• Leibniz e a China. Leibniz and China
    v. 1 n. 1 (2017)
    O primeiro número da Modernos & Contemporâneos é dedicado a um tema muito especial, qual seja, à relação entre filosofia ocidental e chinesa, a partir dos escritos de Leibniz sobre a China. Isso mesmo! Leibniz escreveu sobre a filosofia chinesa e o Dossiê que inaugura a Modernos & Contemporâneos é resultado do V Colóquio Internacional sobre Filosofia Oriental ocorrido na UNICAMP, em outubro de 2016, dedicado especialmente aos escritos de Leibniz sobre a filosofia chinesa. Leibniz nunca esteve na China, mas viveu em uma época de intenso intercâmbio intelectual entre a Europa e a China, através dos missionários jesuítas enviados àquele longínquo território. Grande parte destes missionários era composta por reconhecidos matemáticos, físicos e astrônomos, enviados com o claro propósito de “mapear” o nível de conhecimento científico que os chineses haviam atingido, copiar seus conhecimentos e descobertas e envi á-los à Europa. Resulta daí um intenso intercâmbio, no qual Leibniz se insere através de sua correspondência com vários missionários lá residentes, gerando volumosa correspondência com centenas de cartas que abordam os mais variados temas, tais como a existência na China de algo próximo à geometria euclidiana, de uma física e astronomia comparável às ciências europeias, em última instância, se os chineses possuiriam algum conhecimento metafísico semelhante à filosofia ocidental e uma teologia compatível com a fé cristã.. Os autores dos textos que compõem este dossiê ocupam relevante lugar no debate internacional sobre o tema. Temos ainda quatro textos avulsos, que, de diferentes maneiras, estão, ligados à relação entre a filosofia chinesa e o pensamento ocidental. Enriquecem também nosso dossiê duas traduções de parte de um dos principais textos da filosofia chinesa antiga e a tradução de um curto, mas não pouco interessante, texto de Leibniz. A todos desejo uma boa leitura e um longo e consistente caminho para essa iniciativa, que se consolida neste primeiro número da Revista Modernos & Contemporâneos. Antonio Florentino Neto – Organizador deste Dossiê e Editor da Revista.
  • Descartes e sua correspondência. Descartes and his correspondence
    v. 1 n. 2 (2017)
      O dossiê Descartes e sua correspondência teve a sua escolha motivada em boa parte pela elaboração de novas edições da correspondência de Descartes na França ( Jean-Robert Armogathe), na Itália (Giulia Belgioioso), na Holanda (Erik-Jan Bos) e nos Estados Unidos (Roger Ariew). Contribuiu também para essa escolha a pesquisa apresentada e o debate que se seguiu ao Colóquio homônimo realizado em Campinas pelo GT (Grupo de Trabalho) Estudos Cartesianos da ANPOF. Trata-se de um esforço de acompanhar a mais atualizada pesquisa filológica dos textos de Descartes e explorar, como diria Jean-Robert Armogathe, o “laboratório do pensamento” do autor. Explicando e desenvolvendo suas teses metafísicas, científicas e morais, Descartes estabelece em sua correspondência um diálogo culto e esclarecedor com importantes pensadores, teólogos e cientistas da sua época, como Marin Mersenne, Antoine Arnauld, Isaac Beeckman, Jean-Baptiste Morin, Claude Picot, Pierre Fermat, Henry More, Thomas Hobbes, Constantijn Huygens e Elisabeth da Boêmia. Já não se trata do filósofo que em sua solidão contemplativa escreve só para si mesmo a fim de tornar mais claro o seu pensamento, mas daquele que se submete a uma interlocução reflexiva num círculo privado. Domínio próprio, em que o pensamento se ensaia e se justifica, em que seu grau de liberdade e de provocação intelectual, embora variável conforme o correspondente, tem um estatuto diferente do autor editado cuja obra circula ostensivamente. Nesse registro da correspondência, podemos ver efetivamente como Descartes é entendido e apreciado pelos seus contemporâneos, podemos verificar de modo privilegiado como a sua época o recebe. Tendo como ponto de partida as referidas pesquisas e preocupações teóricas, o dossiê pretende, portanto, incentivar o desdobramento destas e outras questões correlatas com o intuito de elucidar um pouco mais o pensamento cartesiano: Como o corpus cartesiano ampliado e tratado com um maior rigor filológico pode contribuir para o aperfeiçoamento da sua interpretação? Qual é o estatuto desse domínio próprio da correspondência, em que o pensamento se exerce com características muito específicas? Como a correspondência expõe ou aprofunda as teses de Descartes? De que modo certas doutrinas podem emergir na correspondência, como a livre criação das verdades eternas, a terceira noção primitiva, o juízo de gosto e a alma dos animais? Como complemento do dossiê, temos uma seção de tradução de importantes cartas de Descartes, para melhor ilustrar o que está sendo debatido e pensado, bem como mostrar o profícuo campo de trabalho da pesquisa cartesiana que se abre na atualidade. Enéias Forlin Alexandre Guimarães Tadeu de Soares
  • Ciência e Arte na Filosofia da Escola de Kyoto. Science and Art in the Kyoto School Philosophy
    v. 2 n. 3 (2018)
