O carnaval é hoje porque o amanhã é nunca:

a festa como ritual no espetáculo Devorando Heróis

  • Alysson Lemos Universidade Federal do Ceará
  • Alice Dote Universidade Federal do Ceará
Palavras-chave: Pícaros Incorrigíveis, Carnaval, Teatro de Rua, Ritual

Resumo

Este artigo constitui-se numa reflexão a partir das redes de criação do espetáculo Devorando heróis: a tragédia segundo os pícaros, do coletivo de teatro de rua Os Pícaros Incorrigíveis (Fortaleza/CE). Partindo da perspectiva do pensar/fazer do artista-pesquisador e apoiando-nos em recursos metodológicos da antropologia da performance, procuramos entender de que modo o carnaval é utilizado como dispositivo para a construção dramatúrgica e de que modo o ritual carnavalesco acontece nesse espetáculo de rua. Por fim, compreendemos que as escolhas estéticas do espetáculo apontam para uma poética de criação artística e de existência atravessadas pelo carnaval. O agenciamento entre os elementos festa, teatro, arte e vida encontra-se no carnaval picaresco do Devorando heróis e atravessa a ética do coletivo, que também pauta seu modo de existência na festa.

Biografia do Autor

Alysson Lemos, Universidade Federal do Ceará

Mestrando no Programa de Pós-Graduação em Artes da Universidade Federal do Ceará (ICA/UFC).

Alice Dote, Universidade Federal do Ceará

Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Federal do Ceará.

Referências

ABRAHÃO, Maria Helena Menna Barreto. Memória, narrativas e pesquisa autobiográfica. História da educação, ASPHE/FaE/UFPel, Pelotas, n. 14, 2003, pp. 79-95. Disponível em: <http://www.seer.ufrgs.br/asphe/article/viewFile/30223/pdf>. Acesso em: 9 mar. 2017.

AGAMBEN, Giorgio. Profanações. São Paulo: Boitempo, 2007.

_____. Estado de exceção. São Paulo: Boitempo, 2008.

BAKHTIN, Mikhail Mikhailovich. A cultura popular na idade média: o contexto de François Rabelais. Brasília: Editora da Universidade de Brasília, 1987.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 2012.

BOTOSO, Altamir. Romance Picaresco e Malandro: a consagração do anti-herói. Revista Trama, Cascavel, v. 12, n. 25, 2016, pp. 205-235. Disponível em: . Acesso em: 8 mar. 2018.

BURKE, Peter. Cultura popular na Idade Moderna. São Paulo: Companhia de Bolso, 2010.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: artes de fazer. V. 1. Petrópolis: Editora Vozes, 1998.

DAMATTA, Roberto. Carnaval, malandros e heróis: para uma sociologia do dilema brasileiro. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

DAWSEY, John C. Novos anjos: iluminações profanas e teatro em caminhões. Ilha Revista de Antropologia, Florianópolis, v. 7, n. 1-2, jan. 2005a, pp. 237-256. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/ilha/article/view/1617/1338>. Acesso em: 28 fev. 2018.

DAWSEY, Jhon C. Victor Turner e Antropologia da Experiência. Cadernos de Campos, São Paulo, n. 13, 2005b, pp. 163-176. Disponível em: <https://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/view/50264>. Acesso em: 28 fev. 2018.

DAWSEY, John C. Por uma antropologia benjaminiana: repensando paradigmas do teatro dramático. Revista Mana, Rio de Janeiro, v. 15, n. 2, out. 2009, pp. 349-376. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-93132009000200002>. Acesso em: 28 fev. 2018.

DEVORANDO HERÓIS: a tragédia segundo os pícaros. Coletivo Os Pícaros Incorrigíveis (teatro de rua). Texto: Beto Menêis. Direção: Murillo Ramos. Fortaleza/CE, 2016. Projeto do espetáculo disponível em: <http://mapa.cultura.ce.gov.br/files/agent/6661/projeto_devorando-her%C3%B3is.pdf>. Acesso em: 20 fev. 2018.

ÉSQUILO. Prometeu acorrentado. Trad. J.B. Mello e Souza. São Paulo: Martin Claret, 2005.

DELEUZE, Gilles. Conversações. São Paulo: Editora 34, 2013.

FAVRET-SAADA, Jeanne. Ser afetado. Cadernos de Campo, v. 13, n. 13, 2005, pp. 149-153. Disponível em: <http://www.revistas.usp.br/cadernosdecampo/article/view/50262>. Acesso em: 11 jun. 2018.

GONZÁLEZ, Mario Miguel. O romance picaresco. São Paulo: Ática, 1988.

INGOLD, Tim. Estar vivo: ensaios sobre movimento, conhecimento e descrição. Petrópolis, RJ: Vozes, 2015.

LÖWY, Michael. Walter Benjamin: aviso de incêndio: uma leitura das teses “Sobre o conceito de história. São Paulo: Boitempo, 2005.

MOURA, Gyl Giffoni Araújo. “Devorando heróis” e Hélio Oiticica: atuações em Idades da Pedrada (1968 e 2016). Anais dos Seminários de Pesquisa do PPGADC. Campinas, 2017, [s.p.]. Disponível em: <https://www.publionline.iar.unicamp.br/index.php/ppgadc/article/view/841/1001>. Acesso em: 15 fev. 2018.

SALLES, Cecília Almeida. Redes de criação: construção da obra de arte. São Paulo: Horizonte, 2006.

SCHECHNER, Richard. Performance e Antropologia de Richard Schechner. Organizado por Zeca Ligiéro. Rio de Janeiro: Mauad X, 2012.

SÓFOCLES. Ájax. 2 ed. Org. e trad. por Maria Helena da Rocha Pereira. Lisboa: Fundação Galoust Gulbenkian, 2013.

TURNER. Victor W. O processo ritual: estrutura e antiestrutura. Petrópolis: Vozes, 1974.

ZENICOLA, Denise Mancebo. Performance e ritual: a dança das Iabás no Xiré. Rio de Janeiro, Mauad, 2015.

Publicado
2019-07-15
Como Citar
Lemos, A., & Dote, A. (2019). O carnaval é hoje porque o amanhã é nunca:. PROA Revista De Antropologia E Arte, 1(9), 122-141. Recuperado de https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/proa/article/view/3102