Imagem para capa

A festa da princesa Mariana: a dança revelando a “turquia cabocla” na Amazônia

Anderson Lucas da Costa Pereira

Resumo


A festa dá fluidez aos espaços, recria significados e materializa as cosmologias. Meu interesse neste artigo é demonstrar a festa da Cabocla Mariana, princesa turca que atravessou o portal da encantaria e ajuremou-se em terras amazônicas, realizada em um terreiro de Umbanda na cidade de Santarém, oeste do Pará. Falarei da festa não como o produto final de um grande empreendimento, mas da parte que dá sentido ao ritual: a dança da Cabocla Mariana. Em especial, “metaforizar” o giro da entidade como uma hipótese de aproximação com o Sama, a dança sufi girante dos dervixes para pensar: qual Turquia é essa presente nos rituais de Umbanda em Santarém, cheios de princesas turcas ajuremadas, caboclos e índios? A dança aponta para uma linha de investigação capaz de revelar como e porque ela pode funcionar como ação social discursiva e afetiva da sociedade, ao ponto de, inclusive, (re)constituir um reino “turco caboclo” na Amazônia.

 

ABSTRACT:

The party gives fluidity to spaces, recreates meanings and materializes cosmologies. My interest in this article is to demonstrate the feast of Cabocla Mariana, a turkish princess who crossed the portal of enchantment and ajuremou-se in the Amazonian lands, held in a terreiro of Umbanda in the city of Santarém, western Pará. I will speak of the festival not as the product end of a great enterprise, but of the part that gives meaning to the ritual: the dance of the Cabocla Mariana. In particular, "metaphorizing" the spin of the entity as a hypothesis of approximation with the Sama, the sufi rotating dance of the dervixes. To think and question: which Turkey is this present in the rituals of Umbanda in Santarem, full of ajuremadas turkish princesses, caboclos and índios? The dance points to a line of research capable of revealing how and why it can function as a social discursive and affective action of society, to the point of including (re) constituting a "turkish caboclo" kingdom in the Amazon.

Keywords: Party. Dance. Religion. Amazon


Palavras-chave


Festa; Dança; Religião; Amazônia

Texto completo:

PDF

Referências


BARBARA, Rosamaria. Dança das Aiabás: dança, corpo e cotidiano das mulheres de candomblé. 2002. Tese (Doutorado em Sociologia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2002.

BARDET, Marie. A filosofia da dança: um encontro entre dança e filosofia. São Paulo: Martins Fortes, 2015.

BASTIDE, Roger. O candomblé da Bahia (Rito nagô). São Paulo: Nacional, 1978.

BLACKING, John. Movimento e significado: a dança na perspectiva da Antropologia Social. in: CAMARGO, Giselle Guilhon Antunes (Org.). Antropologia da Dança 1. Florianópolis: Insular, 2013.

BUCKLAND, Theresa Jill. Perspectives on Dance Ethnography. In: CARTER, Alexandra and O’SHEA, Janet. (Editors) The Routledge Dance Studies Reader. (Second Edition) London and New York: 2010. p. 335-343. Tradução de CAMARGO, Giselle Guilhon Antunes. In: Antropologia da Dança 1. Florianópolis: Insular, 2013. p. 143-156.

CAMARGO, Giselle Guilhon Antunes. Etnografia de uma Dança Sufi. Florianópolis: Mosaico, 2002.

CRUZ, Alline Torres Dias da. Sobre dons, pessoas, espíritos e suas moradas. 2014. Tese (Doutorado em Antropologia social) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Museu Nacional, Programa Pós-Graduação em Antropologia Social. Rio de Janeiro, 2014.

FERRETTI, Sergio. Querebentan de Zomadonu: etnografia da Casa das Minas do Maranhão. 3. ed. Rio de Janeiro: Pallas, 2009.

FURUYA, Yoshiaki. Entre a “nagoização” e a “umbandização”: uma síntese no culto mina nagô de Belém, Brasil. Tóquio: Universidade de Tóquio, 1986.