    A revista de filosofia do IFCH da Unicamp, Modernos & Contemporâneos apresenta neste número o dossiê Ciência e arte na Filosofia da Escola de Kyoto, que traz os textos apresentados no VI Colóquio Internacional de Filosofia Oriental da Unicamp, que ocorreu em outubro de 2017. Os textos nos apresentam reflexões de renomados autores sobre arte e ciência na Filosofia da Escola de Kyoto e um texto complementar de José Jorge de Carvalho, sobre Dogen, que não foi apresentado neste colóquio, mas que está intimamente vinculado ao tema do dossiê. Temos também, neste número, quatro contribuições avulsas, mas que de alguma forma circulam a questão proposta no dossiê. Por últimos apresentamos a tradução feita por Joaquim Monteiro de uma importante contribuição do filósofo japonês Hajime Tanabe sobre o engajamento político de Heidegger durante o Nazismo alemão. Mais uma vez a Modernos e Contemporâneos nos brinda com sua excelência e riqueza ao nos apresentar um dossiê dedicado à uma temática pouco pesquisada pela filosofia no Brasil: A Filosofia da Escola de Kyoto. A todos desejo uma boa leitura! Antonio Florentino Neto – Organizador deste Dossiê e Editor da Revista.  
  • Spinoza Contemporâneo. Contemporary Spinoza
    v. 2 n. 4 (2018)
    O presente dossiê Spinoza contemporâneo é a expressão de certas das tantas tendências representativas da prática teórico-interpretativa sobre a escritura de Spinoza que anima o cenário latino e americano. As contribuições aqui dispostas versam sobre a contemporaneidade de Spinoza por ao menos três movimentos insignes, a saber, pelo que se faz interpretativamente na estrutura de pensamento de Spinoza, pelo próprio fazer contemporâneo sobre a estrutura de pensamento Spinoza e, por fim, pela diversidade de posicionamento de certas problemáticas através da estrutura de pensamento de Spinoza nas tantas searas ou campos discursivos da prática filosófica. Se no primeiro caso, é a concatenação genealógica de imagens do spinozismo que permite historicamente por certo e determinado modo apreender a escritura de Spinoza, no segundo, é a atual conjuntura que amplamente se efetiva no próprio ato de fazer sobre sua escrituração. Certa conjugação entre ambos os movimentos mutuamente referidos avança para o terceiro movimento como aquele que transpassa os tantos campos da prática filosófica, da estética à política, inquirindo com a potência da estrutura de pensamento de Spinoza os problemas que estão na ordem do dia e que, por vezes, não foram objeto temático e específico de nosso autor. Este último movimento é, em sentido forte, o efeito da imagem contemporânea de Spinoza, o qual modifica em ato, portanto, os dois primeiros movimentos. Ademais, o leitor encontrará também neste número duas resenhas críticas e cinco traduções: duas cartas de Spinoza, um escrito de Goethe e, por fim, inéditos em nossa língua, um excerto do diário de Lou Andreas-Salomé e um artigo de Étienne Balibar. Vittorio Morfino e Diego Lanciote
  • Dossiê nº5 - Filosofia & Psicanálise (vol. 1) Org. Daniel Omar Perez Alexandre Starnino Filosofia & Psicanálise (Volume 1) - Philosophy & Psychoanalysis (Volume 1)
    v. 3 n. 5 (2019)
    O dossiê especial Filosofia & Psicanálise, dividido em dois volumes, disponibiliza ao leitor contribuições de autores do Brasil, França e Argentina. Os textos, traduções e resenhas reunidos versam sobre o arcabouço teórico freudolacaniano na relação conceitual com a Filosofia e outras áreas do saber. O desenvolvimento das problemáticas teóricas e clínicas alçadas em ambos os volumes se estabelecem ou pela explicação textual, explicitando a gênese, a articulação dos conceitos psicanalíticos e suas relações intertextuais e conceituais, ou então o caminho da contraposição, relação ou confronto entre Filosofia, Psicanálise e Política. Em específico neste primeiro volume, o leitor encontrará doze artigos selecionados no dossiê, além de três artigos independentes, quatro resenhas críticas e uma tradução. A divisão dos textos do dossiê se consuma pela proximidade teórica, sendo os primeiros artigos mais vinculados ao lacanismo e suas interlocuções e, os subsequentes, ao freudismo e suas interlocuções. Os organizadores desejam a todos uma excelente leitura. Daniel Omar Perez e Alexandre Starnino
  • Número especial : Filosofia & Psicanálise (Volume 2). Special issue : Philosophy & Psychoanalysis (Volume 2)
    v. 3 n. 6 (2019)
    O dossiê Filosofia & Psicanálise apresenta o seu segundo volume disponibilizando ao leitor contribuições de autores do Brasil, França e Argentina. Os textos, traduções e resenhas reunidos versam sobre o arcabouço teórico freudolacaniano na relação conceitual com a Filosofia e outras áreas do saber. O desenvolvimento das problemáticas teóricas e clínicas alçadas em ambos os volumes se estabelecem ou pela explicação textual, explicitando a gênese, a articulação dos conceitos psicanalíticos e suas relações intertextuais e conceituais, ou então o caminho da contraposição, relação ou confronto entre Filosofia, Psicanálise e Política. Em especifico neste segundo volume, o leitor encontrará doze artigos selecionados no dossiê, além de quatro artigos independentes e duas traduções. Os organizadores desejam a todos uma excelente leitura. Daniel Omar Perez e Alexandre Starnino
  • Descartes: Discurso do Método e Ensaios. Descartes: Discourse on the Method and Essays.
    v. 3 n. 7 (2019)

