Deslocamentos nA cidade sitiada

Palavras-chave: Clarice Lispector, Gênero, Cidade, Domesticidade

Resumo

Escrito em Berna, Suíça, o romance A cidade sitiada (1949) de Clarice Lispector comenta e dá sentido a certos aspectos da modernização brasileira. Sua narrativa entrelaça a passagem tortuosa e ambígua de S. Geraldo de subúrbio à metrópole com as mudanças na vida da protagonista, Lucrécia Neves, e na dos homens com quem se relaciona: Felipe, Perseu, Mateus Correia e Lucas. Ao focar nesse entrelaçamento, a autora reflete e encena a formação de uma nova ordem social e os conflitos de gênero dela decorrentes. Conflitos estes que aproximam Lucrécia Neves de outras personagens e da vivência da própria autora, iluminando transformações nos modos de estar na cidade e nos ideais de domesticidade entre os anos 1940 e 1960.

Biografia do Autor

Joana Mello de Carvalho e Silva, Universidade de São Paulo

Professora da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP, onde desenvolve a pesquisa "O avesso da arquitetura moderna: domesticidade e formas de morar na habitação privada brasileira 1940-1960". É autora dos livros Ricardo Severo: da arqueologia portuguesa à arquitetura brasileira (Annablume/Fapesp, 2005) e O arquiteto e a produção da cidade: a experiência de Jacque Pilon, 1930-1960 (Annablume/ Fapesp, 2012) e uma das organizadoras do livro Domesticidade, gênero e cultura material (CPC/ EDUSP, 2017).

Referências

ARÊAS, Vilma. Clarice Lispector com a ponta dos dedos. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

BEGUIN, François. As maquinarias inglesas do conforto. Espaço e Debates, São Paulo, ano 11, n. 34, p. 39-5, quadrimestral, 1991.

BERMAN, Marshall. Tudo o que é sólido desmancha no ar: aventura da modernidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1986.

BESSE, Susan K. Modernizando a desigualdade: reestruturação da ideologia de gênero no Brasil, 1914-1940. São Paulo: Edusp, 1999.

MARQUES, Deborah Caramel. Mobiliário doméstico e apropriações do moderno: a divulgação dos interiores residenciais nos periódicos especializados e ilustrados (1930-1955). Dissertação (Mestrado em História Social) – Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, Universidade de São Paulo, 2018.

CARVALHO, Vânia Carneiro de. Gênero e artefato: o sistema doméstico na perspectiva da cultura material – São Paulo, 1870-1920. São Paulo: Edusp/ Fapesp, 2008.

___________. As esculturas inspiradas na vida galante: um exercício de análise. In: NASCIMENTO, Flávia Brito do; SILVA, Joana Mello de Carvalho e; LIRA, José Tavares Correia de; RUBINO, Silvana Barbosa (Orgs.). Domesticidade, Gênero e Cultura Material. São Paulo: Edusp, 2017, p. 253-273.

CASTRO, Ana Claudia Veiga de. Figurações da cidade: um olhar para a literatura como fonte da história urbana. Anais do Museu Paulista. São Paulo, n. Sér. V. 24, n. 3, pp. 99-120, set.-dez. 2016.

CORREIA, Telma de Barro. A construção do habitat moderno no Brasil – 1870-1950. São Carlos: RiMa, 2004.

COSTA, Tatiane Dias. Domesticidade e arquitetura moderna nos manuais de dona de casa e de etiqueta. Relatório Final de Iniciação Científica, Programa de Iniciação Científica – CPq | FUPAM (11/2014 a 10/2015), FAUUSP, 2015.

D’INCAO, Maria Ângela. Mulher e família burguesa. In: DEL PRIORE, Mary (org.). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2000, p. 223-240.

FERNANDES, Beatriz dos Santos Alves Ventura. Mulher, cidade e arquitetura nas reportagens de O Cruzeiro. In: IC SIINCUSP 2016: trabalhados selecionados para a etapa internacional do 23o. Simpósio Internacional de Iniciação Científica/ organização Leandro Silva Medrano. São Paulo: FAUUSP, 2017.

GOTLIB, Nádia Battella. Clarice Lispector – cronologia. Instituto Moreira Sales. Disponível em: https://claricelispectorims.com.br/vida/. Acesso em: abril 2017.

HOMEM, Maria Cecília Naclério. O palacete paulistano e outras formas urbanas de morar da elite cafeeira: 1867-1918. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010.

LISPECTOR, Clarice. Perto do coração selvagem [1943]. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980.

