ENGAJAMENTO VERSUS AUTENTICIDADE: artistas e críticos em debate no final da Segunda Guerra até o início da década de 1960

  • Patrícia Reinheimer Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Resumo

O artigo propõe um resumo analítico do processo de transformação dos valores atribuídos ao produtor e ao produto artístico a partir do final da Segunda Guerra até o início da década de 1960. As críticas de Mário Pedrosa ao trabalho de Candido Portinari, a partir principalmente de 1949, indicam o caminho na desconstrução da temática na arte como parte integrante dos critérios de avaliação estética. Nesse processo, os valores do engajamento político do artista como representante de coletividades (nacionais ou de classe) e do aprendizado técnico foram substituídos por um regime de grandeza no qual a singularidade individual traduzia-se na autenticidade de uma produção artística constantemente renovada.

Biografia do Autor

Patrícia Reinheimer, Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro.
Mestre e doutora em Antropologia Social pelo Programa de Pós-graduação em Antropologia Social do Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Referências

Referências bibliográficas

ALMEIDA, P. M. de. De Anita ao museu. (Coleção Debates). São Paulo:

Perspectiva, 1976.

AMARAL, A. Arte para quê? A preocupação social na arte brasileira 1930-1970. São Paulo: Studio Nobel, 2003 [1984].

ANDRADE, M. O Movimento Modernista. Palestra proferida na Casa do

Estudante, São Paulo, 1942.

BOLTANSKI, L. & THEVENOT, L. De la justification. Les economies de la

grandeur. Paris: Éditions Galimard, 1991.

BOURDIEU, P. A institucionalização da anomia. IN: ______. O poder simbólico.

Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000 [1989].

________. As Regras da arte. São Paulo: Cia das Letras, 1996 [1992].

CASTRO, C. & CUNHA, O. M. G. da. Quando o campo é o arquivo. IN: Estudos

Históricos. CPDOC/FGV, nº 36, 2005.

CAVALCANTI, L. (Org.). Modernistas na repartição. 2a ed. Rio de Janeiro: Editora UFRJ/Minc – IPHAN, 2000.

CHUVA, M. R. R. Arquitetos da memória: a construção do patrimônio histórico e

artístico nacional no Brasil (anos 30 e 40). Tese de doutorado em História Social das Idéias, UFF, Rio de Janeiro, 1998.

CLAVERIE, É. Procès, Affaire, Cause. Voltaire et l’innovation critique. Revista

Politix, n.26, 1994.

FABRIS, A. Portinari, pintor social. São Paulo: Edusp, 1977.

GIUMBELLI, E. Para além do “trabalho de campo”: reflexões supostamente

malinowskianas In Revista Brasileira de Ciências Sociais Vol. 17 No 48. fevereiro/2002.

GUILBAUT, S. Comment New York vola l’idée d’art moderne. Expressionnisme

abstrait, liberté et guerre froide. Paris: Hachette Littératures, 1996.

GUIMARAENS, D. T. P. de. A reinvenção da tradição: ícones nacionais de duas

Américas. Tese de Doutorado defendida no Programa de Pós-Graduação em

Antropologia Social da Universidade Federal do Rio de Janeiro, 1998.

HEINICH, N. La gloire de Van Gogh. Essai d’Anthropologie de l’Admiration.

Paris: Les Éditions de Minuit, 1991.

_______. La sociologie de l’art. Paris: Éditions la Découverte, 2004 [2001].

_______. L’Élite artiste. Excellence et singularité en régime démocratique. Paris:

Éditions Gallimard, 2005.

MICHAUD, E. Histoire de l’art une discipline à ses frontières. Paris: Hazan, 2005.

REINHEIMER, P. A singularidade como regime de grandeza: nação e indivíduo

como valores nos discursos artísticos brasileiros. Tese de Doutorado defendida no Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social, no Museu Nacional, da

Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2008.

SIMMEL, G. Freedom and the individual. IN: LEVINE, D. N. (ed). On individuality

and social forms. Chicago: Chicago University Press, 1971.

