A incorporação como arte: uma análise das festas de exu em terreiros de umbanda na zona oeste da cidade do Rio de Janeiro

Ana Paula de Souza Campos

Resumo


Neste trabalho me proponho analisar as festas de exu em terreiros de umbanda na zona oeste da cidade do Rio de Janeiro tendo como foco a relação que se dá entre pessoas e coisas nestes momentos rituais. Com efeito, esta relação ocorre segundo uma relação de troca onde presentes são ofertados aos exus por sua clientela em troca de pedidos de trabalhos. Nas festas a exu circulam pessoas, entidades e visitantes; presentes e pedidos; segundo uma relação de troca, através de uma rede de intencionalidades complexas que faz com que tais intencionalidades sejam objetificadas, por meio dos objetos trocados e das performances que circulam nas festas em celebração aos exus. O enfoque se dará no fenômeno da incorporação, entendendo-a como arte, bem como os objetos que são utilizados para a construção da performance ritual das entidades nas festas, discutindo, assim, a agência dos objetos e das pessoas nesse contexto social em específico.


Palavras-chave


antropologia da arte; ritual; agência; comensalidade; performance

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Caleb Faria. A agência de Gell na Antropologia da Arte. In: Revista Horizontes Antropológicos, Porto Alegre, ano 14, n. 29, p. 315-338, jan./jun., 2008.

BIRMAN, Patricia. Fazer estilo criando gêneros: estudo sobre a construção religiosa da possessão e da diferença de gêneros em terreiros de umbanda e candomblé no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Relume Dumará: Eduerj, 1995.

_____. O que é Umbanda. São Paulo: Abril Cultural: Brasiliense, 1985.

CARDOSO, Vania & HEAD, Scott. Matérias nebulosas: coisas que acontecem em uma festa de exu. In: Revista Religião e Sociedade, Rio de Janeiro, 35(1): 164-192, 2015.

DAMATTA, Roberto. Carnavais, malandros e heróis: para uma sociologia do dilema brasileiro. 6. ed. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

GEERTZ, Clifford. A Interpretação das Culturas. Rio de Janeiro: Editora LTC, 1989.

GELL, Alfred. A rede de Vogel, armadilhas como obras de arte e obras de arte como armadilhas. In: Arte e Ensaios – Revista do Programa de Pós- Graduação em Artes Visuais. Escola de Belas Artes. UFRJ. Ano VIII – número 8: 174-191, 2001.

__________. A tecnologia do encanto e o encanto da tecnologia. Concinnitas, ano 6, v. 8 (1), pp. 41-63: 2005.

¬¬¬__________. Definição do problema: a necessidade de uma antropologia da arte. In: Revista Poiésis, n. 14, p. 245-261. Dez., 2009.

ERIKSEN, Thomas Hylland & NIELSEN, Finn Sivert. História da Antropologia. 3. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

LANGDON, Esther Jean. Performance e sua Diversidade como Paradigma Analítico: A Contribuição da Abordagem de Bauman e Briggs. In: Revista Antropologia em primeira mão, n. 1, Florianópolis: UFSC, 1995.

MAGNANI, José Guilherme Cantor. Umbanda. 2. ed. São Paulo: Editora Ática, 1991.

MAUSS, M. Ensaio sobre a dádiva. Forma e razão da troca nas sociedades arcaicas. In: Sociologia e Antropologia. V.II. São Paulo: Edusp, 1974.

NEGRÃO, Lísias Nogueira. Entre a cruz e a encruzilhada. São Paulo: Edusp, 1996.

ORTIZ, Renato. A morte branca do feiticeiro negro: umbanda e sociedade brasileiro. São Paulo: Brasiliense, 1999.

SILVA, Vagner Gonçalves da. Candomblé e umbanda: caminhos da devoção brasileira. 2. Ed. São Paulo: Selo Negro, 2005.

VICTORIANO, Benedicto Anselmo Domingos. O prestígio religioso na Umbanda: dramatização e poder. São Paulo: Annablume, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 PROA Revista de Antropologia e Arte

URL da licença: https://creativecommons.org/licenses/by/3.0/br/

PROA: Revista de antropologia e arte. IFCH-UNICAMP, Campinas. ISSN:2175-6015.  Conteúdos licenciados em CC BY.

Indexadores: Latindex / DOAJ / CAPES / Sumários