Artes e festa:

um destaque ao dia d’entrudo e à marimba nas aquarelas de Debret

Palavras-chave: Jean-Baptiste Debret, Dia d’entrudo, aquarela, Festas

Resumo

As festas são campos de distintas abordagens para pesquisas em diversas áreas das humanidades. O presente artigo tem como objetivo ressaltar a importância dos registros pictóricos do artista francês Jean-Baptiste Debret (1768-1848) durante sua estada no Brasil nos anos de 1816 a 1831, dando um destaque para o Dia d’entrudo e para a marimba. Nesse caminho, a análise será por meio das aquarelas Dia d’entrudo (Carnaval) (1823); Passeio de domingo à tarde (1826) e Viola d’Angola. Música dos pretos (1820-1830). Deste modo, iniciaremos nossa discussão sobre a festa do entrudo, representada por Debret, na qual o artista revela sob sua ótica a exuberância da festividade e das cores nos trópicos.

Apresentação em vídeo: https://youtu.be/3g-iVunr16g

Biografia do Autor

Mariane Pimentel Tutui, Universidade Estadual de Maringá

Possui graduação em História pela Universidade Estadual de Maringá (2010) e mestrado em História pela Universidade Estadual de Maringá (2014) - com financiamento à pesquisa pela Capes. É pesquisadora do Diretório de Pesquisas do CNPq: História Regional, Manifestações Artísticas e Patrimônios Culturais; pesquisadora do Centro de Estudos das Artes e do Patrimônio Cultural (CEAPAC-UEM), bem como do Programa Centro de Memória da UEM (PRO-CMU). Tem experiência na área de História, com ênfase em História do Império brasileiro, História da Arte e História da Arte brasileira. Atua principalmente nos seguintes temas: Jean-Baptiste Debret, Missão Artística Francesa, Academia de Belas Artes, Ensino Artístico, Pintura de paisagem, Pintura de história, Relações artísticas entre Europa e Brasil no século XIX, Arte francesa no Brasil, Patrimônio e Cultura.

Referências

AUMONT, Jacques. A Imagem. Campinas: Papirus, 1995.

BAHKHTIN, Mikhail. A Cultura Popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. São Paulo- Brasília: Edunb- Hucitec, 1996.

BANDEIRA, Júlio; LAGO, Pedro Corrêa. Debret e o Brasil: obra completa, 1816-1831. Rio de Janeiro: Editora Capivara, 2009.

BURKE, Peter. O Carnaval de Veneza. In CUNHA, Maria Clementina Pereira. Carnavais e outras f(r)estas: ensaios de história social da cultura. Campinas, SP: Editora da UNICAMP, CECULT, 2002.

______, Peter. Testemunha Ocular: o uso de imagens como evidência histórica. Traduzido por Vera Maria Xavier dos Santos. – São Paulo: Editora Unesp, 2017.

______, Peter. Hibridismo Cultural. Tradução Leila Souza Mendes, Editora da Universidade do Vale do Rio dos Sinos - Unisinos, Coleção Aldus 18, São Leopoldo, RS, 2008.

COLI, Jorge. Como estudar a arte brasileira do século XIX? São Paulo: Editora Senac, 2006

CUNHA, Maria Clementina Pereira. A capital cai na folia. Revista Nossa História, Rio de Janeiro, nº 16, fev. 2005

DEBRET, Jean-Baptiste, 1768-1848. Viagem Pitoresca e Histórica ao Brasil. Tradução e notas de Sérgio Milliet / Organização e prefácio Jacques Leenhardt. São Paulo, Editora Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2016.

¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬______, Jean-Baptiste. Viagem Pitoresca e Histórica ao Brasil. Tradução e notas de Sérgio Milliet / apresentação de M. G. Ferri – Belo Horizonte: Ed. Itatiaia Limitada; São Paulo: Ed. da Universidade de São Paulo, 1978. Tomo I, volumes I e II.

______, Jean-Baptiste. Viagem pitoresca e histórica ao Brasil. Tradução e notas de Sérgio Milliet, notícia biográfica de Rubens Borba de Moraes. São Paulo, Martins, Ed. ______, Jean-Baptiste Caderno de Viagem. (Texto e Organização: Júlio Bandeira), Rio de Janeiro: Editora Sextante Artes, 2006.

DIAS, Elaine Cristina. Debret, a pintura de História e as ilustrações de corte da “Viagem Pitoresca e Histórica ao Brasil”. 2001. Tese (Mestrado) – Pós-Graduação em História da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Campinas, 2001.

