Quando devoção e carnaval se encontram

Palavras-chave: Devoção, Carnaval, Arte, Cultura, Etnografia

Resumo

A partir de experiências etnográficas com enredos de escolas de samba do Rio de Janeiro que contêm referências religiosas, este artigo tem por objetivo apontar possibilidades de articulação entre festa, arte, cultura e religião. Toma-se por base o acompanhamento dos desfiles da Renascer de Jacarepaguá, em 2016, em homenagem aos Ibeijis, santos e orixás gêmeos, e da Estação Primeira de Mangueira, em 2017, com um enredo que tratava das relações entre santos e devotos. As etnografias foram realizadas de forma coletiva por membros do Grupo de Pesquisa em Antropologia da Devoção do Museu Nacional/UFRJ, que partiram de um repertório acumulado de discussões na área da “antropologia da devoção” e no estudo das religiões ou das festas religiosas stricto sensu. Porém, o processo de aproximação ao universo das escolas de samba produziu uma abertura de horizontes, provocada pela experiência de abordar a religião como temática carnavalesca. São as descobertas e os impasses dessa mudança de contexto em um percurso de pesquisas que procuraremos explorar aqui.

Apresentação em vídeo: https://youtu.be/uDLKJcDKpgM

Biografia do Autor

Renata Menezes, Museu Nacional - Universidade Federal do Rio de Janeiro

Professora Associada do Departamento de Antropologia do Museu Nacional - Universidade Federal do Rio de Janeiro. Pesquisadora do CNPq. 

 

Lucas Bártolo, Museu Nacional - Universidade Federal do Rio de Janeiro

Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social - MN/UFRJ

Referências

APPADURAI, Arjun. The social life of things. Cambridge: Cambridge University Press, 1990.

ARRUDA, Bianca. As sagas de Jorge: festa, devoção e simbolismo. Rio de Janeiro: UFRJ, PPGAS/MN, 2008. Dissertação (mestrado em Antropologia Social).

AUGRAS, Monique. O Brasil do samba-enredo. Rio de Janeiro: Editora Fundação Getúlio Vargas, 1998.

______. Imaginário da magia, magia do Imaginário. Petrópolis: Vozes, Rio de Janeiro: PUC-Rio, 2009.

BANDEIRA DE MELO, Olívia. O mundo da música gospel entre o sagrado e o secular: disputas e negociações em torno da identidade evangélica. Rio de Janeiro: UFRJ, PPGSA/IFCS, 2017. Tese (Doutorado em Sociologia e Antropologia).

BÁRTOLO, Lucas. O enredo de Cosme e Damião no carnaval carioca. Rio de Janeiro: UFRJ, PPGAS/MN, 2018. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social).

______. Entre a caridade, a diversão e o medo: o dia de Cosme e Damião em uma vila do subúrbio carioca. Revista Intratextos, v. 9, 2018, pp. 146-168.

BAKHTIN, Mikhail. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. São Paulo: Hucitec, Brasília: Ed. UnB, 1987.

BAKHTIN, Mikhail. Carnival and the Carnivalesque. In: STOREY, John. Cultural Theory and Popular Culture: A Reader. Georgia: University of Georgia Press, 1997, p. 250-259.

BAROJA, Júlio Caro. Le carnaval. Paris: Gallimard, 1979.

BIRMAN, Patrícia. Feitiço, carrego e olho grande, os males do Brasil são: estudo de um centro umbandista numa favela do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: PPGAS/MN/UFRJ, 1980. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social).

CASCUDO, Luís da Câmara. Dicionário de folclore brasileiro. Rio de Janeiro: Ediouro, 1999.

CAVALCANTI, Alcyr Mesquita. Samba, Jogo do Bicho e Narcotráfico: a rede de relações que se forma na quadra de uma escola de samba em uma favela do Rio de Janeiro. (Dissertação Mestrado em Antropologia). Programa de Pós-graduação em Antropologia, Universidade Federal Fluminente, Niterói, 2001.

CAVALCANTI, Maria Laura V. C. Carnaval carioca: dos bastidores ao desfile. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2006.

