Retratos próprios e desconhecidos: experiências de fronteiras (?) E diálogos artísticos nas Amazônias Ocidental e Oriental

John Fletcher

Resumo


O presente trabalho apresenta uma interpretação crí- tica e social de dois projetos artísticos apresentados na cidade de Popayán, Colômbia, localizada na Amazônia Ocidental, em diálogo com outro projeto visual realizado na cidade de Belém, Pará, Brasil, território pertencente à Amazônia Oriental. Em termos conceituais, o mesmo será amparado por alguns eixos de pensamentos críticos como os de Clifford Geertz, Raymond Williams, Pierre Bordieu, Chantal Mouffe, Ernesto Laclau, Mikhail Bakhtin e Nestor García Canclini, bem como buscará destacar uma metodologia polifônica, em muito articulada com alguns dos pressupostos da participação de distintos sujeitos para um agenciamento liminar do pensamento Latino Americano. É sob estes marcadores contextuais, portanto, que a pesquisa se alia a uma operação interpretativa para se rascunhar e debater aproximações e distanciamentos alocados no interior destas Amazônias, cujas visibilidades dão sustentação para horizontes dinâmicos, talvez mais inclusivos e menos autoritários.

Palavras-chave: Arte Contemporânea, Interpretação, Amazônia, Colômbia.


Texto completo:

PDF

Referências


BAKHTIN, M. Estética da Criação Verbal. São Paulo:

Martins Fontes, 2003.

BAKHTIN, M.; VOLOSHINOV, V. Marxismo e Filosofia da

Linguagem. São Paulo: Hucitec, 1997.

BOURDIEU, P. Sociología y Cultura. México: Grijalbo,

CLIFFORD, J. Sobre a Autoridade Etnográfica. In:

GONÇALVES, J. R. S. (org.). A Experiência Etnográfica:

Antropologia e Literatura no século XX. Rio de Janeiro:

UFRJ, 1998, pp. 17-62.

FABIAN, J. Presence and Representation: The Other and

Anthropological Writing. Critical Inquiry, v. 16 (4), 1990,

pp. 753-772.

__________. The other Revisited. Anthropological Theory,

v. 6 (2), 2006, pp. 139–152.

FARACO, C. Linguagem e Diálogo: As Ideias Linguísticas

do Círculo de Bakhtin. São Paulo: Parábola, 2009.

FLETCHER, J.; ALBÁN, A. Interpretações Visuais

nos Territórios da Ecologia Política: Aproximações

e Distanciamentos entre a Amazônia Oriental e a

Ocidental. Cadernos de Campo (USP), n. 24, 2015, pp.

-89.

GARCÍA CANCLINI, N. Ideología, Cultura y Poder.

Buenos Aires: Universidad de Buenos Aires, 1997.

GEERTZ, C. The Wet and the Dry: Traditional Irrigation in

Bali and Moroco. In: DOVE, M.; CARPENTER, C. (Org.).

Environmental Anthropology. A Historical Reader.

Malden-Oxford: Blackwell publishing, 2008a. p. 190 -

GEERTZ, C. A Arte Como um Sistema Cultural.

In: GEERTZ, C. O Saber Local: Novos Ensaios em

Antropologia Interpretativa. Petrópolis: Vozes, 2008b.

___________. A Interpretação das Culturas. Rio de

Janeiro: Editora Zahar, 2011.

GÓMEZ-PEÑA, G. En Defesa del Arte del Performance.

Horizontes Antropológicos, v. 11, n. 24, Porto Alegre,

, pp. 199-226.

GRUZINSKI, S. O Pensamento Mestiço. São Paulo:

Companhia das Letras, 2001.

HALL, S. Significación, Representación, Ideología:

Alhusser y los Debates Postestructuralistas. In: HALL, S.

Sin Garantías: Trayectorias y Problemáticas en Estudios

Culturales. Popayán; Lima; Quito: Envión Editores; IEP

– Instituto de Estudios Peruanos; Universidad Andina

Simón Bolívar, 2010, pp. 193-220.