THOMAS, N. Possessions: Indigenous Art/Colonial Culture. New York: Thames and Hudson, 1999.

TRAVASSOS, E. Os mandarins milagrosos. Arte e etnografia em Mário de

Andrade e Bela Bartók. Rio de Janeiro: Funarte/Jorge Zahar Editor, 1997.

WEBER, M. A ciência como vocação. IN: _______. Ciência e política: duas

vocações. Prefácio de Manoel T. Berlink. São Paulo: Editora Cultrix, 1968.

________.. A política como vocação. IN: GERTH, H. H. & MILLS, W. (Orgs). Ensaios de sociologia. 5. ed. Rio de Janeiro: Editora Guanabara, 1982.

WIDDIFIELD, S. G. The embodiment of the national in late nineteenth-century

Mexican painting. The University of Arizona Press, Tucson, 1996.

WILLIAMS, D. Culture Wars in Brazil. The First Vargas Regime, 1930 – 1945.

Duke University Press, Durham & London, 2001.

Fontes etnográficas

AQUINO, F. de. O painel de Tiradentes. Diário de Notícias, Rio de Janeiro, RJ, 7

ago. 1949. Movimento Artístico. (PR-1440)

AURICOSTE, E. Mon ami Portinari. Arts de France, Paris, sept. 1946. PR-7716

BENTO, A. 1946. Portinari em Paris. Diário Carioca, Rio de Janeiro, RJ, 23 out. 1946. As Artes. PR-1053

_______. O "Tiradentes" de Portinari. Diário Carioca, Rio de Janeiro, RJ, 2 ago.

b. As Artes. (PR-1474)

_______. Portinari e Matisse no "Time". Diário Carioca, Rio de Janeiro, RJ, 19

jan. 1949c. As Artes. (PR-1357)

CALLADO, A. Tiradentes e o tambor. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, RJ, [set.

. (PR-1473)

CAMPOFIORITO, Q. O "mural". O Jornal, Rio de Janeiro, RJ, 11 ago. 1949. Artes

Plásticas. (PR-1455)

_________. Prejuízo irremediável para a minha obra, afirma Portinari. O Jornal,

Rio de Janeiro, RJ, 25 mar. 1949a. (PR-1365)

_________. Portinari em São Paulo. O Jornal, Rio de Janeiro, RJ, 30 set. 1949b.

Artes Plásticas. (PR-1696)

CHATEAUBRIAND, A. O bazar do turco. O Jornal, Rio de Janeiro, 10 dez. 1942.

(PR-627).

CONVERSAM os pintores Portinari e Quirino. Diário de São Paulo, São Paulo, SP,

set. 1949. (PR-1609)

DEL PICCHIA, M. Portinari. A Gazeta, São Paulo, SP, 10 set. 1949. (PR-1620)

FERRAZ, G. Portinari. Jornal de São Paulo, São Paulo, SP, 11 set. 1949. (PR-

JURANDIR, D. O latifúndio é a causa da miséria. Tribuna Popular, Rio de

Janeiro, RJ, 25 ago. 1945. (PR-8730).

KELLY, C. O retrato social de Tiradentes. A Noite, Rio de Janeiro, RJ, 8 ago.

Letras e Artes. (PR-1439)

_______. Uma nota de arte em meio da floresta. A Noite, Rio de Janeiro, RJ, 20

abr. 1949a. Letras e Artes. (PR-1386)

LIMA, J. de. O caminho da individualização. A Manhã, Rio de Janeiro, RJ, 11

ago. 1949. (PR-1461)

MARTINS, I. de O. O novo realismo de Candido Portinari. Jornal de Notícias, São

Paulo, SP, 25 set. 1949. (PR-1695)

MILLIET, S. O painel de Tiradentes. O Estado de S. Paulo, São Paulo, SP, 6 set.

