Uma etnografia dos espaços musicais ou

o que as lojas de instrumentos permitem pensar?

  • Mateus Marcílio de Oliveira Museu Nacional - Universidade Federal do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Organologia, Materialidade, Espacialidade

Resumo

O presente artigo propõe analisar algumas das trajetórias e caminhos de circulação possíveis de instrumentos musicais. O escrutínio de sua vida social como mercadoria nos diferentes regimes conduzidos pelas lojas de música também levará em conta o modo como se dão as tecnicalidades e condutas específicas relacionadas a esses espaços. Para tanto, reúno alguns referenciais da antropologia da música e museologia para apresentar espaços, etapas técnicas e relacionais ligadas aos processos de exibição e comercialização destes objetos. Argumento que, quando atentamos aos processos supracitados, engendrados em uma loja de instrumentos musicais, os observamos também como pontos nodais de extensas políticas de valoração, autenticidade e sonoridade que se refletem nas tecnicalidades concernentes à sua organização volumétrica e espacial.

Biografia do Autor

Mateus Marcílio de Oliveira, Museu Nacional - Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutorando e Mestre em Antropologia Social pelo Programa de Pós-graduação em Antropologia Social (PPGAS) - Museu Nacional/UFRJ, graduado em ciências sociais pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

Referências

APPADURAI, Arjun. Introdução: Mercadorias e Política do Valor. In: APPADURAI, A (org). A Vida Social das Coisas: As mercadorias sob uma perspectiva cultural. Niterói: Eduff, 2008. p. 15-88.

BATES, Elliot. The Social Life of Musical Instruments. Ethnomusicolgy, Cornell University Press, Nova Iorque, v. 56, n. 3, 2012. p. 363-395.

BENNET, Tony. The Birth of the Museum: History, Theory, Politics (Culture: Policy and Politics). 1. Ed. Londres: Routledge, 1995.

BOURDIEU, Pierre. The historical genesis of a pure aesthetic. Journal of Aesthetics and Art Criticism, n. 46. Pensilvânia, 1987.

DAWE, Kevin. The Cultural Study of Musical Instruments. In: The Cultural Study of Music, Nova Iorque/Londres, 2003. p. 274-284.

_________. Guitar Ethnographies: Performance, Technology and Material Culture. Ethnomusicology Forum, vol: 22, n.1, p. 1-25, 2013.

ELIAS, Norbert. Estruturas de habitação como indicadores de estruturas sociais. In_______. A Sociedade de Corte: Investigação sobre a sociologia da realeza e da aristocracia da corte. Rio de Janeiro: Zahar, 2001, p. 66-84.

FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

GEERTZ, Clifford. Afirmação política: espetáculo e cerimônia. In: ________. Negara. Lisboa: Difel, 1991, pp.127-152.

GELL, Alfred. Art and agency. Londres: Claredon Press, 1998.

MAUSS, Marcel. Ensaio sobre a dádiva: Forma e Razão da troca nas sociedades arcaicas. In: _____. Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosac Naify, 2003. p. 185-318.

______________. Ensaio sobre as variações sazonais das sociedades esquimós. In: ______. Sociologia e antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2003. p.425-505,

OLIVEIRA, Mateus Marcílio. Os Instrumentos Musicais Vintage: discussões iniciais sobre organologia, agência e políticas do valor. Encontro Nacional da Associação Brasileira de Etnomusicologia, 8., 2017. Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO).

________________. Por detrás do som: Criação, circulação e os usos dos cordofones elétricos. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio de Janeiro (PPGAS/MN/UFRJ), Brasil, 2018.

POMIAN, Krzyzstof. Collectors and Curiosities. Paris and Venice, 1500-1800. Londres: Cambridge Press, 1990.

Publicado
2019-12-15
Como Citar
Oliveira, M. M. de. (2019). Uma etnografia dos espaços musicais ou. PROA Revista De Antropologia E Arte, 2(9), 166 - 188. Recuperado de https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/proa/article/view/3350