GOMBRICH, E.H. A História da Arte. Tradução Álvaro Cabral. Rio de Janeiro, 2012.

______, Jean-Baptiste. Art and Illusion. London: Phaidon press, 2002.

______, Jean-Baptiste. Tributos: versión cultural de nuestras tradiciones. Traducción de Alfonso Montelongo. México: Fondo de Cultura Económica, 1991 [1984],

LIMA, Heloísa Pires. Negros debretianos: representações culturais na obra Voyage Pittoresque et Historique au Brésil [1816-1839]. Tese de doutorado em Antropologia, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo: 2005.

NAVES, Rodrigo. Debret, o neoclassicismo e a escravidão. In. A Forma Difícil: ensaios sobre a arte brasileira. São Paulo: Ática, 2011.

OLIVEIRA, Carla Mary S. O Cotidiano Oitocentista pelos olhos de Debret. Saeculum – Revista de História. João Pessoa, n° 19, jul/dez. 2008.

PRIORE, Mary Del. Outros Carnavais. Revista Nossa História, Rio de Janeiro, nº 16, fevereiro de 2005.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. O Sol do Brasil. Nicolas-Antoine Taunay e as desventuras dos artistas franceses na corte de D. João. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

TREVISAN, Anderson Ricardo. Velhas Imagens, novos problemas. A redescoberta de Debret no Brasil Modernista (1930-1945). 2011. Tese (Doutorado) – Pós-Graduação em Sociologia da Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, 2011.

TUTUI, Mariane Pimentel. As Representações da Festa em Debret: Um destaque ao Dia d’Entrudo e à Marimba. Dissertação (Mestrado em História). Universidade Estadual de Maringá, 2014.

CATÁLOGOS DE EXPOSIÇÕES

Debret e a missão artística francesa no Brasil: 200 anos – curadoria de Jacques Leenhardt. Rio de Janeiro: Museus Castro Maya, Artepadilla, 2016.

ENDEREÇOS ELETRÔNICOS

ABREU, Martha. A festa é dos negros. Revista de História da Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro, n° 99, dezembro de 2013. Disponível em: http://www.revistadehistoria.com.br/secao/capa/afesta-e-dos-negros. Acesso em: 28 jan. 2018.

ASSIS, Machado de. Um dia de Entrudo. Publicado originalmente em Jornal das Famílias, de 6/1874 a 8/1874. Disponível em: http://machado.mec.gov.br/images/stories/pdf/contos/macn049.pdf. Acesso em: 19 mar. 2019.

Instituto Moreira Salles - Glossário de Técnicas e Processos Gráficos e Fotográficos do Século XIX: http://www.ims.com.br/ims/explore/acervo/noticias/glossario-de-tecnicas-e-processos-graficos-e-fotograficos-do-seculo-xix. Acesso em: 13 mar. 2018.

SCHWARCZ, Lilia Moritz. A natureza como paisagem e como emblema da nação: uma reflexão sobre arte neoclássica no Brasil do século XIX e acerca da produção de Nicolas Taunay. Oxford, UK: Centre for Brazilian Studies/ University of Oxford, 2004. Disponível em: http://www.brazil.ox.ac.uk/workingpapers/Schwacz49.pdf. Acesso em: 26 abr. 2018.

______________________. Visões do Brasil, século XIX – Artes Visuais / UNIVESP TV - Curso organizado pelo Instituto de Estudos Brasileiros da Universidade de São Paulo - (USP), 2010: Natureza e escravidão na obra de Taunay. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=22fwPv_JD8U&t=51s. Acesso em: 26 ago. 2018.

SIQUEIRA, Vera Beatriz Cordeiro. A alegria dos amantes: Jean-Baptiste Debret na coleção Castro Maya. Revista 19&20. Rio de Janeiro, v. I, n. 1, mai. 2006. Disponível em: http://www.dezenovevinte.net/artistas/debret_01.htm. Acesso em: 15 fev. 2018.

TUTUI, Mariane Pimentel. Aquarelas do Brasil: A importância dos registros pictóricos de Debret. Artigos do Patrimônio – IPHAN, 2015. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/uploads/publicacao/Aquarelas_do_Brasil_A_importancia_dos_registros_pictoricos_de_Debret_m.pdf. Acesso em 13 mar. 2019.

Publicado
2019-07-15
Como Citar
Tutui, M. P. (2019). Artes e festa: . PROA Revista De Antropologia E Arte, 1(9), 21-43. Recuperado de https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/proa/article/view/3099