Os Krahô, os tubérculos, os hôxwa e artistas. Sobre algumas das relações na Festa da Batata

Maurício Caetano da Silva

Resumo


Adiante nos debruçaremos sobre a Festa da Batata dos Krahô, que na língua desta etnia recebe o nome de Yetÿopi. Tal ritual faz referência ao conhecimento adquirido pelos Krahô graças ao contato que um deles tivera com a Batata e outros tubérculos no tempo mítico. Hoje esta festa possui uma série de atos que constroem o ritual como um todo condizente com o modo de produção do conhecimento krahô. Um desses atos é a dança dos hôxwa em torno da fogueira em um determinado momento da festa. Serão os hôxwa o ponto nodal deste artigo, que busca fazer alguns apontamentos sobre a relação de alteridade proporcionado pelo apelo estético que sua dança produz. Por fim, nos é desafiador pensar sobre os desdobramentos deste apelo, uma vez que tal dança também se tornou uma manifestação reconhecida como artística por artistas e apresentadas no contexto do espetáculo, não se limitando à festa ritual realizada no interior da aldeia.

Palavras-chave: Antropologia da arte. Hôxwa Krahô. Festa da Batata


Palavras-chave


Antropologia da arte. Hôxwa Krahô. Festa da Batata

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, A. C. F. Hotxuá à luz da etnocenologia: a prática cômica krahô. Dissertação (Mestrado em Artes Cênicas). Escola de Teatro – Universidade Federal da Bahia, 2015. Disponível em: . Acesso em: setembro de 2015.

AZANHA, G. A Forma Timbira: Estrutura e Resistência. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Universidade de São Paulo, 1984.

BASSO, E. A musical view of the universe: kalapalo myth and ritual performances. Philadelphia: University of Pennsylvania, 1985.

BATESON, G. Naven: um esboço dos problemas sugeridos por um retrato compósito, realizado a partir de três perspectivas, da cultura de uma tribo da Nova Guiné. São Paulo: EDUSP, 2006.

BOLOGNESI, M. F. Palhaços. São Paulo: Editora UNESP, 2003.

CARDIA, G. & SABATELLA, L. Hotxuá. [Filme-vídeo]. Pedra Corrida Produções. Tocantins, Petrobrás. 1 DVD HDCAM, 70 min. color. som. 2009.

CARNEIRO DA CUNHA, M. Os mortos e os outros. Uma análise do sistema funerário e da noção de pessoa Krahó. São Paulo: Editora Hucitec, 1978.

______. “Cultura” e cultura: conhecimentos tradicionais e direitos intelectuais. In: ______. Cultura com aspas e outros ensaios. São Paulo, Cosac Naify, 2009.

COELHO DE SOUZA, M. O traço e o círculo: o conceito de parentesco entre os Jê e seus antropólogos. Tese (Doutorado em Antropologia Social). PPGAS/Museu Nacional-UFRJ. 2002.

DELEUZE, G. Cinema, a imagem-movimento. São Paulo: Brasiliense, 1985.

_______. Diferença e repetição. Rio de Janeiro: Graal, 2006

DUMAS, A. G. Etnocenologia e comportamentos espetaculares: desejo, necessidade e vontade. In: Anais do VI Congresso de Pesquisa e Pós-Gaduação em Artes Cênicas. 2010.

FAUSTO, C. Banquete de gente: comensalidade e canibalismo na Amazônia. In: Revista Mana. Vol. 8, n. 2. Rio de Janeiro. Outubro. 2002.

FERRACINI, R. A Arte de Não-Interpretar como Poesia Corpórea do Ator. Dissertação (Mestrado em Multimeios). Instituto de Artes. UNICAMP. Campinas, 1998.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

HOWARD, C. Pawana: a farsa dos visitantes entre os Waiwai da Amazônia. In: VIVEIROS DE CASTRO, E. & CARNEIRO DA CUNHA, M. (orgs.). Amazônia: etnologia e história indígena. São Paulo: USP/FAPESP, 1993.

LADEIRA, M. E. A troca de Nomes e a Troca de Cônjugues, uma Contribuição ao Estudo do Parentesco Timbira. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas. Universidade de São Paulo, 1982.

LAGROU, E. A fluidez da forma: arte, alteridade e agência em uma sociedade amazônica (Kaxinawa, Acre). Rio de Janeiro: TopBooks, 2007.

LATOUR, B. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. Rio de Janeiro: Ed.34, 1994.

LEPECKI, A. Coreopolítica e coreopolícia. In: Ilha. Revista de Antropologia. v. 13, n. 1, jan./jun. (2011) 2012.

LÉVI-STRAUSS, C. O cru e o cozido: Mitológicas I. São Paulo: Cosac Naify, 2004.

______. Do mel às cinzas: Mitológicas II. São Paulo: Cosac Naify, 2005.

LIMA, A. G. M.. Hoxwa: Imagens do Corpo, do Riso e do Outro. Uma abordagem etnográfica dos palhaços cerimoniais Krahô. Dissertação (Mestrado em Sociologia e Antropologia). Rio de Janeiro, PPGSA-IFCS / UFRJ, 2010.

______. “Brotou batata para mim”: cultivo, gênero e ritual entre os krahô (TO, Brasil). Tese (Doutorado em Sociologia e Antropologia). Rio de Janeiro, PPGSA-IFCS / UFRJ, 2016.

MAUSS, M. As Técnicas Corporais. In: ______. Sociologia e Antropologia. São Paulo: EPU/EDUSP, 1974.

MAYBURY-LEWIS, D. (ed.) Dialectical Societies. The Gê and Bororo of Central Brazil. Cambridge, Massachusetts and London: Harvard University Press, 1979.

MELATTI, J. C. O sistema social crao. In: Série Antropológica. 1970. Disponível em: . Acessado em: 29/03/2018.

______. O sistema de parentesco dos índios crao. In: Série Antropológica. 1973. Disponível em: . Acessado em: 29/09/2015.

______. Ritos de uma tribo timbira. São Paulo: Ática, 1978

______. Sol e Lua. Em: Mitologia Indígena. 2001. Disponível em: . Acessado em: 14/05/2015.

MONTARDO, D. & SCHNEIDER, H. Uma etnografia do festival cultural das Tribos indígenas do Alto Tio Negro/AM (Festribal). In: Ilha. Revista de antropologia. v. 13, n. 2, jul./dez. (2011) 2012.

REIS, D. M. Caçadores de risos: o mundo maravilhoso da palhaçaria. Tese (Doutorado em Artes Cênicas). Escola de Teatro – Universidade Federal da Bahia, 2010.

STRATHERN, M. A relação: acerca da complexidade e da escala. Em: O efeito etnográfico e outros ensaios. São Paulo: Cosac Naify, 2014.

TASSINARI, A. M. I. No bom da festa: o processo de construção cultural das famílias karipuna do Amapá. São Paulo: EDUSP. 2003.

TAUSSIG, M. Mymesis and Alterity. A particular history of the Senses. New York and London: Routledge, 1993.

VILAÇA, A. Conversão, predação e perspectiva. In: Revista Mana. Vol.14, n. 1. Rio de Janeiro. Abril. 2008.

VIVEIROS DE CASTRO, E. Perspectivismos e culturalismo na América indígena. In: A inconstância da alma selvagem e outros ensaios de antropologia. São Paulo: Cosac Naify, 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Maurício Caetano da Silva

URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by/3.0/br/

PROA: Revista de antropologia e arte. IFCH-UNICAMP, Campinas. ISSN:2175-6015.  Conteúdos licenciados em CC BY.

Indexadores: Latindex / DOAJ / CAPES / Sumários