Spinoza, Strategy, and Transindividuality

  • Dave Mesing

Resumo

Este ensaio examina o trabalho de Laurent Bove sobre a estratégia espinosista, a fim de considerar um possível encontro teórico com a abordagem transindividual de Spinoza delineada por Étienne Balibar. Argumento que o projeto de Bove de articular uma teoria da estratégia espinosista é mais bem lido como uma ontologia política e reconstruir a lógica dessa ontologia política por meio de uma análise de seus principais termos e argumentos. Afirmo que a ontologia política substitui a ontologia pela política, baseando-se, em última instância, em uma concepção fixa da ontologia como primeira filosofia que estabiliza e organiza sua estrutura teórica. Isso leva a três implicações do relato de estratégia de Bove: uma criação do mundo para organização estratégica, a colocação de um sujeito autêntico ou genuíno adequado a esse mundo e uma orientação a priori para toda a estratégia. À luz desses três problemas, sugiro pensar o projeto da estratégia espinosista como uma articulação da ontologia e da história, e voltar-se para alguns insights da leitura transindividual de Spinoza feita por Balibar, a fim de esboçar um esboço para uma abordagem alternativa à estratégia espinosista.
Publicado
2019-03-13
Como Citar
Mesing, D. (2019). Spinoza, Strategy, and Transindividuality. Modernos & Contemporâneos - International Journal of Philosophy [issn 2595-1211], 2(4). Recuperado de https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/modernoscontemporaneos/article/view/3483