___________. O lustre [1946]. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1992.

___________. A cidade sitiada [1949]. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

___________. Laços de família [1960]. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1977.

___________. A paixão segundo G.H. Rio de Janeiro: Rocco, 1998.

__________. Minhas queridas. Rio de Janeiro: Rocco, 2007.

___________. Clarice na cabeceira: jornalismo/Clarice Lispector; organização e apresentação de Aparecida Maria Nunes. Rio de Janeiro: Record, 2012.

MAGRIS, Claudio, O romance é concebível sem o mundo moderno?. In: MORETTI, Franco (Org.). A cultura do romance. Tradução de Denise Bottman. São Paulo: Cosac Naify, 2009. p. 999-1028.

MALTA, Marize. O olhar decorativo: ambientes domésticos em fins do século XIX no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Mauad X e Faperj, 2011.

MARINS, Paulo César Garcez. Habitação e vizinhança – limites da privacidade no surgimento das metrópoles brasileiras. In: SEVCENKO, Nicolau (Org. do volume); NOVAIS, Fernando A. (Coord. da coleção). História da vida privada no Brasil, v. 3 (Da Belle Époque à Era do Rádio). 1. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1998, p. 131-214.

MONTEIRO, Teresa (Org.). Correspondências. Rio de Janeiro: Rocco, 2002.

MOSER, Benjamin. Clarice,. São Paulo: Cosac Naify, 2011.

NUNES, Aparecida Maria. Clarice Lispector jornalista: páginas femininas & outras páginas. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2006.

_______. Correio feminino. Rio de Janeiro: Rocco, 2006.

NUNES, Benedito. O drama da linguagem: uma leitura de Clarice Lispector. São Paulo: Editora Ática, 1995.

OLIVEIRA, Solange Ribeiro de. “O seco e o molhado: a transubstanciação do regional no romance de Clarice Lispector”. Travessia 14. Florianópolis, UFSC, 1987.

____________.“Rumo à Eva do future: a mulher no romance de Clarice Lispector”. Remate de Males, n. 9, 1989, p. 95-105. Org. de Vilma Arêas e Berta Waldman. Instituto de Estudos da Linguagem da Unicamp.

PINSKY, Carla Bassanezi. Mulheres dos anos dourados. São Paulo: Contexto, 2014.

SABINO, Fernando. Cartas perto do coração/ Fernando Sabino, Clarice Lispector. Rio de Janeiro: Record, 2011.

SILVA, Joana Mello de Carvalho e. O arquiteto e a produção da cidade: a experiência de Jacques Pilono, 1930-1960. São Paulo: Annablume/ Fapesp, 2010.

__________. Gênero e domesticidade pelas colunas femininas de Clarice Lispector. In: NASCIMENTO, Flávia Brito do; SILVA, Joana Mello de Carvalho e; LIRA, José Tavares Correia de; RUBINO, Silvana Barbosa (Orgs.). Domesticidade, Gênero e Cultura Material. São Paulo: Edusp, 2017, p. 343-367.

SILVA, Joana Mello de Carvalho e; FERREIRA, Pedro Beresin Schleder. Os sentidos do morar em três atos: representação, conforto e privacidade. PÓS – Revista do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo, v. 24, n. 44, p. 68-87, set.-dez. 2017. Disponível em: < https://doi.org/10.11606/issn.2317-2762.v24i44p68-87>. Acesso em: janeiro 2018.

QUINTANEIRO, Tania. Retratos de Mulher: o cotidiano feminino no Brasil sob o olhar de viageiros do século XIX. Petrópolis: Vozes, 1996.

WALDMAN, Berta. Clarice Lispector. São Paulo: Brasiliense, 1983.

WISNIK, José Miguel. A matéria Clarice. São Paulo: Instituto Moreira Salles, 2011. Disponível em:< https://claricelispectorims.com.br/as-aulas/a-materia-clarice/>. Acesso em: abril 2017.

WILLIAMS, Raymond. Culture and society. London, Chatto and Windus, 1958.

__________. Palavras-chave: um vocabulário de cultura e sociedade. São Paulo: Boitempo, 2007.

__________. O campo e a cidade na história e na literatura, São Paulo: Cia das Letras, 2011.

Publicado
2019-12-15
Como Citar
Mello de Carvalho e Silva, J. (2019). Deslocamentos nA cidade sitiada. PROA Revista De Antropologia E Arte, 2(9), 47 - 63. Recuperado de https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/proa/article/view/3243