Três Correspondências: Descartes a Beeckman; Descartes a Arnauld e Descartes a More

  • René Descartes

Resumo

Os três trechos traduzidos, que cobrem um longo período, de 1630 a 1649, mostram queDescartes manteve, desde que lhe ocorreu a teoria da criação das verdades eternas até o fim de suavida, cautela quanto à atribuição de limites ao poder divino. A Beeckman, já em 1630, Descartesmostra-se consciente de que a “compreensão” de sua inteligência não alcança o infinito relacionadoao que Deus pode fazer. Em julho de 1648 e, um pouco mais tarde, em fevereiro de 1649, Descartesexplicita que a compreensão pela nossa inteligência tem, de fato, limites que nos parecem claros,como a impossibilidade de pensar o que nos parece contraditório (no caso, para Descartes, atribuirextensão ao vácuo seria contraditório), mas que esses limites não são, necessariamente, tambémlimites para o poder de Deus.
Publicado
2018-09-09
Como Citar
Descartes, R. (2018). Três Correspondências: Descartes a Beeckman; Descartes a Arnauld e Descartes a More. Modernos & Contemporâneos - International Journal of Philosophy [issn 2595-1211], 1(2). Recuperado de https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/modernoscontemporaneos/article/view/3270

##plugins.generic.recommendByAuthor.heading##