A interrogação sobre o ser em Heidegger e a filosofia da religião em Keiji Nishitani

  • Takao Todoroki

Resumo

Pretendo estabelecer uma comparação entre a análise da existência em Ser e tempo, entendido como a obra principal de Heidegger, e a filosofia da religião em Keiji Nishitani. Mesmo tendo partido de uma descrição fenomenológica da experiência no Cristianismo primitivo, Heidegger adentrou em tópicos como “Deus”, a “Alma” e a “existência futura”, pressupondo uma distinção entre uma postura piedosa em relação e Deus e uma outra postura a ela oposta. Neste ponto existe certamente pontos de contato com a filosofia da religião da escola de Kyoto, que mesmo partindo de uma base budista pensa a religião em geral sem estar limitada por esta base. Nesta dimensão pretendo me espelhar na filosofia da religião de Keiji Nishitani, apontando para sua semelhança com a estrutura da análise existencial em Heidegger. Através desta comparação entre Heidegger e Nishitani pretendo apontar para as razões que levam os japoneses a ter um interesse muito forte no pensamento de Heidegger, indicando a hipótese de que isto se dá em função da semelhança com a religiosidade dos japoneses.
Publicado
2018-10-23
Como Citar
Todoroki, T. (2018). A interrogação sobre o ser em Heidegger e a filosofia da religião em Keiji Nishitani. Modernos & Contemporâneos - International Journal of Philosophy [issn 2595-121], 2(3). Recuperado de https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/modernoscontemporaneos/article/view/3323