O teatro fora de si: considerações sobre a importância do espectador na política da arte contemporânea

  • Gustavo Lourenço Jorge Guimarães Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

Resumo

Este artigo discute as formas de percepção que estão em jogo no teatro contemporâneo e coloca no centro da discussão a relação entre arte e política. A questão principal é que nas práticas artísticas contemporâneas o espectador não pode ser entendido como um receptor passivo, mas efetivamente como um cocriador que elabora novos caminhos e propõe significados a partir da própria experiência. Partindo do teatro contemporâneo e das relações por ele propostas entre a encenação e os espectadores, o presente artigo considera que a política da arte contemporânea está menos nas tematizações e na afirmação de um engajamento artístico do que na proposição de uma experiência sensível, em que o espectador ocupa posição central.

Biografia do Autor

Gustavo Lourenço Jorge Guimarães, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro
Mestrando em Ciências Sociais – PUC-Rio

Referências

Agamben, Giorgio. O que é o contemporâneo? E outros ensaios. Chapecó: Argos, 2009.

Artaud, Antonin. O teatro e seu duplo. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

Archer, Michael. Arte contemporânea: uma história concisa. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

Benjamin, Walter. Obras escolhidas: magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 1994.

Bondía, Jorge Larrosa. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação. Jan.-abr. 2002, n. 19, pp. 20-28.

Bourriaud, Nicolas. Estética relacional. São Paulo: Martins Fontes, 2009a.

Brecht, Bertold. Estudos sobre teatro. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1978.

Canclini, Nestor Garcia. Sociedad sin relato: antropologia y estética de La inminencia. Buenos Aires: Katz, 2010.

Certeau, Michel de. A invenção do cotidiano: 1. Artes de Fazer. Petrópolis: Vozes, 2000.

Cocchiarale, Fernando. Quem tem medo da arte contemporânea? Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Massangana, 2006.

Deleuze, Gilles. Sobre o teatro: Um manifesto de menos; O esgotado. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2010.

Fernandes, Silvia. Teatralidades contemporâneas. São Paulo: Perspectiva: 2010.

Geertz, Clifford. A arte como um sistema cultural. In: O saber local: novos ensaios em antropologia interpretativa. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 2001. pp. 142-81.

Gil, José. Movimento total: o corpo e a dança. São Paulo: Iluminuras, 2005.

Gumbrecht, Hans. Produção de presença: o que o sentido não consegue transmitir. Rio de Janeiro: Contraponto: Ed. PUC-Rio, 2010.

Lazzarato, Maurizio. O acontecimento e a política. In: As revoluções do capitalismo. Rio de Janeiro: Record, 2006.

Le Breton, David. As paixões ordinárias. Petrópolis: Vozes, 2009.

Lehmann, Hans-Thies. Teatro pós-dramático. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

Machado Pais, José. Dolências e indolências da vida cotidiana. In: Lufa-Lufa Quotidiana. Ensaios sobre a cidade, cultura e vida urbana. Lisboa: ICS, 2010. pp. 21-69.

Ranciére, Jacques. A partilha do sensível: Estética e política. São Paulo: Editora 34, 2005.

________. O espectador emancipado. Lisboa: Orfeu Negro, 2010.

Sarlo, Beatriz. Cenas da vida pós-moderna: intelectuais, arte e videocultura na Argentina. Rio de Janeiro: Ed. da UFRJ, 1997.

Sontag, Susan. Contra a interpretação. Porto Alegre: L&PM, 1987.

Tarde, Gabriel. Monadologia e sociologia: e outros ensaios. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

Publicado
2011-11-01
Como Citar
Guimarães, G. L. J. (2011). O teatro fora de si: considerações sobre a importância do espectador na política da arte contemporânea. PROA Revista De Antropologia E Arte, 1(3). Recuperado de https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/proa/article/view/2425
Edição
Seção
Artigos