Carta de Descartes a Mersenne Amsterdam, 18 de março de 1630

  • René Descartes

Resumo

Sobre tua questão, de saber se é possível estabelecer a razão do belo, é a mesma queperguntavas anteriormente, por que um som é mais agradável que o outro, ainda que o termo belopareça relacionar-se mais particularmente ao sentido da vista. Mas, geralmente, nem o belo nemo agradável significam algo além de uma relação entre nosso juízo e o objeto; e porque os juízosdos homens são tão diferentes, não se pode dizer que o belo e o agradável tenham uma medidadeterminada. E eu não saberia explicar melhor do que eu fiz outrora em minha Música; usarei aquios mesmos termos, porque eu tenho o livro em mãos: Entre os objetos do sentido, o mais agradável aoânimo não é o que é mais facilmente percebido pelo sentido, e nem também aquele que o é mais dificilmente;mas que não é tão facilmente que satisfaça inteiramente o desejo natural, pelo qual os sentidos são dirigidospara os objetos e nem tão dificilmente, que fatigue o sentido.
Publicado
2018-09-09
Como Citar
Descartes, R. (2018). Carta de Descartes a Mersenne Amsterdam, 18 de março de 1630. Modernos & Contemporâneos - International Journal of Philosophy [issn 2595-1211], 1(2). Recuperado de https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/modernoscontemporaneos/article/view/3271

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##