A pesquisa em teatro: uma convenção

Bernardo Fonseca Machado

Resumo


No final do século XX, o “teatro de pesquisa” – como prática artística – tornou-se teatralmente verossímil, culturalmente aceitável e economicamente possível na cidade de São Paulo. Este artigo procura apresentar em linhas rápidas quais condições possibilitaram a consolidação de tal expediente teatral. Uma geração de criadores – jovens formados no final dos anos 1980 – contribuiu para instaurar novos modos de produção cênica na cidade. Ao longo dos anos 1990 e 2000, foi elaborada uma estrutura para assegurar o “teatro de pesquisa”: políticas de financiamento público; criação de universidades de artes cênicas; definição de uma agenda para pesquisa de linguagem. Experiência social e convenções teatrais misturaramse, então, num sistema que se modifica constantemente, gerando novos padrões de criação e de produção artística.

Texto completo:

PDF

Referências


Azevedo, Elizabeth (coord.). CAC em cena: a produção artística do Departamento de Artes Cênicas da USP entre

os anos de 1966 e 2005. 2006. Relatório final de Iniciação Científica – FAPESP. Departamento de Artes

Cênicas, ECA/USP, São Paulo.

Betti, Maria Silvia. Na trilha do mestre: Décio de Almeida Prado como formador. In: Faria, João Roberto;

Areas, Vilma; Aguiar, Flávio (orgs.). Décio de Almeida Prado: um homem de teatro. São Paulo: Edusp, 1997.

Bourdieu, Pierre. O mercado de bens simbólicos. In: ______. A economia das trocas simbólicas. Introdução,

organização e seleção Sergio Miceli. São Paulo: Perspectiva, 2005.

Brandão, Tania. Uma empresa e seus segredos: Companhia Maria Della Costa. São Paulo: Perspectiva; Rio de

Janeiro: Petrobrás, 2009.

Brecht, Bertold. Teatro Dialético: ensaios. Seleção Luiz Carlos Maciel. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. 1977.

Carvalho, Sérgio de (org.). Introdução ao teatro dialético: experimentos da Companhia do Latão. São Paulo:

Expressão Popular; Companhia do Latão, 2009.

Carvalho, Tania. Charles Möeller e Claudio Botelho: os reis dos musicais. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de

São Paulo, 2009.

Cesarino, Pedro (org.). Nóz – Caderno Livre. São Paulo: Cia. Livre, 2008.

Charle, Christophe. A gênese da sociedade do espetáculo: teatro em Paris, Berlim, Londres e Viena. Apresentação

Heloisa Pontes. Tradução Hildegard Feist; Coordenação Sergio Miceli. São Paulo: Companhia das Letras,

Cohen, Renato. Performance como linguagem. 2 ed. São Paulo: Perspectiva, 2007 (1989).

Costa, Iná Camargo. Teatro de grupo contra o deserto do mercado, 2007. Disponível em:

inhis.ufu.br/PDF15/H&T_Costa.pdf>.

______ .; Carvalho, Dorberto. A luta dos grupos teatrais de São Paulo por políticas públicas para a cultura: os cinco

primeiros anos da lei de fomento ao teatro. São Paulo: Cooperativa Paulista de Teatro, 2008.

Dort, Bernard. La représentation émancipée. Paris: Actes Sud, 1988.

______ . O teatro e sua realidade. São Paulo: Perspectiva, 1977.

Fernandes, Silvia. Memória e invenção: Gerald Thomas em cena. São Paulo: Perspectiva; FAPESP, 1996.

______ . Grupos Teatrais – anos 70. Campinas: Ed. da Unicamp, 2000.

______ . Teatralidades Contemporâneas. São Paulo: Perspectiva, FAPESP, 2010.

Gombrich, Ernst Hans. Arte e Ilusão: um estudo da psicologia da representação pictórica. Tradução Raul de Sá

Barbosa. Revisão da tradução Monica Stahel. 4ª ed. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2007.

Guzik, Alberto. TBC: crônica de um sonho. São Paulo: Perspectiva, 1986.

Maciel, Luiz Carlos. Quem é quem no teatro brasileiro. Arte em Revista, São Paulo, ano I, nº 2, maio-ago. 1979.

Milaré, Sebastião. Antunes Filho e a dimensão utópica. São Paulo: Perspectiva, 2007.

Patriota, Rosangela; Guinsburg, Jacó (orgs.). J. Guinsburg, cena em aula: itinerários de um professor em devir. São

Paulo: Edusp, 2009.

Pavis, Patrice. A encenação contemporânea: origens, tendências, perspectivas. Tradução Nanci Fernandes. São Paulo:

Perspectiva, 2010

Pontes, Heloísa. “Retratos do Brasil: editores, editoras e ‘Coleção Brasiliana’ nas décadas de 30, 40 e 50”. In. Miceli, Sergio

(org.). História das ciências sociais no Brasil. São Paulo: Vértice, Revista dos Tribunais, IDESP, 1989.

______ . Intérpretes da Metrópole – História social e relações de gênero no teatro e no campo intelectual (1940-1968). São Paulo:

Edusp, FAPESP. 2010.

Prado, Décio de Almeida. O teatro brasileiro moderno. 3ª ed. São Paulo: Perspectiva, 2007.

Roubine, Jean-Jacques. A linguagem da encenação teatral. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.

Sanches, Pedro Alexandre. Grupos Revitalizam o teatro em São Paulo – Após período de culto a diretores e atores, cresce o

reconhecimento da companhia como força. Folha de São Paulo, São Paulo, 6 abr. 1995. Caderno Ilustrada, p. 5

Schorske, Carl E. Viena fin-de-siècle: política e cultura. Tradução Denise Bottmann. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

Silva, Armando Sergio da. Oficina: do Teatro ao Te-Ato. São Paulo, Perspectiva, 1981.

Wölfflin, Heinrich. Conceitos fundamentais da história da arte: o problema da evolução nos estilos da arte mais recente. Tradução

João Azenha Junior. 4ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 PROA - Revista de Antropologia e Arte



PROA: Revista de antropologia e arte. IFCH-UNICAMP, Campinas. ISSN:2175-6015.  Conteúdos licenciados em CC BY.

Indexadores: Latindex / DOAJ / CAPES / Sumários