Imagem para capa

Trair a espécie, as Broto Cartas e a Cobra Desenhadora: reflexões da antropologia na produção artística de Cristiano Lenhardt

Alberto Luiz de Andrade Neto

Resumo


Este artigo investiga as correspondências encontradas entre os trabalhos artísticos contemporâneos de Cristiano Lenhardt e as tendências temáticas anunciadas pela disciplina antropológica. A partir das peças bi e tridimensionais Trair a espécie (2014-2016), Broto cartas (2017) e Cobra desenhadora (2017), e junto de um referencial da Antropologia, produzo uma série de reflexões que identificam nessas produções de Arte Contemporânea linhas de diálogo com essa outra área do conhecimento. Pude perceber que as relações entre o “eu” e o “outro”, as discussões sobre Natureza e Cultura, as temáticas da eficácia simbólica, dos materiais e das cosmologias indígenas estão presentes no horizonte de interesses de Lenhardt. Ao final, brevemente, problematizo a subjetivação que dialoga com as temáticas trabalhadas pelo próprio artista em sua produção e, ao mesmo tempo, percebo que elas são formadoras de sua identidade enquanto sujeito no mundo.

 

TRAIR A ESPÉCIE, AS BROTO CARTAS E A COBRA DESENHADORA: REFLECTIONS OF ANTHROPOLOGY IN THE ARTISTIC PRODUCTION OF CRISTIANO LENHARDT

This article investigates the connections found in the contemporary artistic works of Cristiano Lenhardt in the friction with the themes enunciated by anthropology. From the two-dimensional and three-dimensional pieces Trair a espécie (2014-2016), Broto cartas (2017) and Cobra desenhadora (2017). Furthermore, along with an anthropology referential, I produce a series of arguments that identify lines of dialogue in these contemporary art productions with this other area of knowledge. I could see that the relations of the self and the other, the discussions of Nature and Culture, the themes of symbolic efficacy, materials and indigenous cosmologies, are present in the horizon of Lenhardt’s interests. In the end I briefly problematize the subjectivation that engages with the themes announced by the artist himself in his creations, and at the same time, they themselves form his identity as a being in the world.

Keywords:

Anthropology; Contemporary Art; Indigenous Ethnology; Visual Arts.

 


Palavras-chave


Antropologia; Arte Contemporânea; Artes Visuais; Etnologia Indígena

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, Renan. Cristiano Lenhardt. In: Incerteza viva (Catálogo). São Paulo: Bienal de São Paulo, 2016. Disponível em: . Acesso em: 5 nov. 2017.

CARVALHO, Bernardo. O ovo da serpente. Blog IMS. 28 de janeiro de 2015. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2017.

CESARINO, Pedro. Conflitos de pressupostos na Antropologia da Arte. Relações entre pessoas, coisas e imagens. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 32, n. 93, 2016, pp. 1-17. Disponível em: . Acesso em: 11 nov. 2017.

COMISSÃO NACIONAL DA Verdade. Relatório. Volume II. Textos temáticos. Texto 5. Violações de direitos humanos dos povos indígenas. 2014. Disponível em: . Acesso em: 5 nov. 2017.

DANOWSKI, Déborah; VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Há mundo por vir? Ensaio sobre os medos e os fins. Florianópolis: Cultura e Barbárie Editora, 2014.

DESCOLA, Philippe. Ecologia e cosmologia. In: CASTRO, Edna; PINTON, Florence (orgs.). Faces do Trópico úmido. Conceitos e questões sobre Desenvolvimento e Meio Ambiente. Belém: Editora Cejup, 1997, pp. 243-261.

DESCOLA, Philippe. Ecology as Cosmological Analysis. In: SURRALLÉS, A.; HIERRO, P. (orgs.). The Land Within. Indigenous Territory and the Perception of the Environment. Copenhagen: IWGIA, 2005, pp. 22-35.

DIAS, José António Fernandes. Arte e Antropologia no século XX: modos de relação. Etnográfica, CEAS/Celta, v. V, n. 1, 2001, pp. 103-129. Disponível em: . Acesso em: 5 nov. 2017.

FAVRET-SAADA, Jeanne. Ser afetado. Trad. Paula de Siqueira Lopes. Cadernos de Campo, n. 13, 1990[2005], pp. 155-161.

FORTES D’ALOIA & GABRIEL. Cristiano Lenhardt (CV). 2017. Disponível em: . Acesso em: 4 nov. 2017.

FOSTER, Hal. O artista como etnógrafo. Arte & Ensaios, n. 12, 1996[2001], pp. 158-185.

GELL, Alfred. Art and Agency. An Anthropological Theory. Oxford: Clarendon Press, 1998.

GLOWCZEWSKI, Barbara. Devires totêmicos: Cosmopolítica do sonho. São Paulo: n-1 Edições, 2015.

INGOLD, Tim. Estar vivo: ensaios sobre movimento, conhecimento e descrição. Editora Vozes, 2011[2015].

KOPENAWA, Davi; ALBERT, Bruce. A queda do céu: palavras de um Xamã Yanomami. Trad. Beatriz Perrone-Moisés. Prefácio Eduardo Viveiros de Castro. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

LAGROU, Els. Cashinahua Cosmovision: A Perspectival Approach to Identity and Alterity. Tese de doutorado. St. Andrews, Universidade de St. Andrews, 1998a.

