O caráter “emergentistas” das paixões em Descartes

  • Érico Andrade Marques de Oliveira

Resumo

O presente artigo tem como objetivo central apresentar uma visão alternativa para odebate sobre o dualismo cartesiano mente e corpo. Nessa perspectiva, vou sustentar a tese que odualismo de substâncias cartesiano está presente apenas na metafísica cartesiana e não serve paraexplicar a condição humana, marcada, notadamente, pelo composto mente e corpo. Desse modo,vou procurar mostrar que as paixões ou emoções, responsáveis por nossos estados mentais, sãodecorrentes da interação entre a mente e o corpo e, de modo nenhum, podem ser reduzidas à menteou ao corpo tomados separadamente. Elas são propriedades que emergem, no sentido heterodoxodo termo emergência, da relação da mente com o corpo.
Publicado
2018-09-09
Como Citar
Oliveira, Érico A. M. de. (2018). O caráter “emergentistas” das paixões em Descartes. Modernos & Contemporâneos - International Journal of Philosophy [issn 2595-1211], 1(2). Recuperado de https://www.ifch.unicamp.br/ojs/index.php/modernoscontemporaneos/article/view/3261