Coisa de Congada: um relato a dez mãos

Resumo

Chegamos em Aparecida, São Paulo, no dia 22 de abril de 2017. Sabíamos muito pouco, ou quase nada, do encontro de Congadas e da Festa de São Benedito, que já estava em sua 108ª edição. O desafio de realizar uma etnografia conjunta deste evento – com um grupo de antropólogos (e amigos), com afinidades em comum, mas que estudam temas tão diversos como música popular,  xamanismo, políticas públicas e catolicismo – foi o que mais nos motivou a encarar tal empreitada (que se revelaria muito mais cansativa do que  poderíamos imaginar). Múltiplos olhares, múltiplas perspectivas, nenhum “especialista”. 
Nós, os antropólogos, éramos um grupo de seis pessoas: quatro doutorandos1 do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, um pesquisador de pós-doutorado do Departamento de Antropologia e uma graduanda em Ciências Sociais, todos da Universidade Estadual de Campinas, dos quais quatro são membros do Laboratório de Antropologia da Religião (LAR - IFCH/Unicamp), e dois membros do Ateliê de Produção Simbólica e Antropologia (APSA - IFCH/Unicamp). Não éramos os únicos pesquisadores no evento. Algumas pessoas com as quais conversamos logo que chegamos disseram estar trabalhando em pesquisas do IPHAN, outras trabalhavam com mídia, música ou cinema e estavam ali também com o intuito de estudar aquela manifestação cultural.

Biografia do Autor

Adriano Santos Godoy

Doutorando em Antropologia Social pela Universidade Estadual de Campinas. Pesquisador Visitante na Universiteit Utrecht e pesquisador do Laboratório de Antropologia da Religião

Lis Furlani Blanco

Doutoranda em Antropologia Social pela Universidade Estadual de Campinas. Pesquisadora Visitante na University of California – Berkeley e pesquisadora do Ateliê de Produção Simbólica e Antropologia

Mariana de Carvalho Ilheo

Mestranda em Antropologia Social pela Universidade Estadual de Campinas e pesquisadora do Laboratório de Antropologia da Religião

Rafael Nascimento César, Universidade Estadual de Campinas

Doutorando em Antropologia Social pela Universidade Estadual de Campinas. Pesquisador Visitante na University of Illinois e pesquisador do Ateliê de Produção Simbólica e Antropologia

Rodrigo Iamarino Caravita

Doutorando em Antropologia Social pela Universidade Estadual de Campinas. Pesquisador Visitante no Centro de Investigaciones y Estudios Superiores en Antropología Social e pesquisador do Laboratório de Antropologia da Religião

Referências

APPADURAI, Arjun. Introdução: Mercadorias e a política de valor. In: A vida social das coisas, as mercadorias sob uma perspectiva cultural. Niterói: EDUFF, 2008.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. A festa de santo de preto. Rio de Janeiro, RJ: FUNARTE/Instituto Nacional do Folclore., 1985.

CÂMARA CASCUDO, Luís da. Dicionário do Folclore Brasileiro. Rio de Janeiro: MEC – Instituto Nacional do Livro, 1954.

CARNEIRO, Edison. Dinâmica do folclore. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1965.

CARNEIRO DA CUNHA, Manuela. Cultura com aspas: e outros ensaios. São Paulo: Cosac Naify, 2009.

FAVRET-SAADA, Jeanne. “Être Afecté”. In: Gradhiva: Revue d’Histoire et d’Archives de l’Anthropologie, n. 8, pp. 3-9, 1990. Tradução disponível em: https://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/viewFile/50263/54376

FERNANDES, Rubem César. Os Cavaleiros do Bom Jesus. Uma introdução às religiões populares. São Paulo: Brasiliense, 1981.

GOLDMAN, Marcio. “Os tambores dos mortos e os tambores dos vivos. Etnografia, antropologia e política em Ilhéus, Bahia”. Revista de Antropologia, n. 46 (2), p. 445–76, 2003.

______. “Os tambores do antropólogo: antropologia pós-social e etnografia”. Ponto Urbe, n. 3 (julho). Núcleo de Antropologia Urbana, 2008. Disponível em: http://pontourbe.revues.org/1750

KOPYTOFF, Igor. A biografia cultural das coisas: a mercantilização como processo. In: APPADURAI, Arjun (Org.). A vida social das coisas: as mercadorias sob uma perspectiva cultural. Niterói: Editora da Universidade Federal Fluminense, p. 89-123, 2008.

MAUSS, Marcel. Ensaio sobre a dádiva. In: Sociologia e antropologia. 1923–24. São Paulo: Cosac Naify, 2003.

MENEZES, Renata de Castro. A imagem sagrada na era da reprodutibilidade técnica: sobre santinhos. Horiz. antropol., Porto Alegre , v. 17, n. 36, p. 43-65, 2011.

MEYER, Birgit. How to capture the ‘wow’: R. R. Marett’s notion of awe and the study of religion. Journal of the Royal Anthropological Institute, v. 22, p.7-26, 2016.

MORGAN, David. Religion and Material Culture: the matter of belief. London: Routledge, 2011.

RIBEIRO, Magda dos Santos. Por uma biografia das coisas: a vida social das marcas Havaianas e a invenção da brasilidade. Etnográfica ,v.17, 2013.

SILVA, Cristina Schmidt. Viva São Benedito! Festa popular e turismo religioso em tempo de globalização. Aparecida, SP: Editora Santuário, 2000.

STEIL, Carlos Alberto. O Sertão das Romarias: um estudo antropológico sobre o Santuário de Bom Jesus da Lapa – Bahia. Petrópolis: Vozes, 1996.

STOLLER, Paul. The Taste of Ethnographic Things: The Senses in Anthropology. Philadelphia: University of Pennsylvania Press, 1989.

TURNER, Victor. Dramas, Campos e Metáforas: ação simbólica na sociedade humana. Niterói: EdUFF, 2008.

Publicado
2018-12-15
Como Citar
Godoy, A. S., Blanco, L. F., Ilheo, M. de C., César, R. N., & Caravita, R. I. (2018). Coisa de Congada: um relato a dez mãos. PROA Revista De Antropologia E Arte, 2(8), 233-255. Recuperado de https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/proa/article/view/3311
Seção
Relatos e Experiências