LAGROU, Els. Caminhos, duplos e corpos. Uma abordagem perspectivista da identidade e alteridade entre os Kaxinawa. Tese de doutorado, São Paulo, USP, 1998b.

LAGROU, Els. Podem os grafismos ameríndios ser considerados quimeras abstratas? Uma reflexão sobre uma arte perspectivista. In: SEVERI, Carlo; LAGROU, Els (Orgs.). Quimeras em diálogo: grafismo e figuração nas Artes Indígenas. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2013, pp. 67-109.

LAGROU, Els. Entre xamãs e artistas: entrevista com Els Lagrou. Revista Usina, n. 20, 2015, [s.p.]. Disponível em: . Acesso em: 1 out. 2017.

LANGDON, Esther Jean. Perspectiva xamânica: relações entre rito, narrativa e arte gráfica. In: SERVERI, Carlo; LAGROU, Els. (Org.). Quimeras em diálogo: xamanismo, grafismo e figuração. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2013.

_____ . A cultura siona e a experiência alucinógena. In: VIDAL, Lux (org.). Grafismo indígena: estudos de antropologia estética. São Paulo: Editora Nobel, 1992, pp. 67-87.

LATOUR, Bruno. An Attempt at a “Compositionist Manifesto”. New Literary History, Johns Hopkins University Press, v. 41, n. 3, 2010, pp. 471-490. Disponível em: . Acesso em: 30 set. 2017.

LENHARDT, Cristiano. Matéria superordinária abundante. Catálogo de Exposição. Recife: Galeria Amparo 60, 2014.

_____. Trair a espécie. 2017. Disponível em: . Acesso em: 5 nov. 2017.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Tristes trópicos. São Paulo: Anhembi, 1957[1955].

_____. O pensamento selvagem. 11. ed. São Paulo: Papirus, 2010[1962].

_____. Antropologia Estrutural. 1. ed. São Paulo: Cosac Naify, 2012[1958]. (Cosac Naify Portátil)

MARCUS, George E. O intercâmbio entre arte e antropologia: como a pesquisa de campo em Artes Cênicas pode informar a reinvenção da pesquisa de campo em Antropologia. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 47, n. 1, 2004, pp. 133-158. Disponível em: . Acesso em: 24 out. 2017.

NUNES, Rodrigo. Da medida da incerteza à incerteza da medida. In: Ecologia e incerteza. Material educativo. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 2016, pp. 3-6.

PRÊMIO PIPA. Cristiano Lenhardt. 2017. Disponível em: . Acesso em: 4 nov. 2017.

ROLNIK, Suely. Uma terapêutica para tempos desprovidos de poesia. São Paulo: Núcleo de Estudos sobre Subjetividade, 2005. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2017.

SEVERI, Carlo. A ideia, a série e a forma: desafios da imagem no pensamento de Claude Lévi-Strauss. Sociologia & Antropologia, Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, 2011, pp. 53-75. Disponível em: . Acesso em: 16 maio 2018.

SEVERI, Carlo; LAGROU, Els. Introdução. In: SEVERI, Carlo; LAGROU, Els (orgs.). Quimeras em diálogo: grafismo e figuração nas Artes Indígenas. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2013, pp. 25-66.

SOUZA, Bernardo José de. Rio de Janeiro, um ano qualquer no futuro. Uma cidade parcialmente submersa, esvaziada da presença humana. In: EAV Curador Visitante. Escola de Artes Visuais do Parque Lage, 2015, [s.p.]. Curador Visitante. Rio de Janeiro, Brasil. Ano 1, n. 2. Disponível em: . Acesso em: 28 set. 2017.

TABBI, Ulrich. Epílogo. In: WARBURG, Aby. El ritual de la serpiente. Madrid: Sextopiso, 2008[1988], pp. 69-114.

VELTHEM, Lúcia Hussak van. O belo é a fera. A estética da produção e da predação entre os Wayana. V. 1. Lisboa: Editora Lisboa/Assirio & Alvim, 2003.

VINCENT, Nina. Mundos incertos sob um céu em queda: o pensamento indígena, a antropologia e a 32ª Bienal de São Paulo. Resenha. Revista de Antropologia, v. 60, n.

, 2017, pp. 653-661. Disponível em: . Acesso em: 1 out. 2017.

VOLZ, Jochen. Incerteza Viva. In: Incerteza Viva. Processos artísticos e pedagógicos – 32ª Bienal de São Paulo. Material educativo. São Paulo, Fundação Bienal de São Paulo, 2016a.

VOLZ, Jochen. Jornadas espirais: incerteza viva. In: 32ª Bienal de São Paulo. Incerteza Viva. Catálogo. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 2016b, pp. 21-27. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2017.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. A floresta de cristal: notas sobre a ontologia dos espíritos amazônicos. Cadernos de Campo, v. 15, n. 14-15, 2006a, pp. 319-338. Disponível em: . Acesso em: 12 nov. 2017.

_____. No Brasil, todo mundo é índio, exceto quem não é. Enciclopédia Povos no Brasil 2001-2005. São Paulo: Instituto Socioambiental, 2006b, pp. 51-54.

WARBURG, Aby. El ritual de la serpiente. Madrid: Sextopiso, 1988[2008].


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Alberto Luiz de Andrade Neto

URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by/3.0/br/

PROA: Revista de antropologia e arte. IFCH-UNICAMP, Campinas. ISSN:2175-6015.  Conteúdos licenciados em CC BY.

Indexadores: Latindex / DOAJ / CAPES / Sumários