    É com satisfação que oferecemos aos leitores da Modernos & Contemporâneos o dossiê “Descartes: Discurso do Método e Ensaios”. O dossiê reúne textos de brasileiros e estrangeiros, pesquisadores do pensamento cartesiano, que participaram do “Colóquio Internacional Descartes: Discurso do Método e Ensaios”, realizado na Unicamp entre os dias 3 a 5 de outubro de 2017 no âmbito do 1º. Congresso Fausto Castilho de Filosofia.

    O Colóquio, organizado pelo GT Estudos Cartesianos, teve como eixo dos trabalhos a obra publicada por Descartes em 1637 (Discurso do Método, A Dióptrica, Os Meteoros e A Geometria). E foi pensado a partir de dois objetivos principais. O primeiro foi propiciar reflexões e escritos ao redor destes textos cartesianos, tendo em conta o estado atual de interpretações, mas também para avaliar a atitude dominante de lê-los separadamente. O segundo objetivo foi preparar, de algum modo, o terreno, por meio de textos e debates, para a recepção da publicação da tradução brasileira dessas obras de Descartes, inédita por reuni-las todas em um só volume, como foi a publicação de 1637. A tradução brasileira foi publicada em 2018 com o título Discurso do Método & Ensaios (Editora da UNESP, 2018), tendo sido traduzida pelos seguintes pesquisadores: Discurso do Método, tradução e notas de Marisa Carneiro de Oliveira Franco Donatelli; A Dióptrica, tradução e notas de Pablo Rubén Mariconda e Guilherme Rodrigues Neto; Os Meteoros, tradução e notas de Paulo Tadeu da Silva e Érico Andrade; A Geometria, tradução e notas de César Augusto Battisti.

