHI, Achille; DE SOUZA, Iracele Vera Livero. Koellreutter e Guarnieri: aproximações e afastamentos entre dois polos. DAPesquisa, 2018, v. 7, n. 9, pp. 366-379.

QUEIROZ, Luis Ricardo Silva. Formação intercultural em música: perspectivas para uma pedagogia do conflito e a erradicação de epistemicidíos musicais. InterMeio: Revista do Programa de Pós-Graduação em Educação, Campo Grande, v. 23, n. 45, p. 99-124, 2017.

QUEIROZ, Luis Ricardo Silva. Traços de colonialidade na educação superior em música do Brasil: análises a partir de uma trajetória de epistemicidíos musicais e exclusões. Revista da Abem, Londrina, v.25, n.39, p. 132-159, jul.dez. 2017

RAY, Sonia. Editorial. Revista Música Hodie, Goiânia, v.11, n.2, 2011.

REDHEAD, Lauren. Is Composition Research?, 17 de janeiro, 2012, disponível em http://weblog.laurenredhead.eu/post/16023387444/is-composition-research#disqus_thread, acesso em 15 de fevereiro, 2019.

REDHEAD, Lauren. “New music” as patriarchal category. In HAWORTH, Catherine; COLTON, Lisa (orgs.) Gender, Age and Musical Creativity. Farnham, England; Burlington, VT: Ashgate, 2015, pp. 171-184.

RIBEIRO, Guilherme; FERRAZ, Silvio. Guero: música concreta instrumental e direcionalidade na peça-estudo para piano de Helmut Lachenmann. Revista Vórtex, vol. 5, n. 1, 2017.

ROSA, Alexandre Silva. Técnicas estendidas do contrabaixo no Brasil: revisão de literatura, performance e ensino. São Paulo: Editora Unesp, 2014. ISBN 9788568334287 Disponível em: http://hdl.handle.net/11449/113733. acesso em 10 de Janeiro, 2019.

SANTOS, Boaventura de Sousa. La globalización del derecho: los nuevos caminos de la regulación y la emancipación. ILSA, universidad nacional de Colombia. 1998, Bogota

SILVA, Carlos Eduardo. Estética Modernista, Crítica Decolonial e Criação Musical: Hans-Joachim Koellreutter, Enrique Dussel e Minha Prática Compositiva. Trabalho de Conclusão de Curso. Rio Branco: Universidade Federal do Acre, 2018.

SISKIND, Mariano. Cosmopolitan desires: global modernity and world literature in Latin America. Evanston: Northwestern University Press, 2014.

STOCKHAUSEN, Karlheinz. Intervista sul genio musicale. Org. TANNENBAUM, Mya. Bari: Laterza, 1985.

TOFFOLO, Rael. Considerações sobre a técnica estendida na performance e composição musical. In: CONGRESSO DA ANPPOM, 20., Florianópolis, 2010. p. 1280 - 1285.

Publicado
2020-08-18
Como Citar
Messina, M., Gómez Mejía, C. M., Feichas, L. V., Silva, C. E. da, & Martins, A. J. de S. (2020). Música experimental, técnicas estendidas e práticas criativas como ferramentas decoloniais. PROA Revista De Antropologia E Arte, 1(10), 101-121. Recuperado de https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/proa/article/view/3459