(PR-1607)

MORAES, J. Tiradentes e Portinari. [s.n., Rio de Janeiro, RJ], Voz Operária, 13

ago. 1949. (PR-1465)

PEDROSA, M. 1933. As tendências sociais na arte de Käthe Kollwitz (1933) IN:

ARANTES, O. (Org.) Política das Artes. Textos escolhidos I. Mário Pedrosa. São Paulo: Edusp, 1995.

________. Impressões de Portinari In Diário da Noite, Rio de Janeiro, RJ, 7 dez. 1934 (PR-252).

________. Pintura e Portinari. O Espelho, Rio de Janeiro, RJ, mar. 1935. (PR-278).

________. Portinari - de Brodósque aos murais de Washington. Boletim da União Panamericana, Washington, D.C., mar. 1942. (PR-7720).

________. Portinari de volta. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, RJ, 11 dez. 1946. Artes Plásticas. PR-1099

________. A escola e a vida. Correio da Manhã. Rio de Janeiro, 8 de nov. 1946b. (Cedem)

________. 1947. Arte, necessidade vital In ARANTES, O. (Org.) Forma e percepção estética: textos escolhidos II. São Paulo: Edusp, 1996.

________. Curso de desenho e artes gráficas. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, RJ, 15 de fevereiro de 1947a.

________. Autin. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, RJ, 23 de fevereiro, de 1947b.

________. Da boemia e dos jovens. Correio da Manhã. Artes Plásticas. 09 de

agosto de 1947d. (Cedem)

________. 1947e. Pedrosa. A resistência alemã na arte. IN: ARANTES, Otília

(Org.). Política das artes. Textos escolhidos I. São Paulo: Edusp, 1995.

________. 1947f. A força educadora da arte. IN: ARANTES, O. (Org.) Forma e

percepção estética: textos escolhidos II. São Paulo: Edusp, 1996.

________. 1947g. A ação de presença da arte. IN: ARANTES, O. (Org.) Forma e

percepção estética: textos escolhidos II. São Paulo: Edusp, 1996.

________. De Diderot a Lhote In Correio da Manhã, Rio de Janeiro, RJ. 16 de janeiro de 1947h. (Cedem)

________. Pintura do século vinte. Artes Visuais, Jornal do Brasil. 15 de junho de 1947i.

________. Sinceridade e personalidade. Artes Visuais, Jornal do Brasil. Rio de Janeiro, 4 de setembro de 1947j.

________. O painel de Tiradentes. Correio da Manhã. Rio de Janeiro, RJ, 17 de agosto de 1949a. (Cedem)

________. Dentro e fora da Bienal: evolução ou involução dos "mestres"

brasileiros. Diário Carioca, Rio de Janeiro, RJ, 14 mar. 1954. (PR-2818)

________. O foot-ball na arte. Jornal do Brasil. Rio de Janeiro, RJ. 15-5-1957

________. O crítico e o diretor. Jornal do Brasil. 22 de novembro de 1960. (FBN)

REGO, J. L. do. O Tiradentes de Portinari. O Globo, Rio de Janeiro, RJ, 9 ago.

(PR-1456)

REIS JUNIOR, J. M. dos. O "Tiradentes". Jornal de Debates, Rio de Janeiro, RJ, 9

set. 1949. (PR-1612)

SQUEFF, E. Diante do extraordinário sucesso da exposição do painel de

Tiradentes... A Cidade, Rio de Janeiro, RJ, 6 ago. 1949. Meio da Rua. (PR-1453)

WAINER, S. Acabou-se o boicote contra Portinari. [s.n., São Paulo, SP, set.

. Por Trás da Cortina. (PR-1435)

Publicado
2009-11-01
Como Citar
Reinheimer, P. (2009). ENGAJAMENTO VERSUS AUTENTICIDADE: artistas e críticos em debate no final da Segunda Guerra até o início da década de 1960. PROA Revista De Antropologia E Arte, 1(1). Recuperado de https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/proa/article/view/2395
Edição
Seção
Artigos