Serpentes de Arumã. Fabricação e estética entre os Wayana (Wajana) na Amazônia Oriental

Lucia Hussak van Velthem

Resumo


A categoria artesanal da cestaria constitui uma esfera do saber masculino, dotada de dimensões criativas e estéticas entre os Wayana, povo de língua carib na Amazônia Oriental. O artigo enfoca dois artefatos trançados, conectados a um complexo sistema representativo e conceitual, o tipiti e o cesto cargueiro “pintado” estão no centro da análise. Nestes artefatos pode
ser percebido um duplo sentido: o de recriação, pois são “fabricados”, mas de acordo com os parâmetros estabelecidos nos tempos primordiais, e o de transposição e, portanto, são “marcados” com as pinturas corporais/estruturas epiteliais das serpentes sobrenaturais das quais transmitem a essência.

Texto completo:

PDF

Referências


ARONI, B. Por uma etnologia dos artefatos: arte cosmológica, conceitos mitológicos. Proa – Revista de Antropologia e Arte [on-line], ano 2, v. 1, n. 2, set. 2010.Disponível em:

www.ifch.unicamp.br/proa/ArtigosII/brunoaroni>. Acesso em: 12 nov. 2013.

FRIKEL, P. Os Tiriyó: seu sistema adaptativo. Hannover: Kom. Munstermann Druck. 1973.

GELL, A. Te technology of enchantment and the enchantment of technology. In: COOTE, J.; SHELTON, A. (Eds.). Anthropology, Art and Aesthetics. Oxford: Clarendon Press, 1992. .

GOW, P. Visual compulsion: design and image in Western Amazonian cultures. Revindi. Revista Indigenista Latinoamericana, Budapeste, 2:19-32, 1988.

GOW, P. Piro designs: painting as meaningful action in an Amazonian lived world. Journal of the Royal Anthropological Institute (N.S.), Londres, 5: 229-246, 1999.

GUSS, D. All things made: myths of the origins of artifacts. Ithaca: Laila, 1987.

GUSS, D. To weave and sing: Art, symbol and narrative in the South American rainforest. Berkeley: UCP, 1989.

JAMIN, J. La règle de la boite de conserve. L’Homme, Paris, v. 170 (Espèce d’objets): 7-10. 2004.

OVERING, J. A estética da produção: o senso de comunidade entre os Cubeo e os Piaroa. Revista de Antropologia, São Paulo, 34:7-34, 1991.

OVERING, J. O fétido odor da morte e os aromas da vida. Poética dos saberes e processo sensorial entre os Piaroa da Bacia do Orenoco. Revista de Antropologia, São Paulo, 49(1):19-54, 2006.

PAES LOUREIRO, J. J. Códigos do imaginário amazônico. In: MANESCHY, O. (Org.). Amazônia, lugar da experiência. Belém: Ed. UFPA, 2013. p. 139-143.

RIBEIRO, B. A civilização da palha: a arte do trançado dos indios do Brasil. Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1980.

RIBEIRO, B. A arte do trançado dos índios do Brasil: um estudo taxonômico. Belém: MPEG/Funarte, 1985.

RIBEIRO, B. Suma etnológica brasileira. Petrópolis: Vozes. 1986. v. II.

RIBEIRO, B. Dicionário do artesanato indígena. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Edusp, 1988.

RICARDO, C. A. Arte baniwa: cestaria de arumã. São Paulo: ISA/ Foirn, 2000.

VELTHEM, L. H. VAN. A pele de tuluperê: uma etnografa dos trançados wayana. Belém: MPEG, 1998.

VELTHEM, L. H. VAN. Os primeiros tempos e os tempos atuais; artes e estéticas indígenas. Artes Indígenas. São Paulo: Mostra do Redescobrimento (Catálogo) 2000. p. 58-91.Serpentes de Arumã. Fabricação e estética entre os Wayana | PROA – revista de antropologia e arte

VELTHEM, L. H. VAN. Fazer, fazeres e o mais belo feito. In: BRITO, Joaquim Paes de. (Org.). Os índios, nós. Lisboa: Assirio e Alvim/MNE, 2002. p. 174-178.

VELTHEM, L. H. VAN. O belo é a fera: a estética da produção e da predação entre os Wayana. Lisboa: Assirio e Alvim, 2003.

VELTHEM, L. H. VAN. Te woven universe: Carib basketry. In: MCEWAN, C. (Org.). Unknown Amazon. Londres: Te British Museum Press, 2001.

VELTHEM, L. H. VAN. Les mains, les yeux, le movement: les tressages des Indiens au Brésil. Brésil Indien: Les arts des Amérindiens du Brésil. Paris: Éditions de la Réunion des Musèes, 2005. p. 214-241.

VELTHEM, L. H. VAN. Trançados indígenas norte amazônicos: fazer, adornar, usar. Revista de Estudos e Pesquisas, Brasilia, 4:2, p. 117-146, 2007.

VELTHEM, L. H. VAN. Mulheres de cera, argila e arumã; princípios criativos e fabricação material entre os Wayana. Mana: Estudos de antropologia Social , Rio de Janeiro15:1, p. 213-236, 2009.

VELTHEM, L. H. VAN. Cestos, peneiras e outras coisas: a expressão material do sistema agrícola no rio Negro. Revista de Antropologia, São Paulo, v. 55 n. 1, p. 401-437, 2012.

VELTHEM, L. H. VAN. Artes indígenas. Notas sobre a lógica dos corpos e dos artefatos. Textos Escolhidos de Cultura e Artes Populares, Rio de Janeiro, 7:1, p. 54-65, 2010.

VELTHEM, L. H. VAN; LINKE, I. V. V. (Orgs.). Livro da arte gráfca Wayana e Aparai. Rio de Janeiro: Museu do Índio – Funai/Iepe, 2010.

VIVEIROS DE CASTRO, E. Perspectivismo e multinaturalismo na América Indígena. In: VIVEIROS DE CASTRO, E. A inconstância da alma selvagem e outros ensaios de antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2002. p. 345-399.

YDE, J. Material Culture of the Waiwai. Copenhagen: National Museum of Denmark, Ethnographic series, 10, 1965.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 PROA - Revista de Antropologia e Arte



PROA: Revista de antropologia e arte. IFCH-UNICAMP, Campinas. ISSN:2175-6015.  Conteúdos licenciados em CC BY.

Indexadores: Latindex / DOAJ / CAPES / Sumários