Um crítico de arte em trânsito: os múltiplos papéis desempenhados por Mário Pedrosa no campo artístico brasileiro

  • Tarcila Soares Formiga Universidade Federal do Rio de Janeiro

Resumo

Mário Pedrosa foi reconhecido por sua contribuição para o desenvolvimento da crítica de arte brasileira e também por sua militância política. Embora tenha se destacado por sua atuação nesses dois campos, também desempenhou um papel central na formação de um grupo de artistas no Rio de Janeiro e nos debates entre partidários do abstracionismo e partidários do realismo, que foram fundamentais para o processo de renovação da arte moderna brasileira. Tendo em vista o envolvimento de Pedrosa em diversos campos de atividades, o objetivo deste artigo é investigar como seu empenho em aproximar-se dos artistas e tomar partido nas polêmicas envolvendo os movimentos artísticos contribuiu para que ele se consolidasse como uma autoridade nos assuntos relativos à arte em um momento em que os críticos buscavam reconhecimento sob a chancela das universidades.

Referências

A arte deve influir sobre o homem contemporâneo. Correio da Manhã, Rio de Janeiro,

dez. 1955.

Alambert, Francisco. Milliet-Pedrosa: aproximações rumo à ação socializadora. In: Gonçalves,

Lisbeth Rebollo (org.). Sergio Milliet -100 anos: trajetória, crítica de arte e ação cultural. São

Paulo: ABCA, 2004.

Amaral, Aracy. Prefácio. In: Gullar, Ferreira. Etapas da arte contemporânea: do cubismo à arte

neoconcreta. Rio de Janeiro: Revan, 1999.

______. Arte para quê? A preocupação social na arte brasileira 1930-1970. São Paulo: Nobel, 1984.

______. Prefácio. In: Pedrosa, Mário. Arte: forma e personalidade. São Paulo: Kairós, 1979.

Arantes, Otília Beatriz Fiori. Mário Pedrosa: itinerário crítico. São Paulo: Página Aberta, 1991.

Braga, Rubem. Exercícios. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 11 jul. 1959a.

______ . Um malvado. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 21 jun. 1959b.

Campofiorito, Quirino. MAM de São Paulo: novo diretor. Diário da Noite, Rio de janeiro, 2

dez. 1960.

______ . Os precursores. Diário da Noite, Rio de Janeiro, 9 jun. 1949a.

______ . Pintura moderna. Diário da Noite, Rio de Janeiro, 8 jun 1949b.

______. Revolução na pintura. Diário da Noite, Rio de Janeiro, 29 maio 1949c.

Candido, Antonio. Crítica impressionista. Remate de males, Campinas, Unicamp, 1999.

Catálogo Grupo Frente. Rio de Janeiro: IBEU, 1994.

Grupo “Frente” no MAM. Rio Magazine, Rio de Janeiro, ago. 1995.

Gullar, Ferreira. Vanguarda e subdesenvolvimento: ensaios sobre arte. Rio de Janeiro: Civilização

Brasileira, 1969.

Mari, Marcelo. Estética e Política em Mário Pedrosa (1930-1950). 2006. Tese (Doutorado em

Filosofia) – Universidade de São Paulo, São Paulo.

______. Mário Pedrosa e Ferreira Gullar – Sobre o ideário da crítica de arte nos anos 50. 2001.

Dissertação (Mestrado em Arte publicitária e produção simbólica) – Escola de Comunicação

e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Moura, Flávio Rosa. Obra em construção: a recepção do neoconcretismo e a invenção da arte

contemporânea no Brasil. 2011. Tese (Doutorado em Sociologia) – Universidade de São

Paulo, São Paulo.

Pedrosa, Mário. Acadêmicos e modernos. São Paulo: Edusp, 1998.

______. Forma e percepção estética. São Paulo: Edusp, 1996.

______. Política das artes. São Paulo: Edusp, 1995.

______. Arte: forma e personalidade. São Paulo: Kairós, 1979.

______ . O paradoxo concretista. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 26 jun. 1959.

______. O ponto de vista do crítico. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 17 out. 1957a.

______. O mestre brasileiro de sua época. Rio de Janeiro, Jornal do Brasil, 18 jun. 1957b.

______ . Arte nos Estados Unidos e na Rússia. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 10 maio 1957c.

______. Só duas vezes por ano o crítico vai à praia. Tribuna da Imprensa, Rio de Janeiro, 9 dez.

______ . Arte e revolução. Tribuna da Imprensa, Rio de Janeiro. 29 mar. 1952.

______. A experiência de Ivan Serpa. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, 18 ago. 1951.

______ . Dos realistas e românticos aos impressionistas. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, set.

Pellegrino, Hélio. Prefácio. In: Figueiredo, Carlos Eduardo de Senna. Mário Pedrosa: retratos

do exílio. Rio de Janeiro: Antares, 1982.

Pontes, Heloisa. Destinos mistos: os críticos do grupo Clima em São Paulo (1940-1968). São Paulo:

Companhia das Letras, 1998.

Reinheimer, Patricia. Engajamento versus autenticidade: artistas e críticos em debate no final

da Segunda Guerra até o início da década de 1960. Revista Proa, Campinas, v. 1, n. 1, 2009.

______. A singularidade como regime de grandeza: nação e indivíduo como valores no discurso

artístico brasileiro. 2008. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Universidade Federal

do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Ribeiro, Marcelo. Arte, socialismo e exílio. Formação e atuação de Mario Pedrosa de 1930 a 1950.

Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio

de Janeiro.

Sant’Anna, Sabrina. Construindo a memória do futuro: uma análise da Fundação do Museu de

Arte moderna do Rio de Janeiro. 2008. Tese (Doutorado em Sociologia e Antropologia) –

Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de

Janeiro.

______. “Pecados da Heresia”: trajetória do concretismo carioca. 2003. Dissertação (Mestrado

em Sociologia e Antropologia) – Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, Universidade

Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Villas-Bôas, Glaucia. A estética da conversão. O ateliê do Engenho de Dentro e a arte concreta

carioca (1946-1951). Tempo Social, São Paulo, v. 20, n. 2, 2008.

Zílio, Carlos. A querela do Brasil: a questão da identidade da arte brasileira. Rio de Janeiro: Relume

Dumará, 1997.

Publicado
2012-12-01
Como Citar
Formiga, T. S. (2012). Um crítico de arte em trânsito: os múltiplos papéis desempenhados por Mário Pedrosa no campo artístico brasileiro. PROA Revista De Antropologia E Arte, 1(4). Recuperado de https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/proa/article/view/2349
Edição
Seção
Artigos