Narrativas, rituais urbanos e o contexto social do olhar na virada do século XIX para o século XX

Eloiza Gurgel Pires

Resumo


Este estudo, fruto da nossa tese de doutoramento – O aprendizado da cidade: limiares e poéticas do urbano (PIRES, 2014) –, discute as mutações ocorridas nas grandes cidades na virada do século XIX para o século XX; o cinema e as transformações engendradas pelas narrativas pré-cinematográficas, que já anunciavam o surgimento de rituais sociais e de uma escrita urbana voltados para o miúdo do cotidiano. Para tanto, apresentamos o cenário de uma sociedade pré-cinematográfica
desenhado pelas autoras Vanessa Schwartz e Margaret Cohen, que partem dos estudos de cultura e da nova história do cinema para analisar a experiência do olhar no cotidiano da cidade moderna. Tomamos como referência teórica os escritos de Walter Benjamin e os limiares que
condensam o pensamento do filósofo em torno do surgimento da grande urbe, da reprodutibilidade técnica da imagem e da centralidade do cinema na modernidade.


Palavras-chave> Modernidade. Cinema. W. Benjamin. Narrativas urbanas. Cotidiano.


Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Carlos Drummond de. Nova reunião: 23

livros de poesia – volume 1. Rio de Janeiro: BestBolso,

ANTELO, Raul. Introdução. In: RIO, João do. A alma encantadora

das ruas. São Paulo: Martin Clare, 2010.

BAKHTIN, Mikhail. Problemas da poética de Dostoiévski.

Rio de Janeiro: Ed.ForenseUniversitària, 1981.

BAUDELAIRE, Charles. As flores do mal. São Paulo: Martin

Claret, 2007.

BENJAMIN, Walter. Experiência e pobreza. In: Obras

escolhidas: Magia e técnica, arte e política. São Paulo:

Editora Brasiliense, 1996a.

________. O narrador. In: Obras escolhidas: Magia e

técnica, arte e política. São Paulo: Editora Brasiliense,

b.

________. A obra de arte na era da sua reprodutibilidade

técnica. In: Obras escolhidas: Magia e técnica, arte e

política. São Paulo: Editora Brasiliense, 1996c.

________. Haxixe. São Paulo: Editora Brasiliense, 1984.

________.Origem do drama barroco alemão.Edição,

apresentação e tradução de João Barrento. Lisboa: Assírio

&Alvim, 2004.

BOLLE, Willi. Fisiognomia da metrópole moderna: representação

da história em Walter Benjamin. São Paulo:

Editora da Universidade de São Paulo, 2000.

BRETAS, Alexia. A constelação do sonho em Walter Benjamin.

São Paulo: Humanitas, 2008.

CALVINO, Italo. Cidades invisíveis. São Paulo: Companhia

das Letras, 2009.

CANEVACCI, Massimo. A cidade polifônica: um ensaio

sobre a antropologia da comunicação urbana. São Paulo:

Studio Nobel, 2004.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: 1. artes

de fazer. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2004.

COHEN, Margaret. A literatura panorâmica e a invenção

dos gêneros cotidianos. In: CHARNEY, Leo ; SCHWARTZ,

Wanessa. O cinema e a invenção da vida moderna. São

Paulo : Cosac & Naify, 2004.

D’ANGELO, Martha. Arte, política e educação em Walter

Benjamin. São Paulo: Edições Loyola, 2006.

DA-RIN, Silvio. Espelho partido: tradição e transformação

do documentário. Rio de Janeiro: Azougue Editorial,

FREUD, S. Estudos sobre a histeria. Rio de Janeiro: Imago.

(Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas

Completas de Sigmund Freud), 1996.

GAUTHIER, Guy. Le documentairenarratif: documentaire

/ fiction. In: ODIN, 1984.

GIDDENS, Anthony. As conseqüências da modernidade.

Tradução de Raul Fiker. - São Paulo: Editora UNESP,

-(Biblioteca básica)

HOBSBAWM, Eric. Era dos extremos: o breve século XX.

– 1991. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

HORKHEIMER, Max; ADORNO, Theodor. A Indústria cultural:

o esclarecimento como mistificação das massas.

in: Dialética do esclarecimento/ fragmentos filosóficos.

Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. 1985.

LADVOCAT.An public, Le libraire-editeur. In: Paris, ou Le

livre descent-et-um. 1831, v1, p.VI.

ORTEGA Y GASSET, José. A idéia de teatro. São Paulo:

Perspectiva, 1991.

PEIXOTO, Nelson Brissac. Paisagens Urbanas. São Paulo:

Editora SENAC, 2004.

SCHWARTZ, Wanessa. O espectador cinematográfico

antes do aparato do cinema : o gosto do público pela

realidade na Paris fim-de século. In: CHARNEY, Leo ;

SCHWARTZ, Wanessa. O cinema e a invenção da vida

moderna. São Paulo : Cosac & Naify, 2004.

DEBORD, Guy (1997). A Sociedade do Espetáculo. Rio

de Janeiro: Contraponto.

MACHADO, Arlindo. Pré-cinemas & pós-cinemas.

Campinas, SP: Papirus, 2005.

____________. O sujeito na tela: modos de enunciação

no cinema e no ciberespaço. São Paulo: Paulus, 2007.

PEIXOTO, Nelson Brissac. Paisagens Urbanas. São Paulo:

Editora SENAC, 2004.

PIRES, Eloiza Gurgel. O aprendizado da cidade: limiares

e poéticas do urbano. São Paulo: Annablume, 2014.

SINGER, Ben. Modernidade, hiperestímulo e o inicio

do sensacionalismo popular. In: CHARNEY, Leo;

SCHWARTZ, Vanessa. (Orgs.). O Cinema e a Invenção

da Vida Moderna. São Paulo: Cosac &Naify, 2004.

SIMMEL, Georg. As grandes cidades e a vida do espírito

(1903). Mana, Rio de Janeiro , v. 11, n. 2, Oct. 2005,

p. 577-591

KRACAUER, Siegfried. O ornamento da massa: ensaios.

Trad. Carlos Edu - ardo J. Machado e Marlene Holzhau

- sen. São Paulo: Cosac Naify, 2009.

WOLGENSINGER, Jacques. L’Histoireà la une: La grande

aventure de lapresse. Paris: DecouvertsGallimard, 1989.

Filmes

Viagem à lua. Direção: Georges Méliès. Roteiro: Georges

Meliès (Baseado na obra homônima de Julio Verne

e em Os Primeiros Homens na Lua, de H. G. Wells). Elenco:

Georges Méliès, BleuetteBernon, Henri Delannoy,

Jules-Eugene Legris, Vitor André, Brunnet, Jeanne D’Alcy.

Ano:1902. Duração 14 min Nacionalidade: França.

A chegada do trem à estação. Filme francês de 1895,

gravado por Louis Lumière e por Auguste Lumière. 50

segundos.

Jornais

Le JornailIlustré. Paris, ago. 1886.

Le Petit journal.Paris, 3 ago. 1886.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 PROA Revista de Antropologia e Arte



PROA: Revista de antropologia e arte. IFCH-UNICAMP, Campinas. ISSN:2175-6015.  Conteúdos licenciados em CC BY.

Indexadores: Latindex / DOAJ / CAPES / Sumários