GEERTZ, Clifford. The transition to humanity. In: TAX, Sol. (Ed.) Horizons of Anthropology. London: Allen and Unwin, 1964.

GELL, A. Art and Agency: An Anthropological Theory. Oxford: Clarendon Press, 1999.

GONÇALVES, José Reginaldo Santos; CONTINS, Marcia. A escassez e a fartura: Categorias cosmológicas e subjetividade nas festas do Divino Espírito santo entre imigrantes açorianos no Rio de Janeiro. In: CAVALCANTE, Maria Laura Viveiros de Castro; GONÇALVES, José Reginaldo Santos. As festas e os dias: ritos e sociabilidades festivas. Rio de janeiro: Contracapa, 2009.

LUCA, T. T. Devaneios da memória: A história dos cultos afro-brasileiros em Belém do Pará na versão do povo-de-santo. 1999. Monografia (Graduação em História). Curso de História. Universidade Federal do Pará. Belém, 1999.

MAUÉS, Raymundo Heraldo. Padres, pajés, santos e festas: catolicismo popular e controle eclesiástico. Um estudo Antropológico numa área do interior da Amazônia. Belém: Cejup, 1995.

MARILU, Marcia Campelo; LUCA, Taissa Tavernard de. As duas africanidades no Pará. Revista Aulas, São Paulo, n. 4, abr./jul. 2007.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da percepção. São Paulo, Martins Fontes, 1994.

MOURA, Beatriz Martins. Dinheiro de Santo, Dinheiro de Gente: usos e sentidos sociais do dinheiro no contexto afro-religioso. Santarém. 75 f. 2014. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Antropologia) – Universidade Federal do Oeste do Pará, Instituto de Ciências da Sociedade, Programa de Antropologia e Arqueologia. Santarém, 2014.

PEIRANO, Mariza. A análise antropológica de rituais. Série Antropológica. n. 270. Brasília: UNB/Departamento de Antropologia, 2000.

PEREIRA, Anderson Lucas da Costa. A Cabocla Mariana e a sua Corte Ajuremada: modos de pensar e fazer festa em um Terreiro de Umbanda em Santarém, Pará. 2017. 148 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2017.

RODRIGUES, Ronaldo de Oliveira. Ritual em Tambiah: trajetória, conceitos e reflexões. Revista Brasileira de História das Religiões, ANPUH, ano 7, n. 20, set. 2014

SALLES, V. Cachaça, pena e maracá. Brasil Açucareiro, Rio de Janeiro, v. 37, n. 2, p. 46-55, 1971.

SHAPANAN, Francelino de. Entre Caboclos e encantados. In: PRANDI, Reginaldo (Org.). Encantaria brasileira: o livro dos mestres, caboclos e encantados. Rio de Janeiro: Pallas, 2001.

SILVA, Marcel Franco da. A água e seus significados no tambor de Mina do Pará: Um estudo de caso no Terreiro de Mina Nagô de Xangô e José Tupinambá. 2013. Dissertação (Mestrado em Ciências da Religião) – Universidade do Estado do Pará. Belém, 2013. 162 f.

TAMBIAH, Stanley. Culture, Thought, and Social Action: an anthropological perspective. Cambridge, Mass: Harvard University Press, 1985.

THOMPSON, Robert Farris. African Art in Motion. National Gallery of Washington D C, 1974.

VERGOLINO E SILVA, A. A semana santa nos terreiros: um estudo do sincretismo religioso em Belém do Pará. Religião e Sociedade, Rio de Janeiro, v. 14, n. 3. 1987.

______. Os cultos afros no Pará. In: FONTES, Edilza (Org.). Contando a história do Pará: diálogos entre a História e a Antropologia. Belém: Ed. Motion, 2003.

WILSON, Mônica. Rituals of kinship among the Nyakyusa. Oxford: Oxford University Press, 1970.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Anderson Lucas da Costa Pereira

URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by/3.0/br/

PROA: Revista de antropologia e arte. IFCH-UNICAMP, Campinas. ISSN:2175-6015.  Conteúdos licenciados em CC BY.

Indexadores: Latindex / DOAJ / CAPES / Sumários