KELLNER, D. A Cultura da Mídia: Identidade e Política

entre o Moderno e o Pós-Moderno. São Paulo: EDUSC,

KIRSHENBLATT-GIMBLETT, B. The Ethnographic Burlesque.

The Drama Review: A Journal of Performance Studies, v.

, n. 42, 1998, pp. 175-180.

LACLAU, E.; MOUFFE, C. Más allá de la Positividad

de lo Social: Antagonismo y Hegemonía. In: LACLAU,

E.; MOUFFE, C. Hegemonía y Estrategia Socialista.

Radicalización de la Democracia. Buenos Aires: Fondo

de Cultura Económica, 2004, pp. 129-189.

LAGROU, E. M. Antropologia e Arte: Uma Relação de

Amor e Ódio. Ilha Revista de Antropologia, Florianópolis,

v. 5, p. 93 - 113, 2003.

LEFF, E. La Ecología Política em América Latina: un Campo

en Construcción. Sociedade e Estado, 18 (01), 2003, pp.

-40.

_______. Ecologia Política: uma Perspectiva Latino

Americana. Desenvolvimento e Meio Ambiente, v. 17,

, pp. 11-20.

LE GOFF, J. Memória. In: LE GOFF, J. História e Memória.

Campinas: UNICAMP, 2010, pp. 419-476.

LUCERO, M. E. Decoloniality in Latin American Art.

Southern Perspectives, 2011. Disponível em < http://

www.southernperspectives.net/tag/modernism>. Acesso

em 09/04/ 2016.

LYOTARD, J. F.. A Condição Pós-Moderna. Rio de Janeiro:

José Olympio, 2009.

MARCON, T. Memória, História e Cultura. Chapecó:

Argos, 2003.

MIGNOLO, W. Histórias Locais/ Projetos Globais:

Colonialidade, Saberes Subalternos e Pensamento

Liminar. Belo Horizonte: UFMG, 2003.

_____________ Desobediencia Epistémica. Retórica de La

Modernidad, Lógica de La Colonialidad y Gramática de

La Descolonialidad. Buenos Aires: Del Signo, 2010.

MOUFFE, C. Art Activism and Agonistic Spaces. Art &

Research, v. 1, n. 02, 2007, pp. 01-05.

NUNES, B. Introdução à Filosofia da Arte. São Paulo:

Ática, 2010.

PAREYSON, L. Os Problemas da Estética. São Paulo:

Martins Fontes, 2001.

RAMIREZ, M. C. Tactics for Thriving on Adversity:

Conceptualism in Latin America, 1960-1980. In: Ramírez,

M. C.; Olea, H. Inverted Utopias: Avant-Garde Art in Latin

America. Houston: Yale University Press, The Museum of

Fine Arts, 2004, pp. 425-439.

SARLO, B. Cenas da Vida Pós-Moderna: Intelectuais, Arte

e Vídeo-Cultura na Argentina. São Paulo: Editora UFRJ,

SOBRAL, A. Ato/ Atividade e Evento. In: BRAIT, B (Org.).

Bakhtin: Conceitos-Chave. São Paulo: Contexto, 2005.

SPIVAK, G. Pode o Subalterno Falar? Belo Horizonte:

UFMG, 2012.

PORTELLI, A. Tentando Aprender um Pouquinho: Algumas

Reflexões sobre Ética na História Oral. Projeto História

, São Paulo, n. 15, 1997, pp. 13-33.

THOMPSON, A. Recompondo a Memória: Questões

sobre a Relação entre a História Oral e as Memórias.

Projeto História 15, São Paulo, n. 15, 1997, pp. 51-71.

WILLIAMS, R. Teoría cultural. In: WILLIAMS, R. Marxismo

y Literatura. Barcelona: Ediciones Península, 1973, pp.

-164.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 PROA - Revista de Antropologia e Arte



PROA: Revista de antropologia e arte. IFCH-UNICAMP, Campinas. ISSN:2175-6015.  Conteúdos licenciados em CC BY.

Indexadores: Latindex / DOAJ / CAPES / Sumários