______. O Mecenato do Jogo do Bicho no Carnaval Carioca. In: KOMINSKY, Ethel Volfzon (Org.). Agruras e Prazeres de uma pesquisadora: ensaios sobre a Sociologia de Maria Isaura Pereira de Queiroz. São Paulo: UNESP, 1999, pp. 267-278.

CERTEAU, Michel de "Uma variante: a edificação hagio-gráfica". In: _____. A Escrita da História. 2a. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2002, pp. 266-278.

CHINELLI, Filippina; SILVA, Luiz Antonio Machado da. O vazio da ordem: relações políticas e organizacionais entre as Escolas de Samba e o jogo do bicho. Revista do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, v. 1, n.1, 1993, p. 42-52.

FERREIRA, Felipe. Inventando carnavais: o surgimento do Carnaval carioca no século XIX e outras questões carnavalescas. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2005.

FREITAS, Morena B. M. de. De doces e crianças: a festa de Cosme e Damião no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: UFRJ, PPGAS/MN, 2015. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social).

______. Doces de Crianças: comida e ritual nas giras de Ibeijada. XII Reunión de Antropologia del Mercosur, 2017.

GOFFMAN, Erving. Interaction ritual. Garden City: Anchor Books, 1967.

GOMES, Lilian Alves. Entre famílias, lugares e objetos: uma etnografia da santidade de Padre Libério. Rio de Janeiro: UFRJ, PPGAS/MN, 2011. Dissertação (mestrado em Antropologia Social).

JOLLES, André. "A Legenda" in: _____. Formas Simples. São Paulo: Cultrix, 1976, p. 30-59.

LAMBEK, Michael. "Facing Religion, From Anthropology". Anthropology of this Century (4), May, 2012.

LIMA, Raquel dos S. S. "É como se fosse Santa Rita": processos de simbolização e transformações rituais na devoção à santa dos impossíveis. Rio de Janeiro: UFRJ, PPGAS/MN, 2014. Tese (Doutorado em Antropologia Social).

LIMA, Vivaldo da C. Cosme e Damião: o culto dos santos gêmeos no Brasil e na África. Salvador: Corrupio, 2005.

LOPES, Nei. Dicionário da hinterlândia carioca: antigos “subúrbio” e “zona rural”. Rio de Janeiro: Pallas, 2012, p. 110-111.

LOPES, Nei; SIMAS, Luiz Antonio. Dicionário da história social do Samba. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

MAFRA, Clara. “A ‘Arma da Cultura’ e os ‘Universalismos Parciais’.” Mana, 17 (3): 607-624.

MARIZ, Cecília L.; CAMPOS, Roberta B. C. "Pentecostalism and 'National Culture': A Dialogue between Brazilian Social Sciences and the Anthropology of Christianity." Religion and Society (2.1): 106-121, 2011.

MAUSS, Marcel. "Ensaio sobre a dádiva. Forma e razão da troca nas sociedades arcaicas". In_____. Sociologia e antropologia. São Paulo: CosacNaify, 2003, p. 183-314.

MENEZES, Renata de C. A dinâmica do sagrado. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2004.

______. “A imagem sagrada na era da reprodutibilidade técnica: sobre santinhos. Horizontes Antropológicos, v. 17, p. 43-65, 2011.

______. Reflexões sobre a imagem sagrada a partir do "Cristo de Borja". In: Patrícia Reinheimer; Sabrina Parracho Sant'Anna. (Org.). Reflexões sobre arte e cultura material. Rio de Janeiro: Folha Seca, 2013, p. 235-263.

______. “Doces santos: sobre os Saquinhos de Cosme e Damião”. In: GOMES, E., OLIVEIRA, P. L. Olhares sobre o Patrimônio Religioso – Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Mar de Ideias, 2016, p. 57-87.

______. Santos, vadias e fetos. Ponto Urbe, v. 1, p. 3486, 2017.

MENEZES, Renata de Castro; REIS, Lívia. "Gestão Crivella e a experiência-modelo do projeto da IURD". Entrevista. IHU-On Line, disponível em https://goo.gl/eNRUzv, acesso em 12 ago. 2018.

MONTES, Maria Lúcia. Cosme e Damião: a arte popular de celebrar os gêmeos. São Paulo: EXPOMUS, 2011.

MOURÃO, Tadeu. De médicos a meninos: vitalidade gemelar na escultura doméstica popular dos santos Cosme e Damião no Brasil. Rio de Janeiro: Uerj, 2015, tese (doutorado em Arte e Cultura Contemporânea).

ODÉ KILEUY; VERA DE OXAGUIÃ. “O que são os itãs?” In: BARROS, Marcelo (Org.). O candomblé bem explicado: Nações Bantu, Iorubá e Fon. Pallas editora: Rio de Janeiro, 2009, p. 239.

OLIVEIRA, Thiago L. C. Uma festa nos subúrbios cariocas: pessoas e coisas em torno de Cosme e Damião. GIS - Gesto, Imagem e Som. São Paulo, v. 3, n.1, julho, 2018, pp. 314-327.

POEL, Francisco van der. Dicionário da religiosidade popular. Curitiba: Editora Nossa Cultura, 2013, p.977.

REVEL, Jacques. 1998. “Apresentação”. In: ______. (ed.) Jogos de Escalas: A experiência da microanálise. Rio de Janeiro: FGV. pp. 7-14.

SANCHIS, Pierre. “O repto pentecostal à “cultura católica brasileira””. Revista de Antropologia: 145-181, 1994.

SANT’ANA, Raquel. A nação cujo Deus é o senhor: a imaginação de uma coletividade evangélica. Rio de Janeiro, tese de doutorado em Antropologia Social, UFRJ, 2017.

______. “A música gospel e os usos da “arma da cultura”. “Reflexões sobre as implicações de uma emenda.” Revista Intratextos 5, nº 1 (2013):23-41.

SANTOS, Myrian S. dos. O Batuque Negro das Escolas de Samba. Estudos Afro-Asiáticos. Rio de Janeiro, v. 35, p. 43-66, 1999.

SCHECHNER, Richard. “Jogo” In: LIGIÉRO, Zeca (Org.). Performance e Antropologia de Richard Schechner. Rio de Janeiro: Mauad Editora, 2012a

______. “Rito” In: LIGIÉRO, Zeca (Org.). Performance e Antropologia de Richard Schechner. Rio de Janeiro: Mauad Editora, 2012b.

SCHMITT, Jean-Claude, « Trente ans de recherche sur les exempla », Les Cahiers du Centre de Recherches Historiques [En ligne], 35 | 2005, mis en ligne le 01 juin 2011, consulté le 29 janvier 2015. URL : http://ccrh.revues.org/3010.

SILVA, Marília T. B. da et al. Fala, Mangueira! Rio de Janeiro: José Olympio, 1980.

SIMAS, Luis Antônio, FABATO, Fábio. Pra tudo começar na quinta-feira: o enredo dos enredos. Rio de Janeiro: Mórula, 2015.

SMITH, Jonathan Z. Religion, Religions, Religious. In: TAYLOR. Mark C. (org). Critical Terms for Religious Studies. Chicago, London: University of Chicago Press, 1998, p. 269-284.

TEIXEIRA, Faustino; MENEZES, Renata (Org.). As religiões no Brasil: continuidades e Rupturas. Petrópolis: Vozes, 2006.

______. (Org.). Religiões em movimento: o censo de 2010. Petrópolis: Vozes, 2013.

VALENÇA, Rachel, VALENÇA, Suetônio. Serra, Serrinha, Serrano: O Império do Samba. Rio de Janeiro: José Olympio, 1981.

VIEIRA, Leandro. Sinopse do enredo. In: LIESA. Livro Abre-Alas. 2017, p. 268

______. Justificativa do enredo. In: LIESA. Livro Abre-Alas. 2018, p. 284.

Publicado
2019-07-15
Como Citar
Menezes, R., & Bártolo, L. (2019). Quando devoção e carnaval se encontram. PROA Revista De Antropologia E Arte, 1(9), 96-121. Recuperado de https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/proa/article/view/3120