    O presente dossiê pretende fomentar e dar continuidade à consecução desses objetivos. Espera-se que, com a disponibilização da tradução e do dossiê, emerjam novas pesquisas e novos especialistas, especialmente sobre os Ensaios.

    Gostaríamos de agradecer aos que nos enviaram seus textos e aos órgãos apoiadores, em especial, a Fundação Fausto Castilho e a Capes, esta última tendo financiado parte da presente publicação. Agradecemos também à Modernos & Contemporâneos por ter acolhido a nossa proposta.

    César Augusto Battisti

  • Kant em situação, Brasil Norte-Nordeste
    v. 4 n. 8 (2020)

    A publicação dos artigos da presente edição do periódico Modernos & Contemporâneos representa uma rara oportunidade oferecida aos estudiosos da filosofia no Brasil, estudiosos estes que desenvolvem suas atividades de ensino e pesquisa em Instituições do Norte e Nordeste de nosso país. Como se pode constatar, a quase totalidade dos autores participantes do atual número do periódico escreveram artigos voltados para o pensamento kantiano, mas participam também da publicação dois autores que dedicam estudos às filosofias de Hume e Hobbes. Ambos importantes pensadores constam em nosso dossiê por pertencerem à
    tradição filosófica que Kant está vinculado, e por terem ecoado de algum modo no pensamento do filósofo alemão. Por tal razão, justificada está a presença de dois artigos convenientemente acomodados junto aos demais que tematizam aspectos do pensamento kantiano.
    Os artigos produzidos pelos Professores do Estado do Pará, em sua maioria vinculados à Universidade Federal do Pará (UFPa), detém relevante notabilidade em virtude da crescente consolidação da pesquisa filosófica na UFPa, a qual teve um considerável avanço após passar pouco mais de uma década da implantação do primeiro Programa de Pós-Graduação em Filosofia da região Norte do Brasil. Nos demais Estados dessa região, o estudo da filosofia se mantém a nível de graduação. Excetua-se o Estado de Rondônia, cujo Programa de Pós-graduação em filosofia foi recentemente implantado na Universidade Federal desse Estado.Embora não desconheçamos e nem tenhamos limitado a participação de autores de outros Estados da região no dossiê, somente foi possível reunir o testemunho investigativo de autores vinculados à UFPa e, também, que mantiveram vínculo (dois ex-alunos) com a citada instituição.A partir da colaboração de três Professores do Estado do Maranhão e um Professor de Estado Sergipe completamos o dossiê na parte atinente à região Nordeste. Diferentemente do Norte, a região Nordeste conta com cursos de graduação e Pós-graduação em Filosofia em todos os Estados que a constituem. Devido ao maior intervalo de tempo em que se desenvolvem, o ensino e a pesquisa filosófica nordestinas têm maior visibilidade no cenário nacional. O objetivo precípuo do atual número da presente publicação consiste em contribuir para o aumento dessa visibilidade ao estendê-la para o Norte e Nordeste. Esta contribuição é de importância altamente relevante em virtude da tentativa de irmanar a filosofia dessas duas regiões aos destacados centros de estudo e divulgação da filosofia no Brasil.
    A filosofia inscrita nos trabalhos aqui publicados é produzida em solo brasileiro e em nada difere do modo como se tem praticado a reflexão filosófica nas demais regiões do Brasil. Os autores dos artigos fizeram seus estudos avançados nos mais afamados centros de pesquisa filosófica das Universidades do Sudeste brasileiro. Assim sendo, o leitor não deve esperar do presente dossiê nenhum tipo de exotismo filosófico que busque assentar seu caráter em alguma espécie de nacionalidade. 

    Agostinho de